The Holy See
back up
Search
riga
PAPA BENTO XVI

ANGELUS

Domingo, 1 de Julho de 2007

Amados Irmãos e Irmãs

As leituras bíblicas da Missa deste Domingo convidam-nos a meditar sobre um tema fascinante que se pode resumir deste modo: liberdade e seguimento de Cristo. O evangelista Lucas narra que Jesus, enquanto "estavam a chegar os dias de ser levado deste mundo, dirigiu-se resolutamente a Jerusalém" (Lc 9, 51). Na expressão "resolutamente", podemos entrever a liberdade de Cristo.

De facto, ele sabe que a morte na cruz o aguarda em Jerusalém, porém, em obediência à vontade do Pai, oferece-se a si mesmo por amor. É nesta sua obediência ao Pai que Jesus realiza a própria liberdade como escolha consciente motivada pelo amor. Quem é mais livre do que ele, que é o Omnipotente? Ele, porém, não viveu a sua liberdade como arbítrio ou poder. Ele viveu-a como serviço. Deste modo, "preencheu" de conteúdo a liberdade que, se assim não fosse, permaneceria "vazia" possibilidade de fazer o bem ou não. Como a própria vida do homem, a liberdade haure o sentido do amor. Quem realmente é mais livre? Quem se reserva de todas as possibilidades por medo de perdê-las, ou quem se consome "resolutamente" no serviço e assim se encontra cheio de vida pelo amor que deu e recebeu?

O apóstolo Paulo, escrevendo aos cristãos da Galácia, na actual Turquia, diz: "Vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não tomeis, porém a liberdade como pretexto para servir a carne. Pelo contrário, fazei-vos servos uns dos outros pela caridade" (Gl 5, 13). Viver segundo a carne significa seguir a tendência egoísta da natureza humana. Viver segundo o Espírito, porém, é deixar-se guiar pelas intenções e pelas obras do amor de Deus, que Cristo nos deu. A liberdade cristã, portanto, é algo totalmente diferente da arbitrariedade; é o seguimento de Cristo no dom de si mesmo até ao sacrifício da Cruz. Pode parecer um paradoxo, mas o ápice da sua liberdade o Senhor viveu-o na cruz, como vértice do amor. Quando no Calvário lhe gritavam: "Se és o Filho de Deus, desce da cruz", ele demonstrou a sua liberdade de Filho exactamente permanecendo naquele patíbulo para cumprir completamente a vontade misericordiosa do Pai. Esta experiência foi partilhada por muitas outras testemunhas da verdade: homens e mulheres que demonstraram permanecer livres mesmo numa cela de prisão ou sob a ameaça da tortura. "A verdade vos tornará livres". Quem pertence à verdade jamais será escravo de algum poder, mas sempre saberá, livremente, fazer-se servo dos irmãos.

Contemplemos Maria Santíssima. Humilde serva do Senhor, a Virgem é modelo de pessoa espiritual, plenamente livre porque imaculada, imune ao pecado, e toda santa, dedicada ao serviço de Deus e do próximo. Com o seu zelo materno nos ajude a seguir Jesus, para conhecer a verdade e viver a liberdade no amor.


Apelo

"Da Colômbia chega-nos a triste notícia do bárbaro assassinato de onze Deputados regionais do Departamento de Valle del Cauca, que por mais de cinco anos permaneceram nas mãos das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia. Enquanto elevo orações em sufrágio pelas suas almas, uno-me à profunda dor dos familiares e da amada Nação colombiana, mais uma vez ainda afligida pelo ódio fratricida. Renovo o meu forte apelo para que cessem imediatamente todos os sequestros e sejam restituídos ao afecto dos seus entes queridos tantos que ainda são vítimas de tais inadmissíveis formas de violência".

 

© Copyright 2007 - Libreria Editrice Vaticana

 

top