The Holy See
back up
Search
riga
CARTA DO PAPA BENTO XVI
AO CARDEAL PÉTER ERDO,
PRIMAZ DA HUNGRIA,
PELO VIII CENTENÁRIO DO NASCIMENTO
DE SANTA ISABEL

 

Ao Venerado Irmão Card. PÉTER ERDO
Arcebispo de Esztergom-Budapeste
Primaz da Hungria
Presidente do Conselho das Conferências Episcopais da Europa

Com grande satisfação tomei conhecimento de que estão em preparação festas especiais para o VIII centenário de Santa Isabel da Turíngia ou da Hungria, que se celebra este ano. Nesta feliz circunstância peço-lhe que se torne intérprete junto dos fiéis da Hungria e de toda a Europa da minha espiritual participação nas celebrações previstas: elas serão ocasião oportuna para propor ao inteiro Povo de Deus e, especialmente, à Europa o esplêndido testemunho desta Santa, cuja fama atravessou os confins da própria Pátria, envolvendo muitíssimas pessoas também não cristas em todo o Continente.

Santa "europeia", Isabel tinha nascido num contexto social de recente evangelização. André e Gertrudes, pais dessa autêntica jóia da nova Hungria cristã, preocuparam-se em formá-la na consciência da própria dignidade de filha adoptiva de Deus. Isabel fez seu o programa de Jesus Cristo, Filho de Deus, que ao fazer-se homem, "despojou-se de si mesmo tomando a condição de servo" (Fl 2, 7). Graças à ajuda de óptimos mestres, pôs-se nas pegadas de São Francisco de Assis, propondo-se como pessoal e último objectivo conformar a sua existência à de Cristo, único Redentor do homem.

Chamada a ser esposa do Landgrave da Turíngia, não cessou de se dedicar aos cuidados dos pobres, nos quais reconhecia os traços do Mestre Divino. Soube unir os dotes de esposa e de mãe exemplar ao exercício das virtudes evangélicas, aprendidas na escola do santo de Assis. Revelou-se verdadeira filha da Igreja, oferecendo um testemunho concreto, visível e significativo da caridade de Cristo. Inúmeras pessoas, ao longo dos séculos, seguiram o seu exemplo, olhando para ela como um modelo de virtudes cristãs, vividas de modo radical no matrimónio, na família e também na viuvez. Nela inspiraram-se também personalidades políticas, haurindo dela o entusiasmo para trabalhar pela reconciliação dos povos.

O ano internacional elisabetano, iniciado em Roma no passado dia 17 de Novembro, está a trazer novos estímulos para compreender melhor a espiritualidade desta filha da Panónia, que demonstra ainda hoje aos seus concidadãos e aos habitantes do Continente europeu a importância dos valores imorredouros do Evangelho.

Senhor Cardeal, formulo fervorosos votos a fim de que o conhecimento aprofundado da personalidade e da obra de Isabel da Turíngia possa ajudar a redescobrir com consciência cada vez mais viva as raízes cristãs da Hungria e da própria Europa, impelindo os responsáveis a desenvolver de modo harmonioso o respeitoso diálogo entre a Igreja e as sociedades civis, para construir um mundo realmente livre e solidário. Possa o ano internacional elisabetano constituir para os Húngaros, os Alemães e todos os Europeus, ocasião muito propícia para evidenciar a herança cristã recebida dos pais, de modo a continuar a haurir daquelas raízes a linfa necessária para uma abundante frutificação do novo milénio há pouco iniciado.

Enquanto invoco sobre todos a constante protecção de Maria, Magna Domina Hungarorum, de Santo Estevão e de Santa Isabel, concedo a Vossa Em., Senhor Cardeal, ao Episcopado, ao clero, aos religiosos e a todos os fiéis uma especial Bênção Apostólica, penhor de abundantes favores celestes.

Vaticano, 27 de Maio de 2007.

BENEDICTUS PP. XVI

© Copyright 2007 - Libreria Editrice Vaticana

top