The Holy See
back up
Search
riga

CARTA DO PAPA BENTO XVI
AO CARDEAL GIANFRANCO RAVASI
EM AGRADECIMENTO PELAS MEDITAÇÕES
DOS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS

 

Ao Venerado Irmão
Cardeal Gianfranco Ravasi
Presidente do Pontifício Conselho para a Cultura

Desejo de todo o coração, Venerado Irmão, manifestar-lhe a minha profunda gratidão pelo serviço que me prestou, assim como à Cúria Romana, propondo as meditações dos Exercícios espirituais. No início da Quaresma, a semana dos Exercícios constitui um tempo ainda mais intenso de silêncio e de oração, e o tema do ano corrente — nomeadamente, o diálogo entre Deus e o homem na oração sálmica — serviu-nos de ajuda especial: assim que entramos, por assim dizer, no deserto seguindo as pegadas de Jesus, pudemos beber na nascente de água puríssima e abundante da Palavra de Deus, que Vossa Eminência nos orientou a haurir do Livro dos Salmos, o lugar bíblico por excelência em que a Palavra se faz oração.

Enriquecido pela sua ciência e pela sua experiência, Vossa Eminência propôs um itinerário sugestivo através do Saltério, seguindo um movimento dúplice: ascendente e descendente. Com efeito, os Salmos orientam antes de tudo para o Rosto de Deus, para o mistério em que a mente humana naufraga, mas que a própria Palavra divina permite compreender, em conformidade com os vários perfis em que o próprio Deus se revelou. E, ao mesmo tempo, precisamente na luz que deriva do Rosto de Deus, a oração sálmica leva-nos a fitar a face do homem, para reconhecer na verdade as suas alegrias e as suas dores, as suas angústias e as suas esperanças.

Estimado Senhor Cardeal, deste modo a Palavra de Deus, mediada pela ars orandi antiga e sempre nova do Povo judaico e da Igreja, permitiu-nos renovar a ars credendi: una exigência solicitada pelo Ano da fé e tornada ainda mais necessária pelo momento particular que eu pessoalmente e a Sé Apostólica estamos a viver. O Sucessor de Pedro e os seus colaboradores são chamados a oferecer à Igreja e ao mundo um claro testemunho de fé, e isto só é possível graças a uma imersão profunda e estável no diálogo com Deus. Às numerosas pessoas que ainda hoje perguntam: «Quem nos fará ver o bem?», podem responder aqueles que reflectem no seu rosto e com a sua vida a luz da Face de Deus (cf. Sl 4, 7).

Venerado Irmão, o Senhor saberá recompensá-lo por este compromisso que Vossa Eminência desempenhou de modo tão brilhante. Quanto a mim, asseguro-lhe a recordação sempre reconhecida na oração pela sua pessoa e pelo seu serviço eclesial, enquanto lhe renovo afectuosamente a Bênção Apostólica, tornando-a de bom grado extensiva a quantos lhe são queridos.

Vaticano, 23 de Fevereiro de 2013.

 

BENEDICTUS PP XVI

 

© Copyright 2013 - Libreria Editrice Vaticana

 

top