The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
AO SENHOR FRANCISCO SALAZAR ALVARADO
NOVO EMBAIXADOR DA REPÚBLICA DO EQUADOR
JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS*

Segunda-feira, 29 de Agosto de 2005

 

Senhor Embaixador

1. É com prazer que recebo das suas mãos as Cartas que o acreditam como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República do Equador junto da Santa Sé e, ao agradecer-lhe sinceramente as amáveis palavras que houve por bem dirigir-me, dou-lhe as minhas cordiais boas-vindas neste acto solene com o qual inicia a missão que lhe foi confiada pelo seu Governo, a qual já desempenhou com significativa habilidade de 1984 a 1988.

Aprecio particularmente a confiança depositada em Vossa Excelência pelo Senhor Presidente da República, Dr. Alfredo Palácio González, ao qual peço que Vossa Excelência faça chegar os meus melhores votos de paz, bem-estar e prosperidade para o progresso integral dessa Nação tão querida.

2. Ao receber Vossa Excelência não posso deixar de recordar a agradável visita que, sendo na época Arcebispo de Munique e Frisinga, fiz ao seu País em 1978 para presidir, como Enviado Extraordinário, ao III Congresso Mariano Nacional em Guayaquil. Naquela ocasião pude visitar também as circunscrições eclesiásticas de Cuenca, Ambato e brevemente Quito. Foi uma experiência muito positiva que me permitiu verificar a herança de fé e a adesão à Igreja católica que caracterizam o povo equatoriano, o qual me recebeu com grande demonstração de fervor e respeito como representante do Papa.

3. O Equador, como muitos outros Países, está atormentado também por problemas de ordem económica, social e política. A busca de meios para os resolver é uma tarefa árdua que requer sempre a boa vontade e a colaboração de todos os cidadãos dos diferentes estratos sociais, sobretudo dos responsáveis dos diversos órgãos políticos e socioeconómicos. Portanto, é urgente esta união de intenções e vontades para tornar possível uma acção contínua dos governantes face aos desafios de um mundo globalizado, os quais é necessário enfrentar com solidariedade autêntica.
Como dizia o meu Predecessor João Paulo II, de venerada memória, esta virtude deve inspirar a acção dos indivíduos, dos governos, dos organismos e instituições internacionais e de todos os membros da sociedade civil, comprometendo-os a trabalhar para um crescimento justo dos povos e das nações, tendo como objectivo o bem de todos e de cada um (cf. Sollicitudo rei socialis, 40).

4. Vossa Excelência, Senhor Embaixador, nas suas palavras referiu-se ao desejo do seu Governo de combater a corrupção em todas as suas formas, reduzir a desigualdade entre os que possuem tudo e os que carecem de bens básicos como a educação, a saúde e a habitação, juntando iniciativas para continuar a construir uma nação melhor. Na realidade, a transparência e a honradez na gestão pública favorecem um clima de credibilidade e de confiança dos cidadãos nas suas autoridades, e são a base para um desenvolvimento conveniente e justo. Conheço também as iniciativas que estão a ser tomadas partindo do ensino da Doutrina Social da Igreja, a qual convida os órgãos administrativos a pôr em prática o princípio de subsidiariedade como meio eficaz para atender a tantas necessidades concretas.

Nestas tarefas os responsáveis das entidades oficiais encontrarão na Igreja no Equador, mesmo se com a pobreza dos seus recursos mas com a força das suas convicções firmes, a colaboração adequada para encontrar soluções justas, reconhecendo os esforços para fazer crescer a consciência e a responsabilidade dos cidadãos e fomentar a participação de todos. O esforço por satisfazer as necessidades dos mais desfavorecidos deve considerar-se uma prioridade fundamental. Entre os que mais sofrem muitos pertencem às populações indígenas, grande parte das quais estão esmagadas pela pobreza e pela marginalização.

5. Vossa Excelência sabe bem como a Igreja Católica oferece sem limites a sua colaboração assídua perante o lamentável problema da emigração. São louváveis o reconhecimento e o respeito que o Governo lhe oferece neste campo. O afastamento da pátria, devido ao legítimo desejo de encontrar melhores condições de vida, traz consigo uma série de incertezas, dificuldades e sofrimento nas famílias, especialmente quando se deixam na pátria filhos de tenra idade. Por isso, além de os ajudar economicamente, é necessário conservar e incrementar os ricos valores culturais e religiosos que fazem parte da bagagem com que os emigrantes um dia partiram.

Entre esses valores, está muito arraigada no coração dos fiéis equatorianos a devoção à Mãe de Deus. Precisamente, como Vossa Excelência recordou, celebrar-se-á no próximo ano o centenário do "milagre" da imagem de Nossa Senhora das Dores do Colégio em Quito. Ao longo dos anos, várias personalidades da política, da cultura e da arte manifestaram publicamente a sua devoção à Virgem com este título. Desejo aqui mencionar também o amor dos seus concidadãos a Mariana de Jesus, a primeira Santa equatoriana, cuja estátua de mármore será colocada proximamente num lugar já estabelecido da Basílica de São Pedro, como expressão da firme adesão do Equador a esta Sé Apostólica.

6. Senhor Embaixador, no final deste acto desejo formular-lhe os meus melhores votos pelo feliz desempenho das suas funções. Peço-lhe que transmita ao Senhor Presidente da República a minha saudação e, a todo o povo equatoriano, a certeza da minha oração para que progrida de modo sereno e pacífico. Peço ao Altíssimo que o assista sempre na missão que hoje inicia, enquanto invoco abundantes bênçãos sobre Vossa Excelência, sobre a sua distinta família e os seus colaboradores, assim como sobre os governantes e cidadãos do Equador.


*L'Osservatore Romano n. 36 pp. 4, 5.

 

© Copyright 2005 - Libreria Editrice Vaticana

 

top