The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
AO SENHOR MADAN KUMAR BHATTARAI
NOVO EMBAIXADOR DO REINO DO NEPAL
 JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS*

 Quinta-feira, 1 de Dezembro de 2005

 

Senhor Embaixador

Dou-lhe calorosas boas-vindas, no momento de aceitar as Cartas Credenciais que o designam Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário do Reino do Nepal junto da Santa Sé.

Profundamente agradecido pelas saudações e bons votos que Vossa Excelência me transmite da parte de Sua Majestade o Rei Gyanendra Bir Bikram Shah, retribuo de bom grado os seus amáveis sentimentos e peço que lhe transmita, bem como ao governo e ao povo do Nepal, a expressão da minha estima e da certeza das minhas preces pelo bem-estar e a prosperidade da sua nação.

O seu país e a Santa Sé têm laços de amizade e de cooperação, que se tornam cada vez mais fortes em virtude do compromisso comum em vista de trabalhar pela paz e pela segurança entre os povos, em todos os estratos da sociedade. Esta tarefa conjunta interpela todos os homens e mulheres de boa vontade, e deseja fomentar e promover a solidariedade internacional. De facto, sem ela não pode existir uma paz genuína. Tanto os pobres como os ricos têm o direito de participar no usufruto dos bens materiais da terra e de exercer a sua capacidade de trabalhar, recebida de Deus. O meu ilustre Predecessor, o Papa João Paulo II, ensinou que nós temos o dever solene de criar um mundo que seja mais justo e próspero para todos, afirmando na sua Carta Encíclica Centesimus annus que "a elevação dos pobres é uma grande ocasião para o crescimento moral, cultural e até económico de toda a humanidade" (n. 28).

Enquanto este apelo a uma maior solidariedade é dirigida à comunidade internacional no seu conjunto, ele é de particular relevância para os países da Ásia. Como Vossa Excelência bem sabe, as nações do seu continente têm necessidade de continuar a trabalhar em estreito contacto umas com as outras, se quiserem resolver as dificuldades levantadas pelos conflitos e pela pobreza. Sem dúvida, a sua região está abençoada com numerosos homens e mulheres dotados das capacidades humanas e intelectuais necessárias para enfrentar os desafios do nosso tempo. Cada tentativa de mobilizar este talento de maneira construtiva ajuda a fomentar a cooperação necessária para ajudar os países em dificuldade. Por conseguinte, exorto Vossa Excelência a continuar a trabalhar com os seus vizinhos para assegurar que os problemas do continente sejam abordados de forma eficaz. A ulterior cooperação internacional na análise e na avaliação das opções políticas e sociais, bem como a promoção da paz e da reconciliação hão-de reforçar a influência da sua região aos olhos do resto do mundo. E levarão também a uma maior assistência às nações mais pobres e a um maior respeito pela respectiva soberania.

Desejo expressar a minha solicitude pelos actos de violência que assumiram uma proporção devastadora no seu país. Rezo para que todas as partes interessadas ponham fim ao derramamento de sangue que continua a causar tanto sofrimento para a sua nação e, ao contrário, sigam o caminho do diálogo e da negociação. Só isto conseguirá levar a população do Nepal a beneficiar da justiça, da tranquilidade e da harmonia. Efectivamente, somente através do diálogo poderemos ultrapassar as formas de conflito e de tensão que impedem os nossos esforços em vista de edificar uma plataforma sólida para a paz e a fraternidade (cf. Discurso ao Corpo Diplomático, 12 de Maio de 2005). Deve-se evitar sempre o uso da violência como instrumento para a mudança política, e fomentar sempre a edificação da compreensão mútua e um intercâmbio de ideias que seja construtivo. As facções opostas entre si devem permitir que as bênçãos do perdão cedam lugar à esperança de um futuro de paz, para eliminar assim a dor e enxugar as lágrimas do passado. Se insistirmos sobre a grandeza e a dignidade da pessoa humana, e propagarmos um sentido mais clarividente da unicidade da família humana, juntos poderemos erradicar as causas da violência e da injustiça.

Por sua vez, a Igreja Católica inspira-se também no excelso princípio da solidariedade, no seu compromisso ao serviço do bem integral da pessoa humana. Embora sejam pouco numerosos, os católicos do Nepal chamam a atenção para a necessidade de ajudar os pobres na luta contra a pobreza. Os esforços da Igreja não são apenas uma expressão da sua solicitude pelos indivíduos menos afortunados, mas frisam o seu profundo desejo de trabalhar com as autoridades governamentais, pelo bem-estar espiritual e material de todos os cidadãos.

A Igreja está activamente comprometida na promoção do desenvolvimento humano no Nepal, mediante a sua presença nas escolas, nos orfanatos, nas clínicas e nos hospitais. Estou convicto de que o apoio constante em favor da garantia legal da liberdade religiosa tornará os cristãos capazes de dar continuidade ao cumprimento da sua missão de pregar a Boa Nova da salvação e de dar testemunho da mesma, através de gestos concretos de amor e de compaixão. A comunidade católica permanece comprometida nos princípios do diálogo inter-religioso e promete a sua cooperação constante com as autoridades civis nas suas tentativas de promover este intercâmbio essencial de ideias.

Senhor Embaixador, estou convencido de que a sua missão há-de fortalecer ainda mais os vínculos de entendimento e de amizade entre nós. Vossa Excelência pode ter a certeza de que a Santa Sé continuará a ser um parceiro comprometido do Nepal, que procura promover o seu próprio desenvolvimento e tornar-se uma força para a estabilidade e a paz na Ásia e no contexto mais amplo da comunidade das nações. Sobre o Senhor Embaixador e o querido povo do Nepal, invoco cordialmente as abundantes bênçãos da paz e da harmonia.


*L'Osservatore Romano n. 50 p. 6.

 

© Copyright 2005 - Libreria Editrice Vaticana

 

top