The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
AO SENHOR ELCHIN OKTYABR OGLU AMIRBAYOV
PRIMEIRO EMBAIXADOR DA REPÚBLICA DO AZERBAIJÃO
JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS*

Quinta-feira, 16 de Junho de 2005

Excelência

É com particular prazer que lhe dou as boas-vindas ao Vaticano, como primeiro Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República do Azerbaijão junto da Santa Sé. Por ocasião desta feliz circunstância, pedir-lhe-ia cordialmente que trasmitisse as minhas sinceras saudações a Sua Excelência o Senhor Presidente Aliev, bem como ao Governo e ao povo da vossa nobre terra. Assegurai-lhes a minha gratidão pelos seus bons votos e as minhas preces pela paz e o bem-estar da sua nação.

As relações diplomáticas da Igreja constituem uma parte da sua missão de serviço à comunidade internacional. O seu compromisso em prol da sociedade civil está alicerçado na convicção de que a tarefa de construção de um mundo mais justo há-de reconhecer e ter em consideração a vocação sobrenatural do homem. Por conseguinte, a Santa Sé esforça-se por promover uma compreensão da pessoa humana, que "recebe de Deus a sua dignidade essencial e, com ela, a capacidade de transcender todo o regime da sociedade, rumo à verdade e ao bem" (Carta Encíclica Centesimus annus, 38). A partir deste fundamento, a Igreja fomenta os valores universais que salvaguardam a dignidade de cada pessoa e servem o bem comum da vasta gama de culturas e de nações que formam o nosso mundo.

O povo do Azerbaijão sabe muito bem que, se a dimensão espiritual das pessoas for reprimida ou até mesmo negada, a alma da nação será aniquilada. Durante a trágica época da intimidação, na história da Europa do Leste, quando prevalecia a supremacia da força, as comunidades de credo monoteísta, presentes no seu país durante séculos, conservaram a esperança na justiça e na liberdade, num futuro em que prevalecesse a supremacia da verdade. Hoje, elas voltam a apresentar esta mesma proposta. Efectivamente, quando o meu amado predecessor, o Papa João Paulo II, se encontrou no passado mês de Novembro com os Chefes religiosos do Azerbaijão, em representação das comunidades muçulmanas, russo-ortodoxas e hebraicas, ele recordou que tal reunião constituía para o mundo um símbolo do modo como a tolerância entre as comunidades de fé prepara o caminho para um desenvolvimento humano, civil e social mais vasto, num contexto de maior solidariedade.

Enquanto o Azerbaijão continua a empenhar-se na delicada tarefa de forjar a sua índole nacional, é para as comunidades de fé que as autoridades políticas e civis devem voltar-se, em ordem a um compromisso firme na formação da ordem social, em conformidade com o bem comum. Este compromisso exige que a liberdade religiosa, que preserva a singularidade de cada uma das comunidades de fé, seja sancionada como direito civil fundamental e salvaguardada por um vigoroso sistema de normas jurídicas que respeitem as leis e os deveres próprios das comunidades religiosas (cf. Concílio Ecuménico Vaticano II, Declaração sobre a liberdade religiosa Dignitatis humanae, 2). Este apoio concreto à liberdade religiosa, por parte dos líderes políticos, torna-se um instrumento seguro para o autêntico progresso social e para a paz. A este propósito, reconheço com gratidão o papel do Senhor Presidente Aliev e do seu Governo, tanto na promoção da reconstrução da Igreja Católica em Baku, como também na fundação de um centro para as pessoas necessitadas.

Senhor Embaixador, o sólido desenvolvimento económico é uma antiga aspiração de todos os cidadãos azerbaijanos. Além disso, ele constitui um direito que contém em si mesmo o dever correspondente de contribuir, segundo as próprias capacidades, para o autêntico progresso da comunidade. A prioridade da promoção dos projectos sociais e comerciais, capazes de formar uma sociedade mais equitativa, representa um difícil mas estimulador desafio para todos aqueles que regulam e trabalham no sector dos negócios.

O seu país já deu vários passos em vista de assegurar os direitos fundamentais aos seus cidadãos e de promover a prática da democracia. Contudo, ainda há muito a alcançar. Somente no respeito da dignidade inviolável da pessoa humana e na promoção das correspondentes liberdades individuais, a sociedade civil pode ser edificada de maneira a contribuir para a prosperidade de todos os seus cidadãos. Tenha a certeza de que a comunidade da Igreja Católica, embora numericamente exígua no Azerbaijão, há-de continuar, por sua vez, a contribuir de forma altruísta para a promoção da justiça e a salvaguarda dos pobres.

Excelência, estou persuadido de que a missão diplomática que o Senhor Embaixador começa hoje fortalecerá ulteriormente as fecundas relações já existentes entre a Santa Sé e o seu país. Pode estar certo de que os diversos departamentos da Cúria Romana estão prontos para o ajudar a cumprir as suas incumbências. Com sinceros bons votos, invoco sobre Vossa Excelência e todo o povo do Azerbaijão, as abundantes bênçãos divinas.


*L'Osservatore Romano n. 26 p. 7.

 

© Copyright 2005 - Libreria Editrice Vaticana

 

top