The Holy See
back up
Search
riga
DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
AOS PARTICIPANTES NA REUNIÃO DOS BISPOS
 NOMEADOS NO ÚLTIMO ANO

   Castel Gandolfo, 22 de Setembro de 2007

 

Caríssimos Irmãos no Episcopado

É já uma tradição há muitos anos que os Bispos recém-nomeados se reúnam em Roma para um encontro que é vivido como uma peregrinação ao túmulo de São Pedro. Acolho-vos com particular afecto. A experiência que estais a fazer, além de vos estimular à reflexão sobre as responsabilidades e as tarefas de um Bispo, permite-vos reavivar nos vossos ânimos a consciência de que não estais sozinhos no governo da Igreja de Deus, mas tendes, juntamente com a ajuda da graça, o apoio do Papa e o dos vossos Irmãos. O estar no centro da catolicidade, nesta Igreja de Roma, abre os vossos ânimos para uma percepção mais viva da universalidade do Povo de Deus e faz crescer em vós a solicitude por toda a Igreja. Agradeço ao Cardeal Giovanni Battista Re as palavras com as quais interpretou os vossos sentimentos e dirijo um particular pensamento a D. Leonardo Sandri, Prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, enquanto saúdo cada um de vós, indo com o pensamento às vossas dioceses.

No dia da Ordenação episcopal, antes da imposição das mãos, a Igreja pede ao candidato que assuma alguns empenhos entre os quais, além daquele de anunciar com fidelidade o Evangelho e conservar a fé, também o de "perseverar na oração a Deus omnipotente para o bem do seu povo santo". Gostaria de deter-me convosco exactamente sobre o carácter apostólico e pastoral da oração do Bispo.

O evangelista Lucas escreve que Jesus escolheu os doze Apóstolos após ter passado toda a noite a rezar no monte (Lc 6, 12); e o evangelista Marcos diz que os Doze foram escolhidos para "andarem com Ele e para os enviar a pregar" (Mc 3, 14). Como os Apóstolos também nós, caríssimos Irmãos, enquanto seus sucessores, fomos chamados antes de tudo para estar com Cristo, para o conhecer mais profundamente e participar no seu mistério de amor e na sua relação plena de confiança com o Pai. Na oração íntima e pessoal o Bispo, como e mais que todos os fiéis, é chamado a crescer no espírito filial para com Deus, aprendendo do próprio Jesus a confidência, a confiança e a fidelidade, atitudes que lhe são próprias na relação com o Pai.

E os Apóstolos entenderam bem como a escuta na oração e o anúncio do que se escuta devem ter o primado sobre muitas coisas a fazer, porque decidiram:  "entregar-nos-emos assiduamente à oração e ao serviço da palavra" (Act 6, 4). Este programa apostólico é muito actual. Hoje, no ministério de um Bispo, os aspectos organizativos ocupam muito tempo, os empenhos são múltiplos, as necessidades sempre tantas, mas o primeiro lugar na vida do sucessor dos Apóstolos deve ser reservado a Deus. Assim, ajudamos especialmente os nossos fiéis. São Gregório Magno na "Regra pastoral" já advertia que o pastor "de modo singular deve ser capaz de elevar-se sobre todos os demais pela oração e pela contemplação" (II, 5). Foi o que a tradição depois formulou com a notável expressão:  "Contemplata aliis tradere" (cf. S. Tomás, Summa Theologiae, IIa-IIae, q. 188, art. 6).

Na Encíclica Deus caristas est, ao me referir à narração do episódio bíblico da escada de Jacob, quis evidenciar como exactamente através da oração o pastor se torna sensível às necessidades dos outros e misericordioso para com todos (cf. n. 7). E recordei o pensamento de São Gregório Magno, segundo o qual o pastor radicado na contemplação sabe acolher as necessidades dos demais, que na oração se tornam suas:  "Per pietatis viscera in se infirmitatem caeterorum transferat" (Regra pastoral, ibid.). A oração educa ao amor e abre o coração à caridade pastoral para acolher todos os que recorrem ao Bispo. Ele, plasmado interiormente pelo Espírito Santo, consola com o bálsamo da graça divina, ilumina com a luz da Palavra, reconcilia e edifica na comunhão fraterna. Na vossa oração, queridos Irmãos, os vossos sacerdotes devem ter um lugar particular, a fim de que sejam sempre perseverantes na vocação e fiéis à missão presbiteral a eles confiada. É muito edificante para cada sacerdote saber que o Bispo, do qual recebeu o dom do sacerdócio ou que, de qualquer maneira, é o seu pai e amigo, lhe está próximo na oração, no afecto e sempre pronto a acolhê-lo, apoiá-lo e encorajá-lo. Do mesmo modo, nunca deve faltar na oração do Bispo a súplica pelas novas vocações. Elas devem ser pedidas com insistência a Deus, para que chame "aqueles que quiser" para o sagrado ministério.

O munus santificandi que recebestes empenha-vos também a ser animadores de oração na sociedade. Nas cidades em que viveis e trabalhais, frequentemente agitadas e rumorosas, onde o homem corre e se perde, onde se vive como se Deus não existisse, sabei criar lugares e ocasiões de oração, onde no silêncio, na escuta de Deus, mediante a lectio divina, na oração pessoal e comunitária, o homem possa encontrar Deus e fazer a experiência viva de Jesus Cristo que revela o autêntico rosto do Pai. Não vos canseis de empenhar-vos para que as paróquias e os Santuários, os ambientes de educação e sofrimento, mas também as famílias, se tornem lugares de comunhão com o Senhor. De modo especial gostaria de exortar-vos a fazer da Catedral uma exemplar casa de oração, sobretudo litúrgica, onde a comunidade diocesana reunida com o seu Bispo possa louvar e dar graças a Deus pela obra da salvação e interceder por todos os homens. Santo Inácio de Antioquia recorda-nos a força da oração comunitária:  "Se a oração de um ou de dois tem tanta força, quanto mais a do Bispo e de toda a Igreja!" (Carta aos Efésios, n. 5).

Em suma, caríssimos Bispos, sois homens de oração! A "fecundidade espiritual do ministério do Bispo depende da intensidade da sua união com o Senhor. É a partir da oração que um Bispo deve haurir luz, força e conforto na sua actividade pastoral", como afirma o Directório para o ministério pastoral dos Bispos (Apostolorum successores, n. 36). Ao dirigir-vos a Deus por vós mesmos e pelos vossos fiéis tende a confiança dos filhos, a audácia do amigo, a perseverança de Abraão, que foi incansável na intercessão. Como Moisés, tende as mãos elevadas para o céu, enquanto os vossos fiéis combatem a boa batalha da fé. Como Maria, sabei louvar a Deus todos os dias para a salvação que ele actua na Igreja e no mundo, convictos de que a Deus nada é impossível (Lc 1, 37).

Com estes sentimentos concedo a cada um de vós, aos vossos sacerdotes, aos religiosos e às religiosas, aos seminaristas e aos fiéis das vossas Dioceses uma especial Bênção Apostólica.

 

© Copyright 2007 - Libreria Editrice Vaticana

 

top