The Holy See
back up
Search
riga
DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
AOS MEMBROS DO EPISCOPADO
DE RITO LATINO DA UCRÂNIA POR OCASIÃO
DA VISITA "AD LIMINA APOSTOLORUM"

Palácio Pontifício de Castel Gandolfo
Quinta-feira, 27 de Setembro de 2007

Senhor Cardeal
Venerados Irmãos no Episcopado

"Graça e paz vos sejam dadas da parte de Deus, nosso Pai" (Cl 1, 2)! Com esta saudação apostólica dirijo-me a vós, membros do Episcopado de rito latino da Ucrânia. A cada um desejo a graça e a paz do Senhor, que são o segredo da nossa missão de Bispos ao serviço do homem. No final da visita ad Limina que me deu a oportunidade de vos encontrar pessoalmente, de conhecer melhor a realidade de cada uma das vossas Dioceses e de partilhar convosco as esperanças e os problemas que marcam o seu caminho quotidiano dou graças a Deus por quanto, no seu amor misericordioso, Ele está a realizar através do vosso ministério pastoral. Dirijo uma saudação particular ao Cardeal Marian Jaworski e agradeço as suas palavras que interpretaram o pensamento de todos vós. Percebi na sua intervenção o grande desejo que nutris de consolidar entre vós a unidade e a colaboração para enfrentar unidos os grandes desafios sociais, culturais e espirituais do momento presente. Não vos canseis de encontrar soluções possíveis, também no diálogo com as Autoridades locais, com o principal objectivo de cuidar espiritualmente do rebanho que o Senhor vos confiou. Com muita consideração tomei conhecimento do esforço catequético, litúrgico, apostólico e caritativo das vossas Dioceses: um programa que tende também a consolidar o anélito à catolicidade que faz todos os baptizados sentirem-se membros do único Corpo de Cristo.

A vossa obra pastoral, venerados Irmãos, realiza-se num território no qual convivem católicos de rito latino e de rito greco-católico, juntamente com outros crentes que encontram a razão da própria vida no único Senhor Jesus Cristo. Também entre católicos nem sempre a colaboração é fácil, sendo normal que se manifestem sensibilidades diferentes, dada ainda a diversidade das respectivas tradições. Mas como não pensar que o facto de que coexistam duas Comunidades diferentes nas suas tradições mas plenamente católicas, ambas orientadas a servir o único Kyrios e a anunciar o Evangelho, é uma oportunidade providencial? A unidade dos católicos, na diversidade dos ritos, e o esforço de manifestá-la em todos os ambientes, mostra o rosto autêntico da Igreja Católica e constitui um sinal muito eloquente também para outros cristãos e para a sociedade inteira. Da vossa análise emerge uma série de problemáticas, cuja solução exige uma indispensável sinergia das forças, para um renovado anúncio do Evangelho. Os longos anos da dominação ateia e comunista deixaram evidentes traços nas gerações actuais. Também eles são desafios que vos interpelam, queridos Irmãos, e que estão justamente no centro das vossas preocupações e programações pastorais.

"Ut unum sint"! A oração de Cristo no cenáculo ressoa constantemente na Igreja como convite a buscar, sem descanso, a unidade. Se se consolidar a comunhão dentro das comunidades católicas será mais fácil conduzir um proveitoso diálogo entre a Igreja Católica e as outras Igrejas e Comunidades eclesiais. A exigência ecuménica é muito sentida por vós, que há séculos viveis juntamente com os nossos irmãos ortodoxos e com eles procurais tecer um diálogo quotidiano que abraça muitos aspectos da vida. As dificuldades, os obstáculos, e até os eventuais insucessos não diminuam o vosso entusiasmo em ir em frente. Com paciência e humildade, caridade, verdade e abertura de ânimo, o caminho a percorrer torna-se menos árduo, sobretudo se não falta a perspectiva de fundo, a convicção, isto é, que todos os discípulos de Cristo são chamados a percorrer as suas pegadas, deixando-se guiar com docilidade pelo seu Espírito, que está sempre a actuar na Igreja.

Queridos Irmãos, seriam muitos os assuntos abordados nos nossos encontros pessoais, sobre os quais gostaria de voltar a fim de vos encorajar a prosseguir a estrada empreendida. Penso por exemplo na exigência fundamental de formar de maneira adequada os sacerdotes, a fim de que possam realizar do melhor modo a sua missão; também o cuidado pelas vocações, que constitui uma prioridade pastoral para garantir trabalhadores à messe do Senhor. Na grande maioria, os sacerdotes são testemunhas de autêntica abnegação, de jubilosa generosidade, de humilde adaptação às precárias situações nas quais se encontram a actuar, às vezes até com dificuldades económicas. Deus os conserve e proteja sempre! Amai-os, porque para vós são colaboradores insubstituíveis, apoiai-os e encorajai-os, rezai com e por eles. Sede para eles pais amorosos a quem recorrer com confiança. Conheço os vossos esforços com várias iniciativas para promover as vocações. Cuidai para que nos seminários seja dada aos aspirantes ao sacerdócio uma formação harmoniosa e completa. Acompanhai com paterna solicitude os jovens sacerdotes nos primeiros passos do seu ministério e não descuidai da formação permanente dos presbíteros. Notei com satisfação a presença e o empenho dos consagrados e das consagradas: um autêntico dom para o crescimento espiritual de cada comunidade. O zelo pelas vocações pressupõe naturalmente uma válida pastoral familiar. A formação de um laicado que saiba testemunhar a razão da fé torna-se nestes nossos tempos ainda mais necessária e representa um dos objectivos pastorais a perseguir com empenho.

Queridos e venerados Irmãos, às vezes o conjunto das situações, com as relativas dificuldades, poderia fazer parecer o vosso trabalho árduo e verdadeiramente acima das forças humanas. Não temeis, o Senhor está sempre convosco! Portanto, permanecei unidos a Ele na oração e na escuta da sua palavra. A Maria, a Virgem Mãe de Deus e da Igreja, confio-vos a vós e as vossas Comunidades, para que vos proteja e vos guie sempre com mão materna, enquanto vos concedo com afecto a Bênção Apostólica.

© Copyright 2007 - Libreria Editrice Vaticana

top