The Holy See
back up
Search
riga
DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
AO SENHOR AMANZHOL ZHANKULIYEV
NOVO EMBAIXADOR DA REPÚBLICA DO CAZAQUISTÃO
 JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS

Sala Clementina
Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2008

 

Senhor Embaixador

Acolho com prazer Vossa Excelência no Vaticano para a apresentação das Cartas que o acreditam como Embaixador extraordinário e plenipotenciário da República do Cazaquistão junto da Santa Sé e agradeço-lhe vivamente por me ter transmitido a gentil mensagem de Sua Ex.cia o Sr. Nursultan Nazarbayev, Presidente da República. Ficar-lhe-ia grato por se dignar expressar-lhe em retribuição os meus melhores votos pela sua pessoa, assim como pelos responsáveis da vida civil e religiosa e por todo o povo cazaquistanês.

O Cazaquistão ocupa uma posição geográfica que o põe em contacto com grandes conjuntos geopolíticos:  a Europa, a Rússia, a China e com países maioritariamente muçulmanos. A sua população diversificada inclui povos com línguas e tradições culturais diferentes. Estes dois elementos, associados às riquezas naturais que o seu País possui, são um dom de Deus que convém gerir bem. Este dom oferece grandes possibilidades e abre perspectivas que podem interessar o futuro do homem e contribuir para a afirmação da sua dignidade. O seu Presidente quis fazer da sua terra um lugar de encontro e de diálogo, uma espécie de laboratório no qual se procura viver uma convivência respeitadora da diversidade cultural e religiosa, um espaço que poderia demonstrar aos outros povos e nações que é possível que os homens vivam dignamente, em paz, no respeito pela crença e pelas peculiaridades de cada um. Encorajo mais uma vez todas as iniciativas tomadas dentro e fora das vossas fronteiras em favor do diálogo entre os homens, entre as culturas e as religiões. O mundo tem sede de paz e Deus deseja que ele cresça e se desenvolva em harmonia. Neste sentido, congratulo-me com os progressos corajosos e abertos de diálogo empreendidos pelo seu País, que darão frutos na sua nação, e consolidarão a estabilidade regional.

Vossa Excelência, Senhor Embaixador, conhece o papel positivo que as religiões podem desempenhar na sociedade respeitando-se reciprocamente e colaborando juntas para objectivos comuns. É sem dúvida competência do Estado garantir a plena liberdade religiosa, mas compete-lhe também aprender a respeitar o religioso evitando interferir em matéria de fé e na consciência de cidadão. Para todos os Estados, é grande a tentação de deixar indeterminadas as definições dos campos políticos e religiosos arriscando assim de não reconhecer o que não é da sua competência. Portanto, cada Estado é chamado a permanecer vigilante a fim de evitar os efeitos negativos da interferência no campo religioso e do seu uso abusivo, assim como de respeitar a esfera religiosa individual que pede unicamente para se expressar simples e livremente sem impedimentos. São numerosos os que observam com atenção o Cazaquistão e o seu modo novo de criar as relações entre o religioso e o estadual para dele aprender. Trata-se de uma oportunidade única oferecida ao seu País, que é preciso aproveitar do melhor modo e não perdê-la. A Santa Sé apoia todas as iniciativas e actividades em favor da paz e da amizade entre nações pois elas favorecem o respeito recíproco e o desenvolvimento do homem.

A natureza humana, querida por Deus santo e nobre, não está livre de desconfianças e o coração do homem está manchado pelo seu egoísmo e pela sua mentira, assim como pela sua falta de atracção pela solidariedade e compaixão. As diversas tradições religiosas, que coabitam na sua nação, saberão propor orientações positivas para contribuir com êxito para a sua construção e desenvolvimento. Elas não deixarão de ajudar os seus fiéis a conformarem-se com a vontade de Deus e a trabalharem pelo bem comum. A solidariedade é fundamental nas relações interpessoais e inter-estatais. O seu País, que o Altíssimo dotou abundantemente de riquezas humanas e naturais, saberá encontrar caminhos para fazer com que delas tirem o maior proveito os seus concidadãos e as nações que, com menos recursos, ainda precisam de ajudas diversas. A justa repartição dos bens torna-se um imperativo não só porque favorece a estabilidade política, nacional e internacional, mas porque responde à vontade divina de criar os homens irmãos uns dos outros.

A comunidade católica, que Vossa Excelência terá a amabilidade de saudar em meu nome, está presente no seu País há muito tempo e atravessou várias vicissitudes históricas. Ela permaneceu fiel graças à abnegação dos seus sacerdotes, religiosos e religiosas, e graças à chama da fé que permaneceu acesa no segredo do coração dos fiéis (cf. Visita ad Limina dos Bispos da Ásia Central, 2 de Outubro de 2008). Estes católicos cazaquistaneses desejam viver sinceramente a sua fé e poder continuar a praticá-la serenamente, sem dúvida, para a sua perfeição pessoal, mas também para o enriquecimento espiritual do seu país devido à sua própria contribuição religiosa. A comunidade católica participa, com a sua presença, oração e obras, na estabilidade e na concórdia religiosa do conjunto da nobre sociedade cazaquistanesa. O Acordo entre a Santa Sé e a República do Cazaquistão, assinado e entrado em vigor faz agora dez anos, garante os direitos e os deveres dos católicos do seu país e os direitos e obrigações do Estado para com eles. No seu discurso de saudação, Vossa Excelência qualificou exemplares as nossas relações bilaterais porque, como disse, elas baseiam-se na "intercompreensão total e na confiança". Justamente Vossa Excelência o ressaltou e por isto me congratulo de bom grado. Deus abençoe esta confiança recíproca e a fortaleça cada vez mais!

No momento em que inicia a sua nobre missão, Senhor Embaixador, na certeza de que encontrará sempre um acolhimento atento junto dos meus colaboradores, apresento-lhe os meus melhores votos pelo seu feliz cumprimento e por que se prossigam e desenvolvam as relações harmoniosas entre a Santa Sé e a República do Cazaquistão. Sobre Vossa Excelência, a sua família e todo o pessoal da Embaixada, assim como sobre o Presidente da República, sobre os outros Responsáveis e todos os habitantes da sua nação, invoco a abundância das Bênçãos divinas!

 

© Copyright 2008 - Libreria Editrice Vaticana

 

top