The Holy See
back up
Search
riga
DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
AO SENHOR ACISCLO VALLADARES MOLINA
NOVO EMBAIXADOR DA REPÚBLICA DA GUATEMALA
JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS*

Sábado, 31 de Maio de 2008

 

Senhor Embaixador

1. É com prazer que recebo as cartas que o acreditam como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República da Guatemala junto da Santa Sé. Apraz-me dar-lhe as cordiais boas-vindas a este solene acto com o qual inicia a missão que lhe foi confiada, e expresso-lhe ao mesmo tempo a minha gratidão pelas palavras que me dirigiu, assim como pela deferente saudação que me fez chegar da parte de Sua Ex., Eng. Álvaro Colom Caballeros, Presidente desse nobre País. Peço-lhe que transmita os meus melhores votos para ele e para o seu Governo, garantindo-lhe as minhas orações pela segurança, o progresso e a harmoniosa convivência do amado povo guatemalteco.

2. Celebra-se este ano o XXV aniversário da primeira Visita Pastoral que o meu venerado Predecessor realizou a essa amada terra "da eterna primavera". Naquela memorável ocasião, o Servo de Deus João Paulo II pôde manifestar a solicitude com que a Santa Sé acompanhou essa Nação nas suas diversas vicissitudes, estando-lhe especialmente próxima nos momentos mais delicados, para partilhar os desvelos do seu povo e, sobretudo, para o encorajar a trabalhar com abnegação pelo bem comum.

Senhor Embaixador, consta-me que os guatemaltecos correspondem a esta solicitude com uma abnegada adesão ao Bispo de Roma, o qual contribui para estreitar os vínculos de amizade que unem desde há muito tempo o seu País à Santa Sé, que tem em grande consideração estas relações espontâneas e formula os melhores votos para que as circunstâncias em que a Guatemala vive permitam um presente cheio de benefícios nos diversos âmbitos da sociedade e consolidem uma base firme para enfrentar o futuro prometedor.

3. A recente visita ad Limina dos Bispos guatemaltecos ofereceu-nos uma oportunidade magnífica para conhecer mais de perto a vitalidade com que a Igreja na sua Nação anuncia o Evangelho, abre caminhos de esperança e estende uma mão fraterna a todos os cidadãos, preferencialmente aos mais desamparados.

A partir desta óptica, a Igreja partilha a preocupação das autoridades da Guatemala, como Vossa Excelência fez notar, face a fenómenos que afligem grande parte da população, como a pobreza e a emigração. A rica experiência eclesial, acumulada ao longo da história, pode ajudar a encontrar as medidas para enfrentar a solidariedade, indispensável para obter soluções efectivas e duradouras. Neste sentido, aos imprescindíveis programas técnicos e económicos, devem juntar-se os outros aspectos que fomentam a dignidade da pessoa, a estabilidade da família e uma educação que tenha em consideração os mais importantes valores humanos e cristãos. Também não devemos esquecer quantos tiveram que abandonar a sua terra, sem deixar de a levar no coração. Este é um dever de gratidão e justiça para eles que, de facto, são também uma fonte de recursos significativos para a Pátria que os viu nascer.

4. Outro desafio para a Guatemala é remediar a subalimentação de numerosas crianças. O direito à alimentação responde principalmente a uma motivação ética: "dar de comer a quem tem fome" (cf. Mt 25, 35), que obriga a partilhar os bens materiais como prova do amor de que todos necessitamos. Como já assinalei noutra ocasião, "o objectivo de erradicar a fome e, ao mesmo tempo, contar com uma alimentação sadia e suficiente, exige também métodos e acções específicas que permitam uma exploração dos recursos que respeite o património da criação. Trabalhar nesta direcção é uma prioridade que contribui não só para beneficiar dos resultados da ciência, da investigação e das tecnologias, mas também para ter em consideração os ciclos e o ritmo da natureza conhecidos pelo povo das zonas rurais, assim como para proteger os usos tradicionais das comunidades indígenas, deixando de parte razões egoístas e exclusivamente económicas" (Mensagem ao Director-Geral da FAO por ocasião da Jornada Mundial da Alimentação, 4 de Outubro de 2007, n. 3).

5. Este direito primário à alimentação está intrinsecamente vinculado à tutela e à defesa da vida humana, rocha firme e inviolável na qual se baseia todo o edifício dos direitos humanos. Portanto, nunca será demais o esmero que se deve dedicar para apoiar as mães, especialmente as que se encontram em grave dificuldade, de modo que possam dar ao mundo os seus filhos com dignidade, evitando o injustificável recurso ao aborto. Neste sentido, salvaguardar a vida humana, sobretudo a nascitura já concebida, cuja inocência e desprotecção são maiores, é uma tarefa sempre vigente, com a qual está relacionada, por sua natureza, a facilitação de que a adopção das crianças seja garantida em qualquer momento pela legalidade dos procedimentos para a obter.

6. O flagelo da violência social acutiza-se com frequência pela falta de diálogo e de unidade nos lares, por dilacerantes desigualdades económicas, por graves negligências e deficiências no campo da saúde, pelo consumo e tráfico de droga ou pela chaga da corrupção. Constato com satisfação os passos que foram dados na sua Nação na luta contra estas tragédias, e que devem continuar, promovendo a cooperação de todos para lhes pôr fim através da promoção dos valores rectos e do combate à ilegalidade, à impunidade e à corrupção.

7. Senhor Embaixador, antes de terminar este encontro, desejo felicitar Vossa Excelência assim como a sua família e os demais membros desta missão diplomática, e expressar-lhe os meus melhores votos no momento em que Vossa Excelência assume a nobre responsabilidade de representar o seu País junto da Santa Sé. Encontrará sempre junto dos meus colaboradores a ajuda da qual poderá precisar no desempenho de tão alto cargo.

Ao recomendar à materna intercessão de Nossa Senhora do Rosário o povo e as autoridades guatemaltecas, suplico fervorosamente a Deus que abençoe e acompanhe o caminho que a sua Pátria está a percorrer, para que brilhem nela incessantemente as estrelas da paz, da justiça, da prosperidade e da concórdia fraterna.


*L'Osservatore Romano n. 23 p. 10.

 

© Copyright 2008 - Libreria Editrice Vaticana

 

top