The Holy See
back up
Search
riga
DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
AO SENHOR GEORGES CHAKIB EL KHOURY
NOVO EMBAIXADOR DO LÍBANO
JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS

Segunda-feira, 17 de Novembro de 2008

Senhor Embaixador

Sinto-me feliz por recebê-lo no momento em que apresenta as Cartas que o acreditam como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República do Líbano junto da Santa Sé. Estou-lhe grato pelas suas amáveis palavras assim como pelas saudações que me transmitiu da parte de Sua Ex. o Sr. Michel Sleiman, Presidente da República, o qual tive a alegria de receber no Vaticano recentemente. Queira transmitir-lhe os sentimentos de afecto e de confiança que sinto por todo o povo libanês, desejando que ele prossiga corajosamente os seus esforços por construir uma sociedade unida e solidária.

Como Vossa Excelência ressaltou, Senhor Embaixador, o Líbano é o berço de uma cultura antiga que reinou sobre todo o mediterrâneo e além dele, e é também o país de numerosas confissões religiosas que souberam mostrar que podem viver juntas em fraternidade e colaboração. Com uma rica diversidade, o povo libanês sente amor profundo pela sua terra, cultura e tradições, permanecendo fiel à sua vocação de abertura universal. Esta história milenária do seu país assim como a sua colocação no centro de um contexto regional complexo, confere-lhe a missão fundamental de contribuir para a paz e a concórdia entre todos.

Pela sua experiência de vida e de colaboração intercomunitária e intercultural, o Líbano é um "tesouro" confiado a todos os libaneses. Compete-lhe portanto preservá-lo e fazê-lo frutificar para o bem de toda a Nação. De igual modo, faço votos por que a Comunidade internacional o proteja e valorize e por que, mediante o seu compromisso efectivo, contribua para evitar que este país se torne um terreno de confronto para conflitos regionais ou internacionais. De igual modo, o Líbano deveria ser como um laboratório para a busca de soluções eficazes para os conflitos que, há muito tempo, angustiam a região do Médio Oriente.

Nesta perspectiva, alegro-me profundamente pelos esforços corajosos que foram realizados durante os últimos meses por todo o país e pelos seus Responsáveis para reconduzir a vida política e o conjunto das instituições nacionais ao seu andamento normal, graças aos esforços pacientes de todos. A eleição do Presidente da República, a formação de um governo de unidade nacional e a aprovação de uma nova lei eleitoral não deixarão de favorecer a unidade nacional e de contribuir para uma autêntica coexistência entre os diferentes componentes da nação. De igual modo, o "diálogo nacional", que está a decorrer desde há algumas semanas, será certamente a ocasião para esclarecer os desafios que o país deve enfrentar hoje e procurar os compromissos necessários para lhes fazer face. Por conseguinte, faço votos por que, pondo de lado os interesses particulares e curando as feridas do passado, todos se comprometam efectivamente num caminho de diálogo e de reconciliação, a fim de permitir que o país progrida na estabilidade.

Contudo, as tensões que, infelizmente, ainda perduram, demonstram que é necessário avançar com decisão pelo caminho aberto há alguns meses, com os Acordos de Doha, a fim de construir juntos as instituições libanesas. A atitude fundamental que deve guiar cada um neste compromisso ao serviço do bem comum deve permanecer invariável: cada componente do povo libanês sinta verdadeiramente que o Líbano é a sua casa e veja que as suas preocupações e expectativas legítimas são efectivamente tomadas em consideração, no respeito recíproco pelos direitos de todos. Para esta finalidade, uma verdadeira educação das consciências na paz, na reconciliação e no diálogo deve ser promovida e desenvolvida, sobretudo entre as jovens gerações. Como escreveu o meu venerado predecessor o Papa João Paulo ii: "Nunca se deve esquecer que um gesto de paz pode desarmar o adversário e com frequência convida-o a responder positivamente à mão estendida, porque a paz, que é um bem por excelência, tende a comunicar-se" (Exortação apostólica, Une espérence nouvelle pour le Liban, n. 98). Esta paz duradoura, que é uma aspiração profunda de todos os libaneses, é possível na medida em que prevalecer em todos uma vontade autêntica de viver juntos na mesma terra, e de considerar a justiça, a reconciliação e o diálogo como o quadro propício para a resolução dos problemas das pessoas e dos grupos. Para edificar uma sociedade que garanta a todos os seus membros uma existência digna e livre, uma cooperação cada vez mais profunda entre todos os componentes da nação deve ser desenvolvida e fundada em relações de confiança entre as pessoas e entre as comunidades.

Senhor Embaixador, nesta etapa importante que o seu país está a viver, a Santa Sé continua a seguir com grande atenção os progressos da situação e sente um interesse particular pelos esforços feitos para um regulamento definitivo das questões que o Líbano deve enfrentar. Particularmente sensível aos sofrimentos que as populações do Médio Oriente suportam há muito tempo, a Santa Sé prossegue com determinação o seu compromisso em favor da paz e da reconciliação no Líbano e em toda esta região tão querida a todos os crentes.

No final deste encontro, permita-me Senhor Embaixador, que saúde calorosamente por seu intermédio os Bispos e as comunidades católicas do Líbano. No prolongamento da recente beatificação em Beirute do Pe. Jacques Haddad, Abouna Yaacoub, apóstolo da misericórdia e fervoroso pregador da Palavra de Deus, convido os católicos a serem entre os seus compatriotas, em profunda comunhão com os Pastores, fervorosos artífices de unidade e fraternidade. Que este momento intenso que uniu os Libaneses de todas as origens e sensibilidades religiosas, no reconhecimento da personalidade cheia de sabedoria e da obra admirável de um dos seus cidadãos, se prolongue num compromisso comum ao serviço da paz e da unidade da nação!

Vossa Excelência inicia hoje a nobre missão de representar o Líbano junto da Santa Sé e de manter as excelentes relações que unem o seu país à Sé Apostólica. Queira aceitar os votos cordiais que formulo pelo seu bom êxito e tenha a certeza de que encontrará sempre junto dos meus colaboradores a compreensão e o apoio necessários!

Sobre Vossa Excelência, a sua família, colaboradores e os dirigentes do seu país, invoco de todo o coração a abundância das Bênçãos divinas.

© Copyright 2008 - Libreria Editrice Vaticana

top