The Holy See
back up
Search
riga

VISITA PASTORAL ÀS ÁREAS ATINGIDAS
PELO TERREMOTO NA REGIÃO EMÍLIA ROMANHA
(26 DE JUNHO DE 2012)

DISCURSO DO PAPA BENTO XVI

San Marino di Carpi - Modena
Terça-feira, 26 de Junho de 2012

[Vídeo]

 

Amados irmãos e irmãs
Obrigado pelo vosso acolhimento!

Desde os primeiros dias do terramoto que vos atingiu, estive sempre próximo de vós mediante a oração e o interesse. Mas quando vi que a prova se tornou mais árdua, senti de modo cada vez mais forte a necessidade de vir pessoalmente ao meio de vós. E dou graças ao Senhor que mo concedeu!

Então, saúdo-vos com grande afecto a vós aqui reunidos, e abraço com a mente e com o coração todos os povoados, todas as populações que sofreram danos do sismo, de maneira especial as famílias e as comunidades que choram os seus defuntos: o Senhor os receba na sua paz. Teria desejado visitar todas as comunidades para me tornar presente de maneira pessoal e concreta, mas vós sabeis bem como isto seria difícil. No entanto, neste momento gostaria que todos, em cada cidade, sentissem como o coração do Papa está próximo do vosso coração para vos consolar, mas sobretudo para vos encorajar e apoiar. Saúdo o Senhor Ministro Representante do Governo, o Chefe do Departamento da Protecção Civil e o Deputado Vasco Errani, Presidente da Região da Emilia-Romagna, a quem agradeço as palavras que me dirigiu em nome das instituições e da comunidade civil. Além disso, desejo agradecer ao Cardeal Carlo Caffarra, Arcebispo de Bolonha, as suas afectuosas expressões que me dirigiu e das quais sobressai a força dos vossos corações, que não têm fendas mas estão profundamente unidos na fé e na esperança. Saúdo e agradeço aos Irmãos Bispos e Sacerdotes, aos representantes das diversas realidades religiosas e sociais, às Forças da Ordem e aos voluntários: é importante oferecer um testemunho concreto de solidariedade e de unidade.

Como eu vos dizia, senti a necessidade de vir, nem que fosse por um breve momento, ao meio de vós. Também quando estive em Milão, no início deste mês, para o Encontro Mundial das Famílias, gostaria de ter vindo visitar-vos, e o meu pensamento dirigia-se com frequência para vós. Com efeito, eu sabia que, além de padecerdes as consequências materiais, éreis postos à prova no espírito, pelo protrair-se dos tremores, também fortes; assim como pela perda de alguns edifícios simbólicos das vossas cidades, e entre eles de forma particular de numerosas igrejas. Aqui em Rovereto de Novi, na queda da igreja — que acabei de ver — perdeu a vida Pe. Ivan Martini. Prestando homenagem à sua memória, dirijo uma saudação particular a vós, amados sacerdotes, e a todos vós irmãos de hábito, que estais a demonstrar, como já aconteceu noutros momentos difíceis da história destas terras, o vosso amor generoso pelo povo de Deus.

Como sabeis, nós sacerdotes — mas inclusive os religiosos e muitos leigos — rezamos todos os dias com o chamado «Breviário», que contém a Liturgia das Horas, a oração da Igreja que ritma o dia. Oramos com os Salmos, segundo uma ordem que é a mesma para toda a Igreja católica, no mundo inteiro. Por que razão vos digo isto? Porque nestes dias me encontrei, recitando o Salmo 46, esta expressão: «Deus é o nosso refúgio e a nossa força, / ajuda permanente nos momentos de angústia. / Por isso, não temos medo, mesmo que a terra trema, / mesmo que vacilem os montes no fundo do mar» (Sl 46, 2-3). Quantas vezes li estas palavras? Vezes sem conta! E no entanto, em certos momentos como este elas impressionam fortemente, porque tocam no vivo, dão voz a uma experiência que agora estais a viver, e que todos aqueles que rezam compartilham. Mas — vede — estas palavras do Salmo não apenas me impressionam porque usam a imagem do tremor de terra, mas sobretudo pelo que afirmam em relação à nossa atitude interior diante da devastação da natureza: uma atitude de grande segurança, fundamentada na rocha estável e inabalável, que é Deus. Nós «não temos medo, mesmo que a terra trema» — reza o salmista — porque «Deus é o nosso refúgio e a nossa força», é «ajuda permanente nos momentos de angústia».

Caros irmãos e irmãs, estas palavras parecem estar em contraste com o medo que, inevitavelmente, se sente depois de uma experiência como aquela que vós vivestes. Uma reacção imediata, que pode imprimir-se mais profundamente, se o fenómeno se prolonga. Mas, na realidade, o Salmo não se refere a este tipo de medo, e a segurança que ele afirma não é a de super-homens que não são tocados pelos sentimentos normais. A segurança de que ele fala é a da fé pelo que, sim, pode haver medo e angústia — até Jesus chegou a experimentá-los — mas há principalmente a certeza de que Deus está comigo; como a criança que sabe que pode contar sempre com a sua mãe e com o seu pai, porque se sente amada e querida, aconteça o que lhe acontecer. Assim somos nós em relação a Deus: pequeninos, frágeis, mas seguros nas suas mãos, ou seja, confiados ao seu Amor que é sólido como uma rocha. Nós vemos este Amor em Cristo Crucificado, que constitui o sinal da dor e, ao mesmo tempo, do amor. É a revelação de Deus Amor, solidário para connosco, até à humilhação extrema.

Sobre esta rocha, com esta esperança firme, é possível construir, é possível reconstruir. Sobre as ruínas do pós-guerra — e não só materiais — a Itália foi reconstruída, sem dúvida graças também às ajudas recebidas, mas sobretudo graças à fé de muitas pessoas animadas por um espírito de solidariedade verdadeira, pela vontade de oferecer um futuro às famílias, um porvir de liberdade e de paz. Vós sois uma população que todos os italianos estimam, pela vossa humanidade e sociabilidade, pela vossa laboriosidade unida à jovialidade. Tudo isto é agora posto a uma prova dura por esta situação, mas ela não deve nem pode minar aquilo que vós sois como povo, a vossa história e a vossa cultura. Permanecei fiéis à vossa vocação de população fraterna e solidária, e enfrentareis cada situação com paciência e determinação, afastando as tentações que infelizmente estão vinculadas a estes momentos de debilidade e de necessidade.

A situação que estais a viver salientou um aspecto que gostaria que estivesse bem presente no vosso coração: não estais e não estareis sozinhos! Nestes dias, no meio de tanta destruição e dor, vós vistes e sentistes como muitas pessoas se mobilizaram para vos manifestar proximidade, solidariedade e afecto; e isto, através de numerosos sinais e ajudas concretas. A minha presença no meio de vós quer ser um destes sinais de amor e de esperança. Olhando para as vossas terras, senti uma profunda comoção diante de muitas feridas, mas vi também numerosas mãos que as querem curar juntamente convosco; vi que a vida recomeça, deseja recomeçar com força e coragem, e este é o sinal mais bonito e luminoso.

Deste lugar gostaria de lançar um apelo vigoroso às instituições, a cada cidadão, a fim de que seja, apesar das dificuldades deste momento, como o bom samaritano do Evangelho que não passa indiferente diante daquele que se encontra em necessidade mas, com amor, inclina-se sobre ele, socorre-o e permanece ao seu lado, assumindo até ao fundo as necessidades do próximo (cf. Lc 10, 29-37). A Igreja está e estará próxima de vós com a sua oração e com a assistência concreta das suas organizações, de modo particular da Caritas, que se comprometerá inclusive na reconstrução do tecido comunitário das paróquias.

Estimados amigos, abençoo todos e cada um de vós, e levo-vos com grande carinho no meu coração!

 

 

© Copyright 2012 - Libreria Editrice Vaticana

  

top