The Holy See
back up
Search
riga

VISITA PASTORAL AO SANTUÁRIO DE POMPEIA

PAPA JOÃO PAULO II

ANGELUS

Domingo, 21 de Outubro de 1979

 

Sinto hoje uma grande alegria porque posso recitar a oração do Angelus, juntamente convosco, no Santuário dedicado a Nossa Senhora do Rosário, de Pompeia.

1. Há um laço muito estreito entre o Angelus e o Rosário, ambos orações eminentemente cristológicas e, ao mesmo tempo, marianas: de facto, fazem-nos contemplar e aprofundar os mistérios da História da Salvação, em que Maria está intimamente unida ao seu Filho Jesus. E neste Santuário ressoa perenemente o Rosário, a oração mariana simples, humilde — mas nem por isso menos rica de conteúdos bíblicos e teológicos —, e tão querida, na sua longa história, aos fiéis de todas as classes e de todas as condições, unidos na profissão de fé em Cristo, morte e ressuscitado para a nossa salvação.

Este lugar consagrado à oração nasceu da mente e do coração de um grande Leigo, o venerável Bartolo Longo, que viveu entre o século passado e o nosso século, por conseguinte um nosso contemporâneo: ele quis erigir um templo, onde fossem proclamadas as glórias da Mãe de Deus e onde o homem pudesse encontrar refúgio, conforto, esperança e certeza.

Daqui a alguns instantes recitaremos juntos o Angelus, que nos recorda o alegre anúncio do mistério da Encarnação do Filho de Deus, e recitá-lo-emos com intensidade e devoção particulares, porque queremos proclamar juntos a nossa fé cristã e, também, agradecer a Deus as maravilhas que realizou e continua a realizar por intercessão da Maria Santíssima, à qual manifestaremos toda a nossa filial veneração.

2. A esta proclamação de fé, a esta profissão de veneração por Nossa Senhora Santíssima quero convidar neste momento e nesta circunstância, de modo especial, os milhares de jovens que estão presentes neste praça, em particular os que pertencem à Acção Católica Italiana da região da Campânia.

Caríssimos jovens! A vossa presença, tão numerosa, e o vosso incontível entusiasmo são a confirmação de que a mensagem de Cristo não é mensagem de morte, mas de vida; não de velhice, mas de novidade; não de tristeza, mas de alegria! Dizei tudo isto aos vossos coetâneos, a todos os homens, com os vossos cantos, com os vossos ideais, mas especialmente com a vossa vida! O deserto tornar-se-á num jardim disse o profeta Isaías ao falar dos tempos messiânicos (Is 32, 15). Se lançarmos um olhar para esta área, encontramos as ruínas impressionantes da antiga cidade dos tempos romanos, reduzida a cidade "morta" e "de morte" pela terrível erupção do ano 79 depois de Cristo. Mas onde parecia dominar a morte, depois de 1.800 anos começou a florescer, como jardim espiritual, este Santuário, centro de vida eucarística e mariana, sinal profético daquela plenitude que Jesus nos veio trazer e comunicar.

Caríssimos jovens! Olhai para Maria! Amai Maria! Imitai Maria! Imitai a sua total abertura para Deus, de quem Ela se professa "Serva" disponível e obediente; a sua silenciosa, generosa e activa abertura para com os irmãos e as irmãs necessitados de auxílio, de assistência e de conf orto; o seu contínuo e perseverante "seguimento" do Filho de Jesus, desde a manjedoura de Belém até à cruz do Calvário.

Que a Virgem vos sorria e proteja sempre!

 

© Copyright 1979 - Libreria Editrice Vaticana

 

top