The Holy See
back up
Search
riga

PAPA JOÃO PAULO II

ANGELUS

Domingo, 16 de Março de 1980

 

1. Pai, pequei contra ti... (Lc 15, 18).

Este quarto Domingo da Quaresma faz-nos recordar toda a realidade da conversão e, através da parábola do filho pródigo, demonstra-nos a sua profundidade, riqueza e simplicidade.

No centro desta página evangélica encontram-se precisamente as palavras: "Pai, pequei contra ti".

A Igreja, no período da Quaresma, pondera, com particular emoção, estas palavras, pois é este o tempo em que a Igreja deseja mais profundamente converter-se a Cristo — e sem estas palavras não há conversão em toda a sua verdade interior. Sem estas palavras, "Pai, pequei", o homem não pode entrar verdadeiramente no Mistério da Morte e da Ressurreição de Cristo, para colher dela os frutos da Redenção e da Graça.

Estas são palavras-chave. Elas evidenciam sobretudo a grande abertura interior do homem a Deus: "Pai, pequei contra ti". Se é verdade que o pecado, num certo sentido, fecha o homem diante de Deus, ao contrário a confissão dos pecados abre à consciência do homem toda a grandeza e majestade de Deus e, sobretudo, a sua Paternidade. O homem continua fechado em relação a Deus enquanto faltarem nos seus lábios às palavras: "Pai, pequei"; e sobretudo enquanto elas faltarem na sua consciência e no seu "coração".

Converter-se a Cristo, experimentar o poder interior da Sua Cruz e da Sua Ressurreição, experimentar a inteira verdade da existência humana n'Ele, "em Cristo", só é possível com a força destas palavras: "Pai, pequei".

E só à custa delas. No período da Quaresma, a Igreja reza e trabalha de modo particular, para que elas amadureçam no maior círculo das consciências humanas, para que o homem do nosso tempo as pronuncie com toda a simplicidade e com a confiança indispensável.

Estas são palavras que libertam.

2. A Sagrada Escritura, com a expressão: "mundo" quer significar a temporaneidade que procura apoderar-se completamente do homem, de tal modo a tomar-se a dimensão completa e exclusiva da sua existência.

Pois bem, "o mundo" — sobretudo muitas palavras "do mundo" dirigidas ao homem contemporâneo — procura impedir o homem de pronunciar as palavras: "Pai, pequei contra ti", para que as tenha como inúteis e esquecidas e se livre delas.

Portanto "o mundo" procura, de diversos modos, privar o homem deste aspecto profundo da verdade, com o qual se torna consciente do próprio pecado e o chama pelo nome — diante do próprio Deus.

O Salmista fala ainda de modo mais claro: Tibi soli peccavi — Pequei só contra ti (Sl 51, 6).

Aquele "Tibi soli" não ofusca todas as demais dimensões do real moral, como o é o pecado em relação com os outros homens, em relação com a comunidade humana. Todavia, "o pecado" é um mal moral de modo principal e definitivo em relação ao próprio Deus, ao Pai no Filho. Por isso "o mundo" (contemporâneo) — e "o príncipe deste mundo" — trabalham muitíssimo para ofuscar e aniquilar no homem este aspecto.

Pelo contrário, a Igreja durante a Quaresma trabalha sobretudo para que cada homem se reencontre a si mesmo com o próprio pecado só diante de Deus — e, por consequência, para que acolha o poder salvífico do perdão contido na Paixão e na Ressurreição de Cristo.


Depois do Angelus

1. Passa hoje o segundo aniversário do morticínio de Via Fani, onde cinco homens foram assassinados e raptado Aldo Moro, que viria a ser morto cinquenta dias depois. A impressão arrepiante, provocada nos espíritos naquela altura, foi acrescida de muitos, de demasiados factos de sangue que entristeceram, sucessivamente, várias cidades de Itália e, em particular, a nossa amada Roma; só nestes últimos dias foram quatro as vitimas da violência terrorista.

Que se pode fazer para travar a onda inundante desta loucura homicida? O cristão tem uma resposta: rezar e amar. O ódio gera a morte; apenas do amor pode surgir a vida.

Oração

«Rezemos, portanto, por todos:
pelas vítimas e pelos seus familiares,
pelos responsáveis pela sociedade civil e pelos tutores da ordem,
pelos terroristas e pelos seus flanqueadores;
rezemos em particular por quantos são atingidos pelo desânimo e pela angústia frente aos abismos da malícia humana.
Confirme o Senhor nos nossos corações a certeza de que a vitória definitiva está reservada ao amor».

2. E agora, em nome de Deus e sustentado pela confiança que tenho nas reservas da bondade que se escondem em cada coração humano, dirijo-me publicamente aos raptores de Annabel Schild, a menina inglesa de 15 anos, surda-muda, sequestrada durante as férias na Sardenha em Agosto passado.

Há oito semanas, Annabel Schild ficou só nas mãos dos raptores, depois que estes libertaram a mãe. É esta uma notícia que obtive directamente da família e que revelo com o seu consentimento. Todos compreendemos que se trata de uma ânsia insustentável! Queiram os raptores ter; finalmente, piedade dessa pobre criatura, e tomar em consideração o indizível sofrimento dos pais; demonstrando sentido de humanidade, não prolonguem mais esta dilaceração, este tormento, esta angústia. Peço-o depois de ter invocado Nossa Senhora, a nossa Mãe comum. E espero ardentemente que este meu apelo não seja desatendido.

3. Dirijo uma saudação particular aos membros das comunidades neocatecumenais que se propõem ajudar os baptizados a compreender, apreciar e favorecer a inestimável felicidade do sacramento do Baptismo, através de um itinerário de evangelização, de catequese e de participação na vida litúrgica, gradual e intensivo e que, de qualquer modo, nos faz recordar o antigo catecumenado.

Caríssimos, exorto-vos para que vos empenheis cada vez com maior generosidade no vosso esforço de concorrer para a edificação do Corpo místico de Cristo e para a acção de apostolado da Igreja, obedecendo ao mandamento do Senhor: "Ide, pois, ensinai todas as nações, baptizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo" (Mt 28, 19). Que vos ampare e vos guie a constante fidelidade ao ensino do Magistério e a obediência aos Pastores da Igreja.

Desejo-vos de todo o coração que vivais com dedicação e entusiasmo os vossos propósitos, à luz da Exortação Apostólica Evangelii Nuntiandi, do meu venerado predecessor Paulo VI, e da Catechesi tradendae por mim publicada com base nas indicações do Sínodo dos Bispos sobre a catequese.

Acompanhe-vos a minha Bênção que, de bom grado, estendo aos vossos familiares.

Saúdo, depois, o numeroso grupo de Senhoras da Acção Católica, vindas a Roma de todas as dioceses de Itália, para participarem num Congresso que tem em vista dar a conhecer o papel que a dona de casa é chamada a desempenhar na Comunidade familiar, eclesial e civil em que vive e trabalha.

Caríssimas, encorajo-vos do coração no apostolado que levais a efeito no seio das vossas famílias e da sociedade, e exorto-vos a extrairdes da vossa fé a força para superar todas as dificuldades.

Proteja-vos a minha Bênção.

Uma saudação ainda para os jovens da Paróquia de São Pedro em Fiuggi, os quais, acompanhados do seu Pároco, organizaram uma estafeta desde esta Praça até à sua terra.

Com votos fervorosos, acompanhe-vos a minha paternal Bênção.

4. Neste momento gostaria de mencionar que amanhã é dia de São Patrício. Mais uma vez os meus pensamentos vão para a Irlanda. Recordo a minha visita e o maravilhoso acolhimento que ali recebi. Nesta ocasião envio as minhas saudações a todos os Irlandeses: os que estão lá, e os que estão aqui em Roma, ou em qualquer outra parte do mundo. Deus seja sempre louvado!

 

© Copyright 1980 - Libreria Editrice Vaticana

 

top