The Holy See
back up
Search
riga

JOÃO PAULO II

AUDIÊNCIA GERAL

Quarta-feira, 9 de Janeiro de 1980

 

A revelação e a descoberta do significado esponsal do corpo

1. Relendo e analisando a segunda narrativa da criação, isto é, o texto javista, devemos perguntar-nos se o primeiro homem ('adam), na própria solidão original, «vivia» o mundo verdadeiramente como dom, com atitude conforme à condição efectiva de quem recebeu um dom, tal como se conclui da narrativa do capítulo primeiro. A segunda narrativa mostra-nos, de facto, o homem no jardim do Éden (Cfr. Gén. 2, 8); mas devemos observar que, até nesta situação de felicidade original, o mesmo Criador (Deus Javé) e depois também o «homem», em vez de sublinharem o aspecto do mundo como dom subjectivamente beatificante, criado para o homem (Cfr. a primeira narrativa e em particular Gén. 1, 26-29), fazem notar que o homem está «só». Já analisámos o significado da solidão original; agora é, porém, necessário notar que pela primeira vez aparece claramente certa carência de bem: Não é conveniente que o homem (varão) esteja só — diz Deus Javé vou dar-lhe um auxiliar... (Gén. 2, 18). A mesma coisa afirma o primeiro «homem»; também ele, depois de tomar consciência até ao fundo da própria solidão entre todos os seres vivos sobre a terra, espera um «auxiliar que lhe fosse igual» (Cfr. Gén 2, 20). De facto, nenhum destes seres (animalia) oferece ao homem as condições de base, que, tornem possível estar em relação de dom recíproco.

2. Assim, pois, estas duas expressões, isto é o adjectivo «só» e o substantivo «auxiliar», parecem ser verdadeiramente a chave para se compreender a essência mesma do dom a nível do homem, como conteúdo existencial inscrito na verdade da «imagem de Deus». Com efeito, o dom revela, por assim dizer, uma característica particular da existência pessoal; mais, da existência mesma da pessoa. Quando Deus Javé diz que não é conveniente que o homem esteja só (Gén. 2, 18), afirma que «sozinho» o homem não realiza totalmente esta essência. Apenas a realiza existindo «com outrem» — e ainda mais profunda e completamente extinto «para outrem». Esta norma do existir como pessoa aparece no Livro do Génesis como característica da criação, precisamente mediante o significado destas duas palavras: «só» e «auxiliar». São elas precisamente que indicam quão fundamental e constitutiva para o homem é a relação e a comunhão das pessoas. Comunhão das pessoas significa existir num recíproco «para» numa relação de recíproco dom. E esta relação é exactamente o fim da solidão original do «homem».

3. Tal fim é, na sua origem, beatificante. Sem dúvida está implícito na felicidade original do homem, e justamente constitui aquela felicidade que pertence ao mistério da criação realizada por amor, isto é, pertence à essência mesma do dar criador. Quando o homem-«varão», desperto do sono genesíaco, vê a mulher dele tirada, diz: esta é realmente osso dos meus ossos e carne da minha carne (Gén. 2, 23). Estas palavras exprimem, em certo sentido, o início subjectivamente beatificante da existência do homem no mundo. E dar-se isto «ao princípio» confirma o processo de individuação do homem no mundo, e nasce por assim dizer, da profundidade mesma da sua solidão humana, que ele vive como pessoa diante de todas as outras criaturas e de todos os seres vivos (animalia). Logo também este «princípio» pertence a uma antropologia adequada e pode sempre ser verificado com base nela. Esta verificação puramente antropológica leva-nos, ao mesmo tempo, ao tema da «pessoa» e ao tema do «corpo-sexo». Esta contemporaneidade é essencial. Se, de facto, tratássemos do sexo sem a pessoa, ficaria destruída toda a adequação da antropologia, que encontramos no livro do Génesis. E para o nosso estudo teológico ficaria então velada a luz essencial da revelação do corpo, que nestas primeiras afirmações transparece com tanta plenitude.

4. Há nexo íntimo entre o mistério da criação, como dom que brota do Amor, e aquele «princípio» beatificante da existência do homem como homem e mulher, em toda a verdade do corpo e do sexo em ambos, que é pura e simples verdade de comunhão entre as pessoas. Quando o primeiro homem, à vista da mulher, exclama: é osso dos meus ossos e carne da minha carne (Gén. 2, 23), afirma simplesmente a identidade humana dos dois. Com esta exclamação parece dizer: eis um corpo que exprime a pessoa! Seguindo uma passagem precedente do texto javista, pode-se dizer também: este «corpo» revela a «alma viva», como ficou sendo o homem quando Deus Javé lhe insuflou o sopro da vida (Gén. 2, 7), pelo qual se iniciou a própria solidão diante dos outros seres vivos. Atravessando precisamente a profundidade dessa solidão original, o homem surge agora na dimensão do dom recíproco, cuja expressão — que por isso mesmo é expressão da sua existência como pessoa — é o corpo humano em toda a verdade original da sua masculinidade e feminilidade. O corpo, que exprime a feminilidade «para» a masculinidade e vice-versa a masculinidade «para» a feminilidade, manifesta a reciprocidade e a comunhão das pessoas. Exprime-a por meio do dom como característica fundamental da existência pessoal. Este é o corpo-testemunha da criação como dum dom fundamental, portanto testemunha do Amor como origem de que nasceu este mesmo dar. A masculinidade-feminilidade — quer dizer, o sexo — é o sinal original duma doação criadora e duma tomada de consciência por parte do homem, varão e mulher, dum dom vivido, por assim dizer, de modo original. Tal é o significado com que entra o corpo na teologia do corpo.

5. Aquele «início» beatificante do ser e do existir do homem, como homem e mulher, está ligado com a revelação e com a descoberta do significado do corpo, que é oportuno chamar «esponsal». Se falamos de revelação e ao mesmo tempo de descoberta, fazemo-lo em relação com a especificidade do texto javista, no qual o fio teológico é também antropológico; mais, aparece como certa realidade conscientemente vivida pelo homem. Já observámos que às palavras que exprimem a primeira alegria da comparência do homem na existência como varão e mulher (Gén. 2, 23) segue o versículo que estabelece a unidade conjugal de ambos (Gén. 2, 24), e depois o que atesta a nudez dos dois, destituída de vergonha recíproca (Gén. 2, 25). E justamente este significativo confronto que nos permite falar da revelação e ao mesmo tempo da descoberta do significado «esponsal» do corpo no mistério mesmo da criação. Este significado (enquanto revelado e também consciente, «vivido» pelo homem) confirma até ao fundo que o dar criador, que deriva do Amor, atingiu a consciência original do homem, tornando-se experiência de dom recíproco, como se percebe já no texto arcaico. Disto parece também dar testemunho — talvez até de modo específico — aquela nudez dos primeiros pais, ambos, nudez isenta de vergonha.

6. Génesis 2,24 fala da finalização da masculinidade e feminilidade do homem, na vida dos cônjuges-pais. Unindo-se entre si tão intensamente que se tornam «uma só carne», estes submeterão, em certo sentido, a sua humanidade à bênção da fecundidade, isto é, da «procriação», de que fala a primeira narrativa (Gén, 2, 28)). O homem entra «no ser» com a consciência desta finalização da própria masculinidade-feminilidade, isto é, da própria sexualidade. Ao mesmo tempo, as palavras do Génesis 2, 25 «Estavam ambos nus... mas não sentiam vergonha» parecem acrescentar a esta verdade fundamental do significado do corpo humano, da sua masculinidade e feminilidade, outra verdade não menos essencial e fundamental. O homem, consciente da capacidade procriativa do próprio corpo e do próprio sexo, está ao mesmo tempo livre da «constrição» do próprio corpo e sexo. Aquela nudez original, recíproca e ao mesmo tempo não sujeita à vergonha, exprime a liberdade interior do homem. E a liberdade do «instinto sexual»? O conceito de «instinto» implica já uma constrição interior, de maneira análoga ao que sucede com o instinto que estimula a fecundidade e a procriação em todo o mundo dos seres vivos (animalia). Parece todavia que ambos os textos do Livro do Génesis, a primeira e a segunda narrativa da criação do homem, relacionam suficientemente a perspectiva da procriação com a fundamental característica da existência humana em sentido pessoal. Por conseguinte, a analogia do corpo humano e do sexo diante do mundo dos animais — que podemos chamar analogia «da natureza» — em ambas as narrativas (embora em cada uma a seu modo) é analogia elevada, em certo sentido, a nível de «imagem de Deus», e a nível de pessoa e de comunhão entre as pessoas.

A este problema essencial será preciso dedicar ainda outras análises. Para a consciência do homem — mesmo do homem contemporâneo — é importante saber que nestes textos bíblicos, que falam do «princípio» do homem, se encontra a revelação do «significado esponsal do corpo». Mais importante é porém ainda estabelecer que é que exprime propriamente este significado.


Saudações

A Sacerdotes provenientes de várias Nações da Europa

Desejo ainda dirigir uma cordial saudação aos Sacerdotes provenientes de várias nações da Europa, que participam nestes dias num congresso sobre o tema "A caridade como ideal de vida", no Centro Mariapoli dos Focolarinos, em Rocca di Papa.

Caríssimos Sacerdotes, regozijo-me vivamente convosco e agradeço-vos aquilo que sois e aquilo que fazeis: como sacerdotes de Deus e colaboradores dos vossos Bispos no governo da Igreja e na orientação das almas para a salvação. Recordai-vos sempre das palavras de Jesus aos seus discípulos, na última ceia: "Permanecei no meu amor" (Jo 15, 9). Permanecer no amor de Cristo é o primeiro e o mais exigente dever da vossa vida sacerdotal. É a atitude mais verdadeira de quem recebeu a investidura de "administradores dos mistérios de Deus" (1 Cor 4, 1). É a resposta mais bela dada Àquele que vos escolheu para serdes seus amigos e seus mensageiros no mundo para a sua maior glória. O Senhor abençoe os vossos propósitos e o vosso generoso testemunho.

A uma família de refugiados vietnamitas hóspedes do Vaticano

Desejo saudar, com as mais cordiais boas-vindas, a inteira família de refugiados vietnamitas que eu quis hospedar no Vaticano. Gostaria de associar todos os peregrinos, hoje presentes, a este acolhimento dos nossos irmãos católicos provados... Aproveito a ocasião para exprimir a simpatia e a solidariedade da Igreja por todos estes refugiados que se encontram tão longe da sua querida pátria, sem tecto, sem trabalho e muitas vezes separados da família. Oxalá eles possam continuar a encontrar nos países e nas famílias, encorajamento, amparo efectivo e integração, para uma vida normal! Eles próprios dão-nos testemunho da sua coragem, da sua experiência, e muitas vezes da sua fé. De todo o coração os abençoo. E preciso desejar-lhes também que sejam remediadas as causas que provocam a abalada destes refugiados, de múltiplos modos e em tantos países.

A um grupo de Médicos e Enfermeiras

Está presente nesta Audiência um grupo de Médicos e de Enfermeiras, que, respondendo ao apelo lançado pela Cáritas Italiana, partirão nos próximos dias como voluntários, para a Tailândia, a fim de prestarem assistência sanitária aos prófugos da Camboja, ali refugiados. É um gesto altamente humanitário e evangélico, que merece o nosso louvor e o nosso encorajamento. O Senhor recompense a vossa obra de solidariedade humana e cristã e sustenha o vosso esforço generoso, a fim de que sirva de alívio para tantos sofrimentos e valha para dar de novo o sorriso a tantos rostos marcados pela dor.

Aos Jovens

E agora dirijo-me a vós, caríssimos Jovens, Rapazes e Crianças, que tomais parte nesta Audiência, para vos apresentar a minha particular saudação e os meus bons votos.

Estamos ainda perto das grandes Festividades do Santo Natal e da Epifania, e por isso renovo a minha exortação a terdes o olhar fixo na estrela luminosa de Belém, como fizeram os Magos vindos do Oriente.

E a estrela é Jesus, porque só Ele, no tumulto e no tormento da história e da nossa própria existência, nos indica o caminho justo da nossa vida e nos ajuda a percorrê-lo. Desejo-vos de coração que o Ano Novo, há pouco iniciado, seja para todos vós ano de íntima amizade cor Jesus, aprofundando o conhecimento do Evangelho, vivendo na Sua graça e imitando-O na caridade para com o próximo.

A minha paternal Bênção vos acompanhe!

Aos Doentes

Também a vós, caríssimos Doentes, que quisestes participar na Audiência, chegue a minha saudação particularmente afectuosa.

Especialmente para vós, doentes e pessoas que sofrem, Jesus, o Verbo Divino encarnado em Belém, é a luz que vos ilumina e vos guia na aceitação da vossa doença, na esperança da cura, na certeza de que os vossos sofrimentos se tornarão alegria e glória eterna para o céu.

Como os Magos, que vieram de longe para adorar o Divino Menino, trazei também vós os vossos dons preciosos: o ouro do vosso sofrimento, o incenso da vossa fé e a mirra da vossa paciência.

E ao mesmo tempo que vos desejo de coração a mesma alegria dos Magos, no abandono sereno à Divina Providência, concedo-vos a consoladora Bênção.

Aos jovens Casais

Caríssimos jovens Casais! Também a vós dirijo a minha saudação. Entrastes, com o Matrimónio, numa nova fase da vossa vida e debruçais-vos trepidantes para o futuro.

Não percais nunca a coragem, mas, como os Magos do Evangelho, segui a estrela da vossa Fé cristã, convencidos de que a família é um "projecto" de Deus que quis exprimir o Seu amor criador e redentor através do homem e da mulher, feitos à Sua imagem e semelhança.

Tendo presente a família de Nazaré, procurai ser vós mesmos uma "epifania" contínua, isto é, "manifestação" de Cristo, com a vossa religiosidade, a vossa união e a vossa bondade.

E a alegria do Divino Salvador encha sempre os vossos corações! São estes os votos que vos deixo, juntamente com a propiciadora Bênção.

A estudantes da Faculdade de Teologia Protestante de Lausana

Saúdo também os estudantes da Faculdade de teologia protestante de Lausana; faço votos por que aprofundem o mistério de Cristo, nascido da Virgem Maria a fim de se aproximarem d'Ele, a Pedra angular da Igreja, e de se tornarem testemunhas da sua salvação. Brevemente vamos intensificar a oração comum para que todos os cristãos progridam para a plenitude da fé e do amor, e sejam um, como Cristo quis que fossem. Tende a certeza da nossa amizade no Senhor.

 

Copyright © Libreria Editrice Vaticana

 

 

top