The Holy See
back up
Search
riga

VISITA PASTORAL DO SANTO PADRE
À PARÓQUIA ROMANA DOS SANTOS DOZE APÓSTOLOS

HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II

Domingo, 16 de Dezembro de 1979

 

Graça e paz a vós da parte de Deus, nosso Pai, e da do Senhor Jesus Cristo (Flp 1, 2).

Com estas palavras, dirigidas por São Paulo aos primeiros cristãos da cidade de Filipos, envio a minha afectuosa saudação à comunidade paroquial dos Doze Apóstolos.

1. Saúdo, antes de mais, o Senhor Cardeal Vigário e os Prelados que quiseram participar nesta celebração eucarística.

Uma saudação cordial aos Membros da Cúria Generalícia dos Padres Franciscanos Menores Conventuais que, desde 1463, têm a responsabilidade pastoral desta insigne Basílica.

Uma saudação fraterna ao pároco, Padre Domenico Camusi, e aos Religiosos que dedicam as suas energias ao bem das almas desta zona e do centro histórico de Roma.

Desejo, além disso, saudar os numerosos Religiosos que vivem nos limites da paróquia: os Padres Servitas e os Padres Jesuítas da Pontifícia Universidade Gregoriana e do Pontifício Instituto Bíblico, que visitei ontem à tarde. Não posso esquecer as Religiosas: as Irmãs de Maria Reparadoras, as Irmãs do Sagrado Coração, as Filhas de São Paulo e as Irmãs Polacas, que estão ao serviço do Colégio Americano.

Uma saudação particular, enfim, a todos os fiéis: homens e mulheres, meninos e meninas, rapazes e jovenzinhas, jovens e anciãos, que formam as pedras vivas (1 Ped 2, 5) desta comunidade paroquial. Na verdade, não sendo muito vasta — conta, de facto, 800 almas, em 272 famílias —, não é menos rica em vitalidade nem lhe faltam problemas de carácter pastoral.

2. O terceiro domingo do Advento oferece-nos sempre sinais particulares de alegria, que se manifestam em cores quentes nas vestes litúrgicas. A alegria é a antítese da tristeza e do temor. E por isso o Profeta Sofonias, convidando à alegria, exclama: Não temas, Sião, não te deixes tomar de abatimento. O Senhor, teu Deus, está no meio de ti, como herói que te vem salvar. Por causa de ti vai encher-Se de júbilo e renovar-te no Seu amor; exultará de alegria por causa de ti, como em dia de festa (Sof 3, 16-18).

Sentimos já a proximidade do Natal. Dele nos aproxima o Advento através dos seus quatro domingos, dos quais é este o terceiro.

O mesmo convite à alegria é repetido por São Paulo na carta aos Filipenses. Enquanto o Profeta anunciou a presença do Senhor em Sião o Apóstolo prenuncia a sua proximidade: Alegrai-vos sempre no Senhor. Novamente vos digo: alegrai-vos! Seja de todos conhecida a vossa tolerância. O Senhor está próximo! (Flp  4, 4-5).

3. A consciência da proximidade de Deus, que vem para "estar connosco" (Emanuel), deve reflectir-se em todo o nosso proceder. Disto nos fala toda a liturgia de hoje, sobretudo pela boca de São João Baptista, que pregava nas margens do Jordão.

Diversos homens o procuram para lhe perguntar: Que havemos de fazer? (Lc 3, 10). São várias as respostas.

Uma para os publicanos, outra para os soldados: convida os primeiros à honestidade profissional; os outros a respeitarem o próximo nos simples problemas humanos. E convida-os a todos à mesma atitude, inculcada pelos profetas em toda a tradição do Antigo Testamento: a partilharem, tudo com os outros; a porem-se ao serviço destes segundo a própria abundância; a praticarem obras de generosidade e misericórdia.

Podemos alargar e multiplicar estas respostas de João nas margens do Jordão, transpondo-as para os nossos dias, para as condições em que vivem os homens de hoje. A sensação da proximidade de Deus provoca sempre perguntas semelhantes às que foram postas ao Precursor junto do Jordão: "Que hei-de eu. fazer?". "Que havemos nós de fazer?". A Igreja não cessa de responder a estas perguntas. Basta ler com atenção os documentos do Concílio Vaticano II para constatar a quantas perguntas do homem contemporâneo deu o Concílio a resposta adequada. Resposta dirigida a todos os cristãos e aos grupos particulares, aos bispos, aos sacerdotes, aos religiosos, aos leigos, às famílias, à juventude, aos homens da cultura e da ciência, aos homens da economia e da política, aos homens do trabalho...

4. É necessário, todavia, que a pergunta "Que havemos nós de fazer?" — seja feita não só por todos, mas também por cada um. Não apenas pelos grupos particulares e comunidades com base na sua responsabilidade social, mas também no mais fundo da consciência de cada um de nós. Que hei-de eu fazer? Quais são os meus deveres concretos? Como devo servir o verdadeiro bem e evitar o mal? Como devo realizar os deveres da minha vida?

O Advento conduz cada um de nós, por assim dizer, "ao compartimento interior do seu coração", para aí viver a proximidade de Deus, respondendo à pergunta que este coração humano deve pôr-se a si mesmo no conjunto da verdade interior.

E quando, sincera e honestamente, nos pomos esta pergunta na presença de Deus, acontece sempre aquilo de que fala o Precursor junto do Jordão na sua sugestiva metáfora: eis a pá de joeirar para limpar a eira.. Ela permite ao agricultor recolher o trigo no celeiro, enquanto a palha será queimada num fogo que não se apaga (Cfr. Lc 3. 17). É preciso fazer assim mais de uma vez. É preciso concentrarmo-nos em nós mesmos, com a ajuda da luz que o Espírito Santo nos não há-de negar, delinearmos e separarmos o bem e o mal. Chamar um e outro pelos seus nomes, sem nos enganarmos a nós mesmos. Este será então um verdadeiro "Baptismo" que renovará a alma. Aquele que está Próximo (Flp 4, 5) baptizar-nos-á no Espírito Santo e em fogo (Cfr. Lc 3. 18).

O Advento — preparação para a grande solenidade da Encarnação — deve ficar ligado com tal purificação. Retorne-se ao costume do sacramento da Penitência. Se deve ser verdadeira a alegria pela proximidade do Senhor, anunciada neste domingo, então temos de purificar os nossos corações. A litúrgia de hoje indica-nos a dupla fonte da alegria: a primeira é a que deriva da honesta prática dos deveres da nossa vida; e segunda é a que nos é dada pela purificação sacramental e pela absolvição dos pecados que pesam sobre a nossa alma.

5. "O Senhor está próximo!" — anuncia São Paulo na carta aos Filipenses. Coliga-se com este facto o convite à esperança. De facto, enquanto a nossa vida pode oprimir cada um de nós com diversos fardos, Deus é a minha salvação (Is 12. 2). Se o Senhor se aproxima de nós é para que possamos haurir com alegria da água das fontes da Salvação (Is 12, 3), a fim de podermos conhecer as "Suas obras", as que realizou e continua a realizar para o bem do homem.

A primeira destas obras todas é a criação: o bem natural, material e espiritual que dela nasce. Eis que nos aproximamos da nova e esplendorosa obra do Deus Vivo, do novo "mirabile Dei": eis que iremos viver de novo, na liturgia da Igreja, o mistério da Encarnação de Deus. Deus Filho fez-se homem; o Verbo fez-se carne para enxertar no coração dos homens a força e a dignidade sobrenaturais: Deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus (Jo 1, 12).

É esta a razão por que, olhando para o Jordão, que nos recorda, na liturgia de cada ano, este grande Mistério, o Apóstolo brada: Não tenhais qualquer preocupação! Mas, em tudo, recorrei à oração e à súplica, juntamente com acções de graças, para que os vossos pedidos cheguem a, presença de Deus (Flp 4, 6).

Não tenhais qualquer preocupação. Assim mesmo. Não teremos, então, de realizar os nossos deveres e as nossas tarefas com toda a escrupulosidade, como ouvimos da boca de João Baptista? Certamente. Exige-nos tudo isso a proximidade de Deus. Ao mesmo tempo, porém, a mesma proximidade de Deus, a sua Encarnação e a sua vontade salvífica em relação ao homem, exigem de nós que nos não deixemos absorver completamente pelas preocupações temporais; que não vivamos de tal modo como se apenas "este mundo" fosse importante; que não percamos a perspectiva da eternidade. A Vinda de Cristo, a Encarnação do Filho de Deus, exige-nos que abramos de novo os nossos corações a esta perspectiva divina. É precisamente isto que quer dizer o Advento! É isto que quer dizer o "alegrai-vos" de hoje. A perspectiva divina da vida, que ultrapassa as fronteiras do temporal, é a fonte da nossa alegria.

6. Esta perspectiva é também a fonte da paz espiritual. As últimas palavras da segunda leitura de hoje devem ter particular significado para o homem contemporâneo; que tem vários motivos de inquietação e de medo: A paz de Deus, que está acima de toda a inteligência, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus" (Flp 4, 7).

Eis os votos da Igreja para cada um de nós ao aproximar-se o Natal.

Em nome da Igreja, desejo esta "paz de Deus" aos pais e às mães da paróquia, para que, na plena fidelidade à sua missão conjugal, saibam, com a vida e o exemplo, ajudar os filhos a crescer na fé cristã.

Desejo esta paz aos jovens e às jovens da paróquia, para que sempre estejam convencidos que a violência não traz alegria, antes semeia o ódio, o sangue, a morte e a desordem, e que a sociedade, por eles sonhada e antevista, será fruto dos seus sacrifícios, do seu esforço e do seu trabalho, num respeito solidário para com os demais.

Desejo esta paz aos anciãos e aos doentes da paróquia, para que estejam conscientes de que as suas orações e os seus sofrimentos são bens preciosos para o crescimento da Igreja.

Assim seja!

 

© Copyright 1979 - Libreria Editrice Vaticana

 

top