The Holy See
back up
Search
riga

SOLENE RITO EXEQUIAL EM SUFRÁGIO
DO CARDEAL EGÍDIO VAGNOZZI

HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II

Basílica Vaticana
31 de Dezembro de 1980

 

"Estejam cingidos os vossos rins e acesas as vossas lâmpadas" (Lc 12, 35).

Caros Irmãos e Irmãs, estas palavras de Jesus, que acabámos de ouvir pela leitura do Evangelho segundo Lucas, dão o tema e o tom à nossa meditação sobre a Palavra de Deus no quadro desta celebração litúrgica. Estamos, com efeito, aqui reunidos para as exéquias do nosso Venerado Irmão no Episcopado, o Cardeal Egidio Vagnozzi, que improvisamente nos deixou no passado dia 26 de Dezembro, logo após o Santo Natal.

Os rins cingidos e as lâmpadas acesas, conforme a linguagem bíblica e com eficaz imagem poética, estão respectivamente a significar a nossa disponibilidade para a viagem, como se verificou no povo de Israel antes do êxodo do Egipto, e a nossa situação de expectativa: "semelhantes aos homens que esperam o seu senhor, ao voltar das núpcias, a fim de lhe abrirem a porta, assim que ele chegar e bater" (Lc 12, 36). Esta foi certamente a atitude interior do Cardeal Vagnozzi durante toda a sua longa vida. Além disso, ele realizou aquela definição honorífica de "servo", com a qual Jesus, no Evangelho há pouco lido, se refere aos seus fiéis que estão prontos para O acolher: "Felizes aqueles servos que o senhor, quando vier, encontrar vigilantes" (Lc 12, 37). Trata-se daqueles que, embora depois de terem feito quanta deviam fazer, sabem dizer com humildade segundo o ensinamento de Jesus: "Somos servos inúteis. Fizemos o que devíamos fazer" (Lc 17, 10). E, em verdade, o Cardeal Vagnozzi prodigalizou-se com incansável solicitude, fazendo quanto podia, nos longos anos de serviço à Santa Sé.

É-me grato antes de tudo recordar que ele era romano: de nascimento e de formação, tendo frequentado os Seminários diocesanos. Pertencia, por isso, a pleno título, num certo sentido a título nativo, àquele Clero ilustre, ao qual todos os Cardeais da Igreja Católica espalhados no mundo se honram de pertencer, mesmo se só a título de participação adquirida por eleição pontifícia. Ao colocar-se ao serviço da Sé Apostólica, teve a possibilidade de a representar em vários continentes: em primeiro lugar nos Estados Unidos da América, onde vários anos depois foi Delegado Apostólico por um decénio; depois em Portugal; em seguida na França, onde, em Paris teve como Superior e mestre o Núncio Apostólico Angelo Giuseppe Roncalli; mais tarde esteve na Índia e depois nas Filipinas, onde foi o primeiro titular da Nunciatura Apostólica ali erigida.

Criado Cardeal pelo Papa Paulo VI em 1967, passou a outras delicadas funções de responsabilidade; como a de Presidente da Prefeitura dos Assuntos Económicos da Santa Sé, recebendo o Título Presbiteral de São José na Via Trionfale. No desempenho destas várias missões mostrou sempre a sua reconhecida competência, ricamente acumulada nas preciosas e multíplices experiências precedentes, e não alheia a um sadio bom humor. Foi também sua característica um admirável espírito pastoral, que distinguiu sempre a sua actividade. Suportou generosamente muitos sofrimentos, compreendeu a importância de novos centros de educação católica, esteve atento às exigências e às esperanças oferecidas pelos jovens.

Hoje, portanto, elevamos de coração ao Senhor a nossa oração de sufrágio pela sua alma, enquanto lhe somos reconhecidos por todo o profícuo trabalho desenvolvido em benefício desta Sé Pontificia e, em definitivo, de toda a Igreja.

A primeira leitura bíblica desta Liturgia, tirada do Livro da Sabedoria, exprimia-se assim: "A sabedoria é que faz os cabelos brancos, e a verdadeira velhice é uma vida imaculada" (Sab 4, 9). Pois bem, a vida intensa do Cardeal Vagnozzi, que agora está perfeitamente terminada diante de nós e mais ainda diante dos olhos de Deus, ensina-nos a seguir estas palavras bíblicas como luz e guia também para a nossa existência terrena. As muitas experiências, que por divina providência a entremeiam, seriam inúteis, se não nos conduzissem a uma sólida maturidade interior, que o Hagiógrafo denomina metaforicamente "cabelos brancos" isto é, a confirmar sempre mais a nossa adesão de fé ao Senhor e a fecundar sempre cada vez mais o nosso serviço de amor aos irmãos, na Igreja e no mundo.

Neste último dia do ano, além disso, somos oportunamente de novo chamados a firmar os nossos pés sobre a rocha perene que é Deus; só Ele é mais firme que qualquer mudança dos tempos, e o Profeta compara-O com exactidão a "um cipreste sempre verdejante" (Os 14, 8). Somos convidados a estar sempre prontos para a nossa definitiva comunhão com Ele, tendo também nós "os rins cingidos e as lâmpadas acesas". Mesmo numa "idade avançada" podemos manter a verdadeira juventude, se permanecemos firmemente ancorados, diria agarrados, a Nosso Senhor Jesus Cristo, sobre Quem sabemos que "a morte já não tem mais domínio" (Rom 6, 9). De facto, como nos recordava a segunda Leitura, "se morrermos com Ele, também com Ele reviveremos" (2 Tim 2, 11). "Porque para este fim é que Cristo morreu e ressuscitou: para ser Senhor dos mortos e dos vivos" (Rom 14, 9). N'Ele, portanto, tanto quem morre como quem vive se encontra unido num só e indissolúvel vinculo de comunhão, uma vez que o Senhor, segundo a confortadora palavra de Jesus, "não é Deus de mortos, mas de vivos" (Mc 12, 27).

Neste espírito de fé celebramos as exéquias do Cardeal Egidio Vagnozzi, para quem imploramos confiantemente com a Liturgia, "o lugar da bem-aventurança, da luz e da paz". Amém!

 

© Copyright 1980 - Libreria Editrice Vaticana

 

top