The Holy See
back up
Search
riga

SANTA MISSA PARA OS ALUNOS DO SEMINÁRIO MENOR DE ROMA

HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II

Capela Paulina
Domingo, 20 de Dezembro de 1981

 

1. "Eis aqui a escrava do Senhor" (Lc 1, 38).

Estas palavras de Maria estão no centro da celebração litúrgica de hoje, Quarto Domingo do Advento.

Estamos já muito próximo da solenidade do Natal, e os nossos corações inflamam-se cada vez mais de desejo e de amor por Aquele que está para vir. Aos Domingos, as Leituras da Liturgia propuseram-nos a figura austera de João o Baptista, exemplo luminoso de expectativa na humildade e na clarividência. Hoje, por sua vez, temos diante dos olhos a figura de Maria, tal como no-la descreve o Evangelista Lucas na clássica cena da Anunciação. Pensamos em quantos Artistas retrataram e interpretaram aquele momento sublime: quantos modos diversos de reproduzir a singular experiência e o que há de decisivo naquela hora! E apesar disso todos concordam, embora com variedade de estilo e de pormenores, em salientar a personalidade de Maria diante do anjo, a sua profunda atitude de escuta e a sua resposta de total disponibilidade: "Eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra"!

2. Aquele foi o momento da vocação de Maria. E daquele momento dependeu a possibilidade mesma do Natal. Sem o Sim de Maria, Jesus não teria nascido.

Caros Irmãos e Irmãs! Meus caros jovens! Que lição é esta para todos! Vós, aqui presentes, sois Seminaristas ou amigos do Seminário, e sois também Pais e Familiares destes jovens. Pois bem, o Evangelho de hoje é verdadeiramente adequado a este nosso encontro, para nos fazer reflectir sobre o tema da vocação.

De facto, sem o Sim de tantas almas generosas, não é possível continuar a fazer nascer Jesus no coração dos homens, isto é levá-los à fé que salva. Mas precisamente isto é necessário: que o "Eis-me" de Maria se repita sempre de novo, e quase reviva, na vossa dedicação e na de tantos como vós, para que não faltem nunca ao mundo a possibilidade e a alegria de encontrar Jesus, de o adorar e de se deixar guiar pela sua luz, como já aconteceu com os pobres pastores de Belém e com os Magos vindos de longe. Esta de facto é a vocação: uma proposta, um convite, aliás uma solicitude para levar o Salvador ao mundo que tanto necessita dele. Uma recusa significaria não só repelir a palavra do Senhor, mas também abandonar muitos nossos irmãos no erro, no não-senso, ou na frustração das suas aspirações mais secretas e mais nobres, a que não sabem e não podem sozinhos dar resposta.

Nós hoje agradecemos a Maria ter escutado a chamada divina, porque a sua pronta adesão esteve na origem da nossa salvação. Do mesmo modo, muitos poderão agradecer-vos também a vós e bendizer-vos, porque, aceitando a chamada do Senhor, levar-lhes-eis a Boa Nova da graça (cf. Act 20, 24), tornando-vos, como escreve São Paulo, "colaboradores da alegria deles" (cf. 2 Cor 1, 24).

3. Mas para fazer maturar uma vocação é necessário o contributo da família. Na recente Exortação sobre a função da família cristã no mundo de hoje, escrevi que ela é "o primeiro e o melhor seminário da vocação à vida consagrada ao Reino de Deus" (Familiaris consortio, 53); de facto, "o serviço dos cônjuges e pais cristãos a favor do Evangelho é essencialmente um serviço eclesial, isto é, reentra no contexto da Igreja inteira, qual comunidade evangelizada e evangelizadora" (ib.).

Caros pais aqui presentes, exorto-vos vivamente a continuardes cada vez mais a ser destes homens e destas mulheres, que sentem profundamente os problemas da vida da Igreja, que os fazem próprios e sabem também transmitir aos filhos esta sensibilidade, com a oração, a leitura da Palavra de Deus e o exemplo vivo. Normalmente uma vocação nasce e amadurece num ambiente familiar são, responsável e cristão. Precisamente ali aprofunda ela as suas raízes e dali adquire a possibilidade de crescer e de se tornar uma árvore forte e carregada de frutos saborosos. Certamente será necessário cooperar de harmonia com o Seminário diocesano e proceder a par e passo na delicada tarefa da educação e da formação dos aspirantes ao Presbitério. De facto, o Seminário desempenha um papel único e determinante. Mas tudo parte da família e tudo está condicionado em última instância a ela.

Por conseguinte, também vós, caros Familiares, participais na vocação destes rapazes. Também vós, em certo sentido, podeis e deveis responder ao Senhor: "Eis-me,... faça-se em mim segundo a tua palavra", concedendo-Lhe e dando-Lhe o fruto do vosso amor recíproco. E estai certos que pelo Senhor e pela sua Igreja vale a pena comprometer-se até a este ponto.

4. O anjo disse a Maria: "O Espírito Santo virá sobre ti e a força do Altíssimo estenderá sobre ti a Sua sombra" (Lc 1, 35). Pois bem, recomendo-vos de coração a esta "sombra" divina e confio-vos a ela, porque "nada é impossível a Deus" (ib. 1, 37); pelo contrário, com a sua graça podem realizar-se "grandes coisas", como Nossa Senhora mesma cantou no Magnificat (cf. ib. 1, 49).

O Natal que vem seja rico de luz e de força para todos vós: para que possais ver bem o caminho que sois chamados a percorrer nesta vida terrena, possais empreendê-lo com generosa determinação, e possais suportá-lo com perseverança e entusiasmo incessante. Amém!

 

© Copyright 1981 - Libreria Editrice Vaticana

 

top