The Holy See
back up
Search
riga

SANTA MISSA PARA OS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS
 EM PREPARAÇÃO PARA O NATAL

HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II

Basílica de São Pedro, 16 de Dezembro de 1982

 

1. Preparai o caminho do Senhor!

Reunimo-nos hoje, nesta tarde de Dezembro, dentro das paredes da Basílica de São Pedro, para aderir ao apelo do Advento.

Desejo exprimir a minha cordial alegria com este encontro, em que participam os professores e os estudantes das Universidades de Roma, e também os hóspedes provenientes de vários Centros Universitários da Itália. Reunimo-nos aqui, já pela quarta vez, no período do Advento, como também no tempo da Quaresma, para satisfazer uma necessidade da nossa fé.

A fé fala-nos com o apelo que outrora ressoara nos lábios do profeta Isaías, e depois repetido por João Baptista na região do Jordão:

"Preparai o caminho do Senhor, / e endireitai as Suas veredas!... / E toda a criatura verá a salvação de Deus!" (Lc 3, 4.6). Aleluia, Aleluia, Aleluia.

É possível ver a salvação?

Que significa a salvação? Que significa ser salvo?

Significa: ser arrancado ao mal, libertado dele. O que significa, ao mesmo tempo e sobretudo, ser envolvido pelo bem, estar repleto de bem. A salvação significa a participação do bem — participação irreversível do Bem inalterável e definitivo.

2. O Profeta Isaías, sete séculos antes de Cristo, e João Baptista nas margens do Jordão, anunciam tal salvação. Anunciam-na usando o futuro: "Toda a criatura verá a salvação de Deus". Nestas palavras eles exprimem o que constitui a substância mesma do Advento. O Advento fala, de facto, da salvação que ao homem Vem de Deus: de Deus somente.

Qual é a credibilidade destas palavras outrora, nos tempos de Isaias? nos tempos de João Baptista? Dizem-no as leituras do Advento, e entre as outras, as da liturgia de hoje.

Qual é a credibilidade destas palavras hoje? Em certo sentido, é a mesma de outrora. O homem, hoje como então, sabe por experiência, pela experiência geral de todos os homens, que a sua existência no mundo visível não o faz participar do bem inalterável e definitivo. E se esta existência terrena oferece ao homem diversos bens, se o conjunto dos bens que existem no mundo e os que são produzidos pelo género humano cresce e aumenta de poder, ao mesmo tempo eles, tomados em conjunto, não são capazes de "salvar" o homem, isto é de o libertar de todo o mal, e de o consolidar na plenitude do bem. Antes, o homem contemporâneo, na dimensão cósmica da sua existência, prova a ameaça da parte de um mal multíplice, talvez ainda em maior medida, e de maneira mais dolorosa, do que os contemporâneos do Profeta Isaías ou de João Baptista nas margens do Jordão.

Este é todavia um argumento exclusivamente negativo. Ele diz: "o mundo não salva". Diz: "o homem não encontra a salvação no seu destino terreno". Sob este aspecto, a credibilidade das palavras de Isaías e de João Baptista é hoje semelhante à de outrora. Talvez até ainda mais dramática.

3. Todavia, estas palavras não se fixam apenas sobre tal credibilidade. Não se fixam no argumento exclusivamente negativo. O Profeta nem sequer se serve de tal argumento. Não diz aos seus ouvintes: "o mundo não vos salvará", mas diz sem mais: "Deus vos há-de salvar" / "toda a criatura verá a salvação de Deus". O Profeta serve-se da linguagem da fé, do argumento da fé. E, se pressupõe tacitamente a credibilidade que deriva da experiência geral dos homens, fá-lo para invocar, também em tal base, a credibilidade da palavra de Deus mesmo.

Deus disse que Ele quer salvar o homem.

Deus diz constantemente que Ele é a salvação do homem. Disse-o por meio de Isaías e de todos os Profetas. Disse-o por meio de João Baptista. Sobretudo disse-o por meio de Jesus Cristo. E com o poder de Cristo di-lo constantemente por meio da Igreja.

Di-lo de modo particular no Advento.

E nós encontramo-nos neste Advento para ouvir, mais uma vez, a palavra de Deus sobre a salvação que vem de Deus; para acolher esta palavra com a fé, para reconhecer a credibilidade que pertence apenas à palavra de Deus: a Ele somente. Enfim, para nos prepararmos — mediante este acto e este procedimento de fé consciente, adequado ao Espírito de Advento — ao encontro com Deus que vem.

"Preparai o caminho do Senhor, / é endireitai as Suas veredas!... / Toda a criatura verá a salvação de Deus!".

4. Peço-vos, caros Irmãos e Irmãs, que aceiteis este convite com toda a: simplicidade da vossa fé. O homem prepara o caminho do Senhor, e endireita as Suas veredas, quando examina a própria consciência, quando perscruta as suas obras, as suas palavras, os seus pensamentos, quando chama o bem e o mal com os próprios nomes, quando não hesita em confessar os seus pecados no sacramento da penitência, arrependendo-se deles e fazendo o propósito de nunca mais pecar.

Precisamente isto significa "endireitar as veredas". Isto significa também acolher a boa nova da salvação. Cada um de nós pode "ver a salvação de Deus" no próprio coração e na sua consciência, quando participa no Mistério da remissão dos pecados, como no seu próprio Advento.

5. E quando recebeis este sacramento, peço-vos que penseis no que diz o Evangelho da liturgia de hoje.

Cristo dá testemunho do Seu Precursor. Dá testemunho de João na região do Jordão. Fá-lo em termos metafóricos e poderosos. Pergunta aos seus ouvintes: "Que fostes ver ao deserto? Uma cana agitada pelo vento? Que fostes ver então? — diz Ele. Um homem vestido com roupas macias?" (Lc 7, 24-25).

Cristo formula esta pergunta de forma rectórica, de modo que, mediante a negação, possa mostrar-se ainda mais a evidente verdade sobre quem era João. Sabe-se, de facto, que Ele não se agitava como uma cana ao vento, mas professava a verdade de modo simples e fundamental e proclamava-a. Sabe-se que não estava vestido com roupas macias, mas com "um traje de pelos de camelo" (Mt 3, 4) — e este era só um dos muitos pormenores relativos à sua vida dura e mortificada.

Sim, João era um profeta. Era "mais do que um profeta" (Lc 7, 26). Era "aquele de quem está escrito: vou mandar à Tua frente o Meu mensageiro, que preparará o caminho diante de ti" (Lc 7, 27).

Sim, João era um profeta e precursor do Messias. Cristo diz dele que "entre os nascidos de mulher não há profeta maior do que João" (Lc 7, 28).

6. Porque nos detemos neste testemunho que, da região do Jordão, dá Cristo de João? Fazemo-lo para nos tornarmos também nós conscientes do significado que tem a palavra de verdade, com a qual professamos Ser Cristo "Cordeiro de Deus", Aquele que tira os pecados do mundo (cf Jo 1, 29). Assim fazia precisamente João na região do Jordão.

Vede, cada um de nós pronuncia tais palavras quando, no sacramento da penitência, confessa os seus pecados, para que o Cordeiro de Deus tire aqueles pecados. E de quem quer de nós que, humildemente e contrito, confessar esta palavra de verdade — a verdade sobre si mesmo — Cristo quer dar um testemunho idêntico, como deu de João da região do Jordão. De facto diz estas misteriosas e significativas palavras: "o mais pequeno do reino de Deus é maior do que ele" (Lc 7, 28),

Por conseguinte peço-vos, Irmãos e Irmãs, mediteis, no período do Advento, nas palavras ditas por Cristo sobre João Baptista — é que tenhais fome e sede de receber um testemunho idêntico a vosso respeito, examinando a vossa consciência e recebendo o sacramento da Penitência.

"Preparai o caminho do Senhor, / e endireitai as Suas veredas!... / E toda a criatura verá a salvação de Deus!" (Lc 3, 4-6).

7. A salvação de Deus é obra de um amor maior do que o pecado do homem. Só o amor pode apagar o pecado e libertar do mal — e só o amor pode consolidar o homem no Bem: no bem inalterável e eterno.

Disto fala amplamente a primeira leitura da liturgia de hoje, também ela tirada do profeta Isaías.

O amor de Deus que nos traz a salvação é comparado nesta leitura ao amor de um esposo, de um cônjuge — como mais de uma vez aparece nos profetas, e ainda na Epistola paulina aos Efésios:

"Com efeito, o teu esposo, é o teu Criador, / que se chama o Senhor dos exércitos; / o teu Redentor é o Santo de Israel, / chama-Se o Deus de toda a terra" (Is 54, 5).

E precisamente este Deus do nosso Advento: Criador e Redentor — faz, nas palavras de Isaías, esta profissão de tal amor para com o homem, para com o homem pecador:

"Ainda que os montes sejam abalados / e tremam as colinas, / o Meu amor jamais se apagará de ti, / e a Minha aliança de paz não se mudará" (Is 54, 10).

9. Endireitemos as veredas do Senhor.

E preparemo-nos — mais uma vez — para o encontro com este Amor que na noite do Natal do Senhor se revelará na figura de um Menino sem tecto.

"Toda a criatura verá a salvação de Deus".

Recordemo-nos ainda que este amor salvífico, que vem ao homem na noite de Belém, e se revela na cruz e na Ressurreição, permanece incessantemente inscrito na vida da Igreja como Sacramento do Corpo e do Sangue, como Alimento das almas.

Todas as vezes que recebemos este sacramento, todas as vezes que aceitamos este Alimento — preparamos o caminho do Senhor, endireitamos as suas veredas.

Oxalá, e sobretudo no período do Advento, tenhamos fome e sede deste Alimento!

Oxalá, mediante o Sacramento do Corpo e do Sangue, construamos o caminho pelo qual Deus virá a nós no mistério do seu nascimento.

São estes os votos que formulo a todos vós, aqui reunidos nesta celebração que nos prepara para o Natal. Acompanho os votos com uma saudação particularmente cordial, que se dirige antes de tudo à Senadora Franca Falcucci, Ministro da Educação, aos ilustres Reitores de Universidades e aos Professores, que desejaram estar . aqui esta tarde connosco: a sua presença é-me particularmente grata e desejo manifestar-lhes a minha alegria e o meu sincero reconhecimento pela sua participação neste momento significativo de reflexão e de prece.

Saúdo ainda de todo o coração todos vós, alunas e alunos das Universidades, que também desta vez viestes em grande número a um encontro, que está a tornar-se um bonito costume, rico de um próprio fascínio singular e capaz de suscitar renovados propósitos de empenho generoso no testemunho quotidiano da própria fé.

Permaneça vivo no coração de cada um o eco das palavras do Profeta: "Preparai o caminho do Senhor, / e endireitai as Suas veredas!... / Toda a criatura verá a salvação de Deus!.

 

© Copyright 1982 - Libreria Editrice Vaticana

 

top