The Holy See
back up
Search
riga

 HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II
NA SANTA MISSA CELEBRADA NA GRUTA DE LOURDES
NOS JARDINS DO VATICANO

22 de Junho de 1997

 

Queridos Irmãos e Irmãs

Reunimo-nos aqui hoje de manhã para nos encontrarmos, como Seus discípulos, com o Senhor ressuscitado, que nos convida a fortalecer a fé com a sua Palavra, partilhar o pão da Eucaristia e edificar a Igreja com os vínculos de caridade fraterna que vivificam a comunidade cristã.

Hoje a sua Palavra interpela a nossa fé, às vezes vacilante, que provoca temores infundados: «Por que sois tão medrosos? — diz — Ainda não tendes fé?» (Mc 4, 40). Muitos são os medos que nos atenazam e podem induzir-nos à covardia ou ao desânimo: o medo do aparente silêncio de Deus, o temor dos grande poderes do mundo, que pretendem competir com a omnipotência e providência divinas, enfim o medo de uma cultura que parece relegar o sentido religioso e cristão da vida à margem e insignificância sociais.

A cena evangélica da barca ameaçada pelas ondas evoca a imagem da Igreja que singra o mar da história, dirigindo-se rumo ao pleno cumprimento do Reino de Deus. Jesus, que prometeu permanecer com os Seus até ao fim dos tempos (cf. Mt 28, 20), não deixará a barca à mercê. Nos momentos de dificuldade e tribulação, continua a fazer ouvir a Sua voz: «Coragem: Eu venci o mundo!» (Jo 16, 33). Trata-se de um chamado a reforçar continuamente a fé em Cristo, a não desfalecer no meio das dificuldades. Nos momentos de prova, quando parece que cai a «noite escura» no seu caminho, ou aumenta a tempestade das dificuldades, a Igreja sabe que está em boas mãos.

As palavras que escutámos na segunda leitura exortam-nos também a confiar na presença do Senhor e a renovar a nossa existência como verdadeiros crentes: «Se alguém está em Cristo, é uma criatura nova» (2 Cor 5, 17). Na novidade de vida, dádiva de nosso Senhor aos baptizados, já não há espaço para incertezas e vacilações. A confiança e a paz constituem o sinal da profunda comunhão com Jesus Cristo, morto a fim de que «aqueles que vivem, já não vivam para si, mas para Aquele que por eles morreu e ressuscitou » (cf. 2 Cor 5, 15).

Ao saudar cordialmente os presentes, especialmente os alunos do Pontifício Colégio espanhol e do Pontifício Colégio mexicano de Roma que, com esta celebração, quiseram reafirmar a sua adesão ao Sucessor de Pedro, convido todos a experimentar o júbilo da presença do Senhor nesta Eucaristia, que celebramos na Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, desejando achar acolhimento em Maria, no encontro com o seu divino Filho. Ela nos acompanhe e sustente com a sua materna intercessão no nosso caminho de fé, ajudando-nos a aprofundar cada vez mais o mistério da pessoa de Cristo e a gozar a paz interior que deriva da firme convicção da Sua presença entre nós.

Amém!

 

© Copyright 1997 - Libreria Editrice Vaticana

 

top