The Holy See
back up
Search
riga

HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II 
NO OFÍCIO DAS VÉSPERAS
 "TE DEUM"

31 de Dezembro de 1997

 

1. «Ubi venit plenitudo temporis, misit Deus Filium suum...». 

«Ao chegar a plenitude dos tempos, Deus enviou o Seu Filho, nascido de mulher, nascido sujeito à Lei, para resgatar os que se encontravam sob o jugo da Lei e para que recebêssemos a adopção de filhos» (Gl 4, 4). 

A expressão latina plenitudo temporis indica que o mistério da Encarnação assinala a plenitude dos tempos. O Filho de Deus, ao fazer-Se homem, entrou na dimensão temporal e, com a Sua presença, introduziu-a na eternidade. Jesus Cristo, o Verbo, o Filho consubstancial ao Pai, Deus de Deus, pertence por Si mesmo à dimensão divina da eternidade mas, ao tornar-Se homem, acolheu em Si a dimensão do tempo. O nascimento do Redentor em Belém deu assim início a um novo modo de contar os anos: costuma-se, de facto, dizer «antes» e «depois» de Cristo.

2. Christus heri et hodie, Principium et Finis, Alpha et Omega. Ipsius sunt tempora et saecula. Ipsi gloria et imperium per universa aeternitatis saecula. A liturgia faz proclamar estas palavras durante a Vigília pascal, enquanto se gravam os números do ano no Círio pascal, símbolo de Cristo ressuscitado. O tempo pertence a Cristo. O Filho de Deus, ao fazer-Se homem, aceitou como medida da Sua existência terrena o tempo, que submeteu a Si. Por Sua obra a história do homem e a salvação encontram-se e fundem-se. 

Hoje, último dia do ano, queremos olhar para os dias, as semanas, os meses transcorridos, como para um ulterior fragmento da história da salvação, que a todos nós concerne. Na atmosfera espiritual que caracteriza este tempo natalício, a Diocese de Roma, em comunhão com a inteira cristandade difundida em todas as partes do mundo, detém-se nesta tarde para reflectir sobre 1997, um outro ano solar que dentro de pouco deixaremos atrás. 

3. Caríssimos Irmãos e Irmãs, o ano que hoje se conclui, no que se refere à nossa comunidade diocesana, está ligado de maneira preeminente à Missão da Cidade que, após um período de preparação, foi envolvendo cada vez mais as paróquias e todas as realidades eclesiais. Trata-se da execução de um trabalho de evangelização comunitário e permanente que se demonstra, com a graça de Deus, uma via singularmente eficaz para anunciar o Evangelho aos habitantes da nossa Metrópole. 

Durante a passada Quaresma cerca de doze mil missionários, na grande maioria leigos, visitaram as famílias da Cidade para oferecer como dom o Evangelho de Marcos. O gesto de entrar com o Evangelho nas casas e o bom acolhimento, que em geral foi reservado aos missionários, são por si mesmos altamente significativos: os Romanos, mesmo os que não frequentam ou frequentam pouco a Igreja, esperam encontrar o Senhor. Isto é confirmado, ainda, pelo notável interesse e pela ampla participação que suscitaram os encontros sobre o tema da fé e da busca de Deus, que se realizaram na Basílica-Catedral de São João de Latrão. Através deles estabeleceu-se um diálogo sincero entre quem anuncia Cristo e quem está em busca de respostas exaustivas aos interrogativos fundamentais da vida. 

A Missão convida-nos a olhar para o futuro, a fim de prepararmos o terreno para a evangelização desta nossa Cidade, em vista do terceiro milénio. Para isto, na última parte do ano reservámos especial atenção aos jovens, aos quais eu mesmo me dirigi a 8 de Setembro, festa da Natividade de Maria, com uma apropriada carta, exortando-os a ser protagonistas no anúncio e no testemunho de Cristo aos seus coetâneos. Faço votos por que a paixão pelo Evangelho penetre cada vez mais na alma de muitos jovens romanos

4. Enquanto, no decurso desta celebração, abraçamos na oração a inteira comunidade citadina, quereria dirigir uma saudação cordial ao caro Cardeal Ruini, com os seus Bispos Auxiliares, e ao Padre Kolvenbach, Prepósito-Geral da Companhia de Jesus, a cujos Religiosos está confiada a igreja que nos acolhe. A saudação alarga-se depois a todos os habitantes da Cidade. Em primeiro lugar ao Presidente da Câmara Municipal, que também neste ano quis estar presente neste rito para oferecer, em nome da Administração, o tradicional cálice votivo. Saúdo, além dele, os membros da Junta e do Conselho Municipal, que terei a alegria de encontrar no dia 15 de Janeiro próximo, durante a visita ao Capitólio. Saúdo os agentes sociais ao serviço da população e os voluntários empenhados em múltiplas actividades. Uma recordação particular dirige-se a quantos estão em dificuldade e transcorrem, entre contratempos e sofrimentos, estes dias de festa. A todos e a cada um asseguro o meu afectuoso pensamento, corroborado por constante oração. 

Ao concluir o ano de 1997, surge espontânea uma confiante súplica ao Senhor, a fim de que dê o seu Espírito de sabedoria e de fortaleza aos anunciadores do Evangelho e abra o coração, a consciência e a vida de cada um para acolher sem temor o Cristo que vem. Olhando para o ano transcorrido, quereria depois dar graças a Deus, que me concedeu visitar outras comunidades paroquiais, atingindo assim o número global de 265 paróquias, desde o início do meu ministério episcopal em Roma. Também na variedade das condições sociais, encontrei em toda a parte comunidades vivas, desejosas de crescer na fé e no testemunho operoso da caridade cristã. 

Esta rede de paróquias, que abrange o inteiro território da Diocese e se vai completando também nas suas estruturas, em vista do grande Jubileu, representa para a própria cidade de Roma um recurso de inestimável valor. Com efeito, favorece a consolidação de relações sociais marcadas pelo conhecimento recíproco, amizade e a solidariedade. Contribui enormemente tanto para a educação dos meninos e dos jovens como para a capacidade moral das famílias, o acolhimento dos marginalizados, o cuidado das pessoas sozinhas e sofredoras. 

5. Cada comunidade paroquial, como toda a forma específica de pastoral diocesana, para bem funcionar, tem necessidade do serviço generoso e fiel dos sacerdotes. Agradeço, portanto, ao Senhor ter podido ordenar, no domingo 20 de Abril passado, trinta novos sacerdotes para a nossa Diocese.

O Seminário Romano, juntamente com os outros Seminários nos quais é preparado o clero da nossa Diocese, oferece, pela graça do Senhor, um qualificado itinerário formativo em que a seriedade dos estudos é acompanhada por uma intensa vida de oração e um empenho de uma autêntica comunhão fraterna. Enquanto encorajo os responsáveis pela formação a continuarem no seu trabalho meritório, o meu pensamento dirige-se antes de tudo ao Cardeal Ugo Poletti, que o Senhor chamou a Si no dia 25 de Fevereiro deste ano. Recordamo-lo hoje, renovando a nossa gratidão a Deus pelo bem que, através dele, realizou nesta Igreja e nesta Cidade. E com o Cardeal Poletti confiamos ao Senhor os outros sacerdotes falecidos no decorrer do ano, entre os quais o caríssimo Monsenhor Luigi Di Liegro. O testemunho e a obra de sacerdotes que dedicaram a vida a Deus e aos irmãos representam uma herança e um exemplo precioso para o clero e para a inteira comunidade diocesana. 

Outro motivo de profunda gratidão ao Senhor é o sensível aumento das vocações sacerdotais, que deixa bem esperar quanto ao futuro da nossa comunidade. Exprimo, aqui, os votos por que também para as vocações à vida consagrada, e especialmente para as vocações religiosas femininas, se possa registrar um aumento análogo, rico de promissores frutos apostólicos para todos. E isto acontecerá, estou certo, se sacerdotes e comunidades paroquiais tiverem ao seu lado o trabalho generoso que, neste sentido, está a ser realizado pelos Institutos de Vida Consagrada.

6. Caríssimos Irmãos e Irmãs! Detivemo-nos a considerar alguns aspectos daquilo que Deus realizou neste ano na nossa Diocese. Ao dirigir o olhar para os meses transcorridos, surge natural o desejo de pedir perdão e de dar graças a Deus: pedir perdão pelas culpas cometidas e pelas faltas e carência registradas, confiando tudo à misericórdia divina; e, depois, dar graças por quanto Deus nos concedeu cada dia. Por isto cantamos o Te Deum: louvamos a Deus e damos-Lhe graças pelo bem que nos concedeu e que assinalou os vários momentos do ano, já no seu termo:

Salvum fac populum tuum,
Domine, et benedic hereditati tuae...
Per singulos dies benedicimus te;
et laudamus nomen tuum in saeculum,
et in saeculum saeculi
.

Amém!

 

  © Copyright 1997 - Libreria Editrice Vaticana

 

top