The Holy See
back up
Search
riga

HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II
 NA NA MISSA CELEBRADA NA PARÓQUIA
ROMANA DE SANTA TERESA DO MENINO JESUS

Domingo, 21 de Março de 1999

   

1. «Eu sou a ressurreição e a vida. Quem acredita em Mim, mesmo que morra, viverá. E todo aquele que vive e acredita em Mim nunca morrerá» (Jo 11, 25-26; Aclamação ao Evangelho).

Podemos imaginar a admiração que um anúncio como este causou nos ouvintes, que pouco depois puderam constatar a verdade das palavras de Jesus quando, com a Sua ordem, Lázaro, que estava sepultado havia quatro dias, saiu vivo do sepulcro. Uma confirmação ainda mais clamorosa da extraordinária afirmação, Jesus dá-la-á mais tarde quando, com a própria ressurreição, alcançará a vitória definitiva sobre o mal e a morte.

O que o profeta Ezequiel tinha indicado muitos séculos antes, dirigindo-se aos israelitas exilados na Babilónia: «Colocarei em vós o Meu espírito e revivereis» (Ez 37, 14), tornar-se-á realidade no Mistério pascal e será apresentado pelo Apóstolo Paulo como núcleo fundamental da nova vida dos crentes: «Uma vez que o Espírito de Deus habita em vós, já não estais sob o domínio dos instintos egoístas, mas sob o Espírito» (Rm 8, 9).

Não consiste precisamente nisto a actualidade da mensagem evangélica? Numa sociedade, na qual emergem sinais de morte, mas ao mesmo tempo se adverte uma profunda necessidade de esperança de vida, a missão dos cristãos consiste em proclamar Cristo, «ressurreição e vida» do homem. Sim, perante sintomas de uma ignóbil «cultura de morte», ainda hoje deve ecoar a grande revelação de Jesus: «Eu sou a ressurreição e a vida».

2. Caríssimos Irmãos e Irmãs de Santa Teresa do Menino Jesus em Panfilo! Sinto-me feliz por estar hoje convosco, prosseguindo a minha visita pastoral às paróquias da nossa Diocese.

Saúdo cordialmente o Cardeal Vigário, o Bispo Auxiliar do Sector, o vosso Pároco, Padre Francesco Pacini, e os religiosos Carmelitas Descalços que colaboram na orientação da Paróquia. Depois, o meu pensamento dirige-se às religiosas, aos membros do Conselho pastoral e a quantos aderem aos vários âmbitos da pastoral paroquial.

Dirijo com afecto o meu pensamento a todas as pessoas que vivem neste bairro. Sobretudo, é-me grato saudar os idosos, que são numerosos, mas também os jovens núcleos familiares que recentemente se transferiram para esta área. A paróquia, que está chamada a ser uma autêntica «família de famílias», seja para eles uma comunidade cada vez mais acolhedora, a fim de os ajudar a realizar a sua vocação ao serviço do Evangelho.

3. Há dois dias celebrámos a Solenidade de São José, Esposo da Bem-aventurada Virgem Maria, Guarda do Redentor e operário. Neste momento, desejaria recordar todos os que transcorreram grande parte do dia a trabalhar nas diversas Instituições presentes neste bairro: o Poligráfico do Estado, a E.N.E.L., o Liceu Estatal «Vitório Alfieri», e os numerosos escritórios e sedes diplomáticas. Sei que, no âmbito da Missão da Cidade, na qual participais também vós de maneira activa e por isso me congratulo convosco, a vossa Comunidade paroquial tornou-se muito mais atenta às exigências dos diversos ambientes e procura projectar e propor adequadas iniciativas de formação e de oração, nos momentos mais oportunos, para quantos estão empenhados durante todo o dia em actividades produtivas.

É tarefa dos crentes «ser presença» activa e evangelizadora nos lugares de trabalho. Quando se reúnem na paróquia para rezar juntos e crescer na fé, eles são chamados depois a tornar-se fermento de renovação espiritual nos lugares de trabalho. A sua tarefa é ser apóstolos dos seus irmãos, dirigindo-lhes o convite evangélico «vinde ver» (cf. Jo 1, 46) e ajudando-os a redescobrir e a viver com maior convicção os valores cristãos.

A propósito da Missão da Cidade, não podemos deixar de confiar o seu futuro caminho à Padroeira desta Paróquia, Santa Teresa do Menino Jesus, que vós familiarmente chamais Teresinha. Ela viveu de forma veemente a tensão missionária dentro dos muros do Carmelo, de tal forma que foi proclamada Padroeira das Missões. Juntamente com a Missão da Cidade, confiamos-lhe também as «missões ad gentes» da Diocese de Roma e todos os missionários romanos, que foram a muitas partes do mundo para difundir de maneira generosa a semente evangélica.

4. A vida e a mensagem espiritual de Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face, que tive a alegria de proclamar Doutora da Igreja no dia 19 de Outubro de 1997, é muito eloquente para a Igreja do nosso tempo. Penso, por exemplo, no que pode ensinar aos numerosos fiéis que, de todo o mundo, se preparam para vir em peregrinação a Roma, durante o Ano Santo. Também Teresa de Lisieux veio em peregrinação a Roma em 1887. Precisamente nesta Igreja está conservado, entre as suas relíquias, o véu que ela trazia por ocasião da Audiência pontifícia, na qual pediu e lhe foi concedido pelo Papa Leão XIII entrar no Carmelo com apenas 15 anos.

A jovem Teresa entusiasmou-se ao descobrir Roma, «cidade-santuário», que reúne numerosos testemunhos de santidade e de amor a Cristo. Além disso, Teresa soube exprimir e sintetizar na sua experiência mística o próprio centro da mensagem relacionado com o próximo Jubileu: isto é, o anúncio da misericórdia de Deus Pai e o convite a confiar-nos totalmente a Ele, que vem ao encontro de todos e a todos quer salvar mediante a Cruz de Cristo.

5. Depois, Santa Teresa recorda-nos o entusiasmo e a generosidade dos jovens. O facto de se entregar continuamente ao amor misericordioso de Deus tornou a sua juventude mais jubilosa e luminosa. Queridos jovens desta paróquia e jovens de toda a Diocese, com os quais terei a alegria de me encontrar no Vaticano na próxima quinta-feira, desejo que possais alcançar a simplicidade de coração e a santidade da «jovem» Teresa, a fim de experimentardes a sua confiança na providência misericordiosa de Deus. Não são precisamente os jovens que sentem de forma mais marcada a necessidade de serem acolhidos, amados e perdoados? A vós, queridos jovens e moças, desejo recordar mais uma vez que só em Deus podemos encontrar a fonte que sacia qualquer tipo de sede de amor e de verdade presente no nosso coração. Faço votos por que possais conhecer o fascínio deste amor divino e vivê-lo no vosso dia-a-dia.

Caríssimos paroquianos, ao vir até vós eu perguntava-me porque é que no letreiro da vossa paróquia ao nome de Santa Teresa do Menino Jesus foi acrescentada a expressão «em Panfilo». Porque – e vós sabei-lo bem – debaixo do Altar-Mor encontra-se o túmulo de São Panfilo, mártir romano do terceiro século. Este venerado sepulcro faz parte duma ampla rede de galerias cemiteriais e de monumentos cristãos de beleza rara. O testemunho de São Panfilo e dos numerosos mártires da Igreja de Roma nos sirva de encorajamento e de estímulo para testemunhar com coragem a nossa fidelidade a Cristo.

6. Repitamos com o Evangelista: «Sim, Senhor. Eu acredito que Tu és o Messias, o Filho de Deus que devia vir a este mundo» (Jo 11, 27). Como Marta, a irmã de Lázaro, também nós queremos hoje renovar a nossa fé em Jesus e a nossa amizade a Ele. Através da Sua morte e ressurreição é-nos comunicada a vida plena no Espírito Santo. É a vida divina que pode transformar a nossa existência em dom de amor a Deus e aos irmãos. Santa Teresa do Menino Jesus e São Panfilo mártir nos sirvam de auxílio com o seu exemplo e a sua intercessão, para que, como rezámos no início da Celebração eucarística, possamos «viver e agir sempre com aquela caridade que levou o Filho de Deus a dar a vida por nós» (Colecta).

Amém!

© Copyright 1999 - Libreria Editrice Vaticana     

  

top