The Holy See
back up
Search
riga

SOLENIDADE DA SANTÍSSIMA MÃE DE DEUS
XXXVI DIA MUNDIAL DA PAZ

HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II

1 de Janeiro de 2003

 

1. "Que o Senhor te abençoe e te proteja... que o Senhor dirija o Seu olhar para ti e te conceda a paz! (Nm 6, 24. 26):  esta é a bênção que, no Antigo Testamento, os sacerdotes pronunciavam sobre o povo eleito nas grandes festas religiosas. A Comunidade eclesial volta hoje a ouvi-la, enquanto pede ao Senhor que abençoe o novo ano que agora iniciamos.

"Que o Senhor Te abençoe e te proteja". Perante os acontecimentos que perturbam o Planeta, aparece com clareza que só Deus pode tocar o espírito humano na sua profundidade; só a sua paz pode voltar a dar esperança à humanidade. É preciso que Ele volva para nós o seu rosto, nos abençoe, nos proteja e nos dê o dom da sua paz.

Por isso, é muito oportuno começar o novo ano pedindo-Lhe este dom tão precioso. Façamo-lo por intercessão de Maria, Mãe do "Príncipe da paz".

2. Nesta solene celebração, sinto-me feliz por dirigir a minha respeitosa saudação aos ilustres Senhores Embaixadores do Corpo diplomático acreditado junto da Santa Sé. A minha afectuosa saudação vai, depois, para o meu Secretário de Estado e para os outros Responsáveis dos Dicastérios da Cúria Romana, com um pensamento particular para o novo Presidente do Pontifício Conselho da Justiça e da Paz. Desejo manifestar-lhes o reconhecimento pelo seu empenho de todos os dias em favor de uma pacífica convivência entre os povos, segundo as linhas das Mensagens para a Jornada Mundial da Paz. A Mensagem deste ano evoca a Encíclica Pacem in terris, no quadragésimo aniversário da sua publicação. O conteúdo deste notável e histórico documento do Papa João XXIII constitui "um compromisso permanente" para os crentes e para os homens de boa vontade neste nosso tempo sobrecarregado de tensões, mas também cheio de tantas atitudes positivas.

3. Quando foi escrita a Pacem in terris, perfilavam-se nuvens ameaçadoras no horizonte mundial e sobre a humanidade pairava o pesadelo de uma guerra atómica.

O meu venerado Predecessor, que tive a alegria de elevar às honras dos altares, não se deixou vencer pela tentação do desânimo. Pelo contrário, apoiando-se numa sólida confiança em Deus e na potencialidade do coração humano, indicou com força "a verdade, a justiça, o amor e a liberdade" como os "quatro pilares" sobre os quais construir uma paz duradoura (cf. Mensagem citada, nº 3).

O seu ensinamento permanece actual. Hoje como então, apesar dos graves e repetidos atentados contra a serena e solidária convivência dos povos, a paz é possível e necessária. Assim, a paz é um bem precioso a pedir a Deus e a construir com todo o esforço, mediante gestos concretos de paz, da parte de todos os homens e mulheres de boa vontade (cf. Mensagem citada, nº 9).

4. A página evangélica, que há pouco escutámos, conduziu-nos em espírito a Belém, onde os pastores se dirigiram para adorar o Menino na noite de Natal (cf. Lc 2, 16). Como não dirigir o olhar com apreensão e dor para aquele lugar santo onde nasceu Jesus?

Belém! A Terra Santa! A dramática e persistente tensão em que se encontra esta região do Médio Oriente, torna mais urgente a procura de uma solução positiva do conflito fratricida e insensato, que há demasiado tempo a está a ensanguentar. É necessária a cooperação de todos os que crêem em Deus, conscientes de que a autêntica religiosidade, longe de pôr os indivíduos e os povos em conflito entre si, antes os impele a construir, em conjunto, um mundo de paz.

Quis recordá-lo com vigor na Mensagem para esta Jornada Mundial da Paz:  "a religião possui uma função vital para suscitar gestos de paz e consolidar condições de paz". E acrescentei que "ela pode desempenhá-la de forma tanto mais eficaz quanto mais decididamente se concentrar naquilo que lhe é próprio:  a abertura a Deus, o ensino da fraternidade universal e a promoção duma cultura solidária" (Mensagem citada, nº 9).

Perante os conflitos de hoje e as tensões ameaçadoras do momento, mais uma vez convido a rezar a fim de que sejam procurados "meios pacíficos" de entendimento,  inspirados  por "uma vontade  de  acordo,  leal  e  construtiva", de harmonia  com  os  princípios do direito internacional (cf. Mensagem citada, nº 8).

5. "Deus enviou o Seu Filho, nascido de mulher, nascido sujeito à Lei, ...para que recebêssemos a adopção de filhos" (Gal 4, 4-5). Na plenitude do tempo, recorda São Paulo, Deus mandou ao mundo um Salvador, nascido de mulher. O novo ano abre-se, portanto, sob o sinal de uma mulher, sob o sinal de uma mãe:  Maria.

No prolongamento espiritual do Grande Jubileu, do qual ainda não se apagaram os ecos, quis proclamar, em Outubro passado, o Ano do Rosário. Depois de ter ter proposto de novo e com vigor Cristo como único Redentor do mundo, desejei que este ano fosse assinalado por uma particular presença de Maria. Na Carta apostólica Rosarium Virginis Mariae escrevi que "o Rosário é, por natureza, uma oração orientada para a paz, precisamente porque consiste na contemplação de Cristo, Príncipe da paz e "nossa paz" (Ef 2,14). Quem assimila o mistério de Cristo e o Rosário visa isto mesmo apreende o segredo da paz e dele faz um projecto de vida" (40).

Seja Maria a ajudar-nos a descobrir o rosto de Jesus, Príncipe da Paz. Que Ela nos defenda e nos acompanhe neste novo ano:  e obtenha para nós e para o mundo inteiro o desejado dom da paz.

Louvado seja Jesus Cristo!

 

 

  © Copyright 2003 - Libreria Editrice Vaticana

 

top