The Holy See
back up
Search
riga

CONCELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA
PARA A PROCLAMAÇÃO DE SEIS BEATOS

HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II

Domingo, 25 de Abril de 2004

 

1. "Bem sabiam que era o Senhor" (Jo 21, 12): o evangelista João expressa desta forma a reacção de alegria dos discípulos ao reconhecerem o Senhor ressuscitado. Jesus manifesta-se-lhes depois de uma noite de trabalho difícil e infrutuoso no lago de Tiberíades. Confiando na sua palavra, eles lançam as redes à água e trazem para as margens uma "grande quantidade de peixes" (Jo 21, 6).

Como os apóstolos, também nós ficamos admirados perante a riqueza das maravilhas que Deus realiza no coração de quantos têm confiança nele. Durante esta Celebração eucarística contemplamos tudo o que Ele realizou nos seis novos Beatos: no presbítero Augusto Czartoryski; em quatro religiosas: Laura Montoya, Maria Guadalupe García Zavala, Nemésia Valle, Eusébia Palomino Yenes; e numa leiga, Alexandrina Maria da Costa. São exemplos eloquentes do modo como o Senhor transforma a existência dos crentes, quando têm confiança n'Ele.

2. "Como são amáveis as tuas moradas, ó Senhor do universo! A minha alma suspira e tem saudades dos átrios do Senhor... Um dia em teus átrios vale por mil" (Sl 84, 2.11). O beato Augusto Czartoryski escreveu estas palavras do Salmo como lema de vida sobre a pequena imagem da primeira Missa. Nelas está contido o arrebatamento de um homem que, seguindo a voz da chamada, descobre a beleza do ministério sacerdotal. Ressoa nelas o eco das diversas opções que deve fazer quem descobre a vontade de Deus e deseja cumpri-la. Augusto Czartoryski, jovem príncipe, elaborou um método eficaz de discernimento dos desígnios divinos. Apresentava a Deus na oração todas as perguntas e perplexidades principais e, depois, em espírito de obediência seguia os conselhos dos seus guias espirituais. Compreendeu assim a sua vocação de empreender a vida pobre para servir os mais pequeninos. O mesmo método permitiu-lhe, ao longo de toda a sua vida, realizar tais opções, podendo nós hoje dizer que ele realizou os desígnios da Providência Divina de maneira heróica.

Desejo deixar o exemplo da sua santidade sobretudo aos jovens, que hoje procuram a maneira para decifrar a vontade de Deus em relação à sua vida e desejam comportar-se todos os dias em fidelidade à palavra divina. Meus queridos jovens amigos, aprendei do beato Augusto a pedir ardentemente na oração a luz do Espírito Santo e guias sábias, para que possais conhecer o plano divino na vossa vida e sede capazes de caminhar sempre pelos caminhos da santidade.

3. "Ao romper do dia, Jesus apresentou-se na margem, mas os discípulos não sabiam quem era Ele" (Jo 21, 4). É possível que o homem não conheça o Senhor, apesar das numerosas manifestações ao longo da história. A Madre Laura Montoya, ao ver como viviam tantos indígenas, longe dos centros urbanos, desconhecendo Deus, dedicou-se a fundar a Congregação das Missionárias de Maria Imaculada e de Santa Catarina de Sena, para levar a luz do Evangelho aos habitantes das florestas.

Esta Beata colombiana sentiu-se mãe espiritual dos indígenas, aos quais quis mostrar o amor de Deus. Os seus tempos não foram fáceis, porque as tensões sociais ensanguentavam também naquela época a sua nobre pátria. Inspirando-nos na sua mensagem pacificadora, pedimos-lhe hoje que a amada Colômbia goze depressa da paz, da justiça e do progresso integral.

4. Escutámos no Evangelho a tríplice pergunta que Jesus fizera a Pedro: "Tu amas-Me?". Cristo faz esta mesma pergunta aos homens e mulheres de todas as épocas. Os cristãos devem responder com firmeza e prontidão aos projectos que Ele tem para cada um. Aconteceu assim na vida da Beata Maria Guadalupe García Zavala, mexicana, que ao renunciar ao matrimónio, se dedicou ao serviço dos mais pobres, dos necessitados e dos enfermos, e por isso fundou a Congregação das Servas de Santa Margarida Maria e dos Pobres.

Com fé profunda, uma esperança sem limites e um grande amor a Cristo, a Madre Lupita procurou a própria santificação partindo do amor ao Coração de Jesus e da fidelidade da Igreja. Desta forma viveu o lema que deixou às suas filhas: "Caridade até ao sacrifício e constância até à morte".

5. "Manifestar o amor de Deus aos pequeninos, aos pobres, a cada homem, em todas as partes da terra": foi este o compromisso da beata Nemésia Valle durante toda a sua existência. Ela deixa este ensinamento particularmente às suas co-irmãs, as Irmãs da Caridade de Santa Joana Antida Thouret, assim como aos fiéis da Arquidiocese de Turim. Trata-se do exemplo de uma santidade luminosa, finalizada para o alto vértice da perfeição evangélica, e que se traduz nos simples gestos da vida quotidiana dedicada totalmente a Deus.

A nova Beata continua a repetir a todos nós: "A santidade não consiste em fazer muitas coisas ou em fazer coisas grandes... Santo é quem se consome todos os dias no seu lugar de trabalho, pelo Senhor".

6. O Senhor diz a Pedro de modo decidido e incisivo: "Segue-Me". Também a Irmã Eusébia Palomino Yenes, das Filhas de Maria Auxiliadora, ouviu a chamada de Deus e respondeu com uma intensa espiritualidade e profunda humildade na sua vida quotidiana. Como boa salesiana, foi animada pelo amor à Eucaristia e à Virgem. Importante para ela era amar e servir; o resto não tinha importância, fiel ao lema salesiano do "da mihi animas, caetera tolle".

Com a radicalidade e a coerência das suas opções, a Irmã Eusébia Palomino Yenes delineia um caminho de santidade fascinante e exigente para todos nós e, de modo especial, para os jovens do nosso tempo.

7. "Tu amas-Me?" pergunta Jesus a Simão Pedro. Ele responde: "Tu sabes tudo, Senhor, bem sabes que Te amo". A vida da Beata Alexandrina Maria da Costa pode resumir-se neste diálogo de amor. Investida e abrasada por estas ânsias de amor, não quer negar nada ao seu Salvador: de vontade forte, tudo aceita para mostrar que O ama. Esposa de sangue, revive misticamente a paixão de Cristo e oferece-se como vítima pelos pecadores, recebendo a força da Eucaristia que se torna o único alimento dos seus últimos treze anos de vida.

Pela esteira da Beata Alexandrina, expressa na trilogia "sofrer, amar, reparar", os cristãos podem encontrar estímulo e motivação para nobilitar tudo o que a vida tenha de doloroso e triste com a prova maior de amor: sacrificar a vida por quem se ama.

8. "Sim, Senhor, Tu sabes que eu sou deveras teu amigo" (Jo 21, 15). Como Pedro, como os Apóstolos nas margens do lago de Tiberíades, também estes novos beatos fizeram sua, levando-a até às extremas consequências, esta simples mas incisiva profissão de fé e de amor. O amor a Cristo é o segredo da santidade!

Caríssimos Irmãos e Irmãs, sigamos o exemplo destes Beatos! Ofereçamos, como eles, um testemunho coerente de fé e de amor na presença viva e operante do Ressuscitado!

 

© Copyright 2004 - Libreria Editrice Vaticana

 

top