The Holy See
back up
Search
riga

CARTA DE JOÃO PAULO II
AO BISPO DE LEIRIA
POR OCASIÃO DA PEREGRINAÇÃO
AO SANTUÁRIO DE FÁTIMA

 

Ao Venerável Irmão Alberto Cosme Do Amaral
Bispo de Leiria 

ESTÁ PRESTES a realizar-se, a 13 de Maio próximo, mais uma grande peregrinação ao Santuário de Fátima, cujo programma me foi grato conhecer. Acedo, deste modo simples, ao desejo que quis manifestar-me: de o novo Sucessor de São Pedro, no primeiro ano do seu Pontificado, afirmar a sua presença espiritual aos numerosos peregrinos de Portugal e do mundo, que vão congregar-se nesse locai abençoado. 

Em sintonia com essa assembleia orante, pois, quero desejar aos Pastores, sacerdotes, religiosos e religiosas e amados fiéis peregrinos a Fátima, cordialmente, que a graça e a paz sejam abundantes em todos, pelo conhecimento íntimo de Deus e de Jesus Cristo, nosso Senhor. Irão venerar a Mãe da Igreja e, na luz do Seu irradiante exemplo e pelos Seus méritos e intercessão, aí irão adorar a Deus, oferecer-Lhe expiação, tornar propícia a Sua misericórdia e implorar a sua assistência e graças para a Igreja e para a humanidade. Quereria compartilhar, de algum modo, e estimular um tal anelo que os leva a unir-se com Maria Santíssima, Mãe do verdadeiro Deus e Mãe nossa, e a confiar no amor materno que Ela inseriu no mistério da Redenção e na vida da Igreja; a isso impele uma profunda necessidade de fé, de esperança e de caridade na hora que vivemos. 

Estamos, de facto, nume hora radiosa de esperanças, em que a Igreja sente encontrar-se bem próxima do homem, real e intimamente ligada ao género inumano e à sua história; mas é uma hora também cheia de responsabilidade, em que a mesma Igreja sente ainda mais ser-lhe indispensável uma profunda ligação com Cristo, Redentor do homem. 

E então, “que havemos de fazer, irmãos?”. A esta pergunta, formula da outrora a São Pedro, responde o seu humilde Sucessor com a sua mesma palavra: “Convertei-vos...”.  E converter-se, sabemo-lo – e está no centro da mensagem de Fátima – é empenho contínuo em buscar e testemunhar o “ conhecimento íntimo de Deus e de Jesus Cristo, nosso Senhor ”, caminho para a vide eterna, que passa necessariamente pela penitência e pela oração, de que a Igreja nos dias de hoje sente, mais do que a necessidade, o imperativo categórico. 

Por isso, “ peregrino ” com os peregrinos de Fátima, exorto-os a rezarem a Maria, por Maria e com Maria, a santa Mãe de Deus, Mãe da Igreja e auxílio dos cristãos, confiantes na sua plenitude de graça, protestando-Lhe amor filial e devoção sincera, com base num propósito de fidelidade a Cristo, de fidelidade à Igreja e de fidelidade aos homens-irmãos. E que seja Nossa Senhora, advogada nossa, a apresentar a Deus as súplicas que convido a fazer, em união com Cristo “ o Mediador entre Deus e os homens ”:  

– pela harmonia na nossa santa Igreja católica, a viver e a testemunhar o mistério da Redenção a todos aqueles que Cristo abraçou e abraça continuamente, com amor inexaurível; 

– pela santificação de todo o Povo de Deus – ministros sagrados, pessoas consagradas, famílias, juventude e infância – a fim de que haja vocações para a consagração ao serviço do Reino e ao testemunho evangélico da caridade; 

– pela paz, pela justiça e pela fraternidade entre os homens e entre os povos, e pelos sem lar, sem pão, sem liberdade religiosa, sem amor e sem esperança, sobretudo pelos mais pequeninos, neste Ano Internacional da Criança; 

– e por todos e cada um dos peregrinos reunidos nesse Santuário, pelos seus entes queridos, pelas suas terras e pelas suas pátrias: para que o Senhor a todos conforte, proteja e abençoe. 

É com estes votos e com o coração em prece que, em penhor de abundante graça e paz, a todos abençoo em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.

Vaticano, 28 de Abril de 1979. 

IOANNES PAULUS PP. II 

   

top