The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AOS PARTICIPANTES NO CURSO
PARA JUÍZES DE TRIBUNAIS ECLESIÁSTICOS

13 de Dezembro de 1979

 

Dilectíssimos filhos

1. Com grande alegria vos recebemos a todos — Juízes e outros Oficiais dos tribunais, e também os Professores e os outros mestres deste 7.° curso de Renovação —, aos quais saudamos com ânimo paternal, satisfazendo deste modo o vosso desejo de «ver Pedro», e o Nosso de falar sinceramente convosco.

2. Muito estimamos sempre a função da Justiça, cuja importância e autoridade vão crescendo dia a dia. Por isso, seguindo o exemplo do Nosso venerando Predecessor Paulo VI, que várias vezes se dirigiu aos participantes neste curso de Renovação, queremos começar por fazer o mesmo e usando as suas mesmas palavras. Com Ele «ao mesmo tempo confessamos ter-nos dado muito prazer que tais pessoas, cultoras do direito canónico como sois, vindas das várias regiões da terra, tivessem participado neste Curso com tanto empenho e aplicação. Ter assim acontecido é justificação da confiança que temos no vosso Instituto, criado em boa hora junto da Nossa Universidade Gregoriana, o qual vemos, não sem consolação paterna, aumentar cada vez mais a sua eficácia» (Alocução de Paulo VI aos participantes no III Curso de Renovação Canónica para os Juízes e outros Oficiais dos Tribunais, no dia 14 de Dezembro de 1974, AAS 66, 1974, 10).

3. Apraz-nos, além disso, aprovar e louvar nesta ocasião o novo curso desta Faculdade de Direito canónico, que recentemente instituiu um especial doutoramento em jurisprudência para melhor fomentar a aplicação da justiça. É justo apoiar tal esforço com uma palavra de louvor e formular votos paternais por que tenham bom resultado este ensino e esta prática de Jurisprudência especializada.

4. Seja-Nos finalmente permitido inculcar nos vossos espíritos este santo princípio: o vosso cargo e exercício da justiça é verdadeiramente sacerdotal e pastoral, como também Paulo VI, de veneranda memória, afirmou. Vós sois «sacerdotes da justiça», pois na vossa nobre actividade brilha a luz de Deus, que é a justiça completa, e o vosso cargo de juízes eclesiásticos muito ajuda os membros do Povo de Deus que se encontram em dificuldades (Alocução à Sagrada Rota Romana, a 17-2-1979, AAS 71, 1979, 422-427. Ver na p. 423 a citação de Paulo VI e também AAS 57, 1967, 234; Alocução à Sagrada Rota Romana, a 8-2-1973, AAS 65, 1973, 101).

5. Nisto, não se consegue porém verdadeira eficácia se o Direito canónico não for aplicado no mistério da Igreja (Cfr. Decr. do Conc. Vat. II «Optatam totius» 16 a.) , se não for cultivado como elemento da vida eclesial, se não se encontrar ao serviço do homem remido, se não for proposto com o objectivo de aumentar o sentido da dignidade humana nem for reconhecido na sua natureza própria. Na verdade, o Direito da Igreja não é apenas sinal da justiça humana mas também manifestação da vida mais alta em Cristo, de maneira que toda a justiça canónica brilhe pela caridade, como também a própria equidade canónica é fruto da benignidade e da caridade.

6. Esta divina caridade, regeneradora do homem remido, revela e ilumina o verdadeiro aspecto do homem. Porque o homem, criado por Deus, é elevado até Deus, para se conhecer a si mesmo em Deus e exprimir a imagem d'Ele no amor da Santíssima Trindade. Tudo isto, que a fé viva melhor penetra, deve brilhar na vida da Igreja, mesmo no vosso ministério. Que seria o direito da Igreja sem a caridade, que seria a justiça sem a tutela dos direitos, que seria a tutela dos direitos senão coisa vã, se não fosse aplicação verdadeira e eficaz dos direitos? Que se deve hoje desejar mais, ao lado das solenes declarações dos direitos fundamentais, senão o pleno reconhecimento dos mesmos? Que se deve mais ambicionar do que a verdadeira e sincera aplicação deles?

7. Esta tutela dos direitos muito se deve estimar, sobretudo neste nosso tempo em que a Igreja parece ser a única tutora do homem remido. «Cristo Redentor ... revela plenamente o homem ao próprio homem. Esta é— se assim é lícito exprimir-nos — a dimensão humana do mistério da Redenção» (Carta Encicl. «Redemptor Hominis», 274).

8. Esta verdade do homem remido deve ser conservada e protegida sobretudo no matrimónio cristão e na família cristã. Vós, sobretudo, sois tutores deste matrimónio sagrado; vós que não permitis quebrar-se o vínculo do amor indissolúvel, que pretendeis conservar o consentimento do amor, que defendeis os matrimónios válidos, que honrais os matrimónios fecundos e mantendes os cônjuges na fidelidade para não verdes os filhos dispersos e abandonados.

9. Seja este o serviço por vós prestado à justiça, que é espelho da caridade divina. Com efeito, Deus encerrou no matrimónio estas relações de amor, pelas quais o amor mútuo vê e reconhece, no próprio fruto do amor, a sua qualidade ternária. Pois à Sua imagem criou Deus o homem, Ele os criou homem e mulher (Gén. 1, 27), aos quais disse crescei e multiplicai-vos (Gén. 1, 28). Ninguém destrua esta unidade do amor, porque o que Deus uniu não o separe o homem Mt. 19, 6. , e aqueles que gerou o amor mútuo ninguém os abandone, se vierem a ficar sem os pais. Este sacramento é grande, porque é revelação da vida divina: por meio dele é o homem constituído imagem de Deus (Gén. 1, 26).

10. A dignidade do matrimónio está entregue, como dever especial, a vós, administradores da justiça divina, para que se mantenha sem mancha, para que a Igreja sempre descubra em tão grande sacramento uma imagem da sua vida, desta que torna Cristo esposo da Igreja (Ef. 5, 25-33).

 Tudo isto, filhos caríssimos, quisemos dizer com muito amor e breves palavras, para vos animar, a subir na energia do vosso serviço eclesial e também no mérito do vosso cargo. Tudo isto confirmamos com a Nossa Bênção Apostólica e esperançados o colocamos nas mãos de Deus todo-poderoso.

 

top