The Holy See
back up
Search
riga

  DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
 NA CONCLUSÃO DOS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS

Sábado, 10 de Março de 1979

 

Queridos Irmãos!

Desejamos, neste momento, exprimir juntos sobretudo a nossa gratidão a Cristo Senhor que, nos dias passados, nos reuniu neste lugar, na capela vaticana de Santa Matilde, onde o Papa e os seus Colaboradores mais próximos participaram nos Exercícios Espirituais da Quaresma. Estes Exercícios constituem para nós um tempo particular da graça de Deus. Constituem o dom quaresmal que o nosso Senhor e Mestre nos preparou, Eles são-nos indispensáveis; as nossas almas atendiam-nos com grande desejo. No meio dos múltiplos trabalhos, no meio dos deveres importantes a que nos dedicámos, cada um de nós aprecia de modo particular os dias que nos permitem pensar exclusivamente nos problemas mais essenciais e aplicar, em certo sentido, a todos os outros acontecimentos de que é composta a nossa vida quotidiana, a medida mais profunda que é o próprio Cristo.

O nosso Padre pregador dos Exercícios procurou em primeiro lugar apresentar-nos Cristo. Estamos-lhe por isso, cordialmente gratos, e eu mesmo exprimo esta gratidão em nome de todos os Participantes. O Padre moderador pôs-se, juntamente connosco, as questões fundamentais, poderíamos dizer, as questões eternas: pô-las de forma antiga, mas contudo sempre actual e nova. Estas interrogações, com efeito, não perdem nunca a sua actualidade, não caducam nunca e nós ouvimo-las sempre como problemas novos e originais. Cur Deus homo? Cur Deus panis? O Padre pregador destes Exercícios delineou os grandes temas da nossa fé, da nossa vida, do nosso ministério, esclarecendo-os com as suas próprias experiências pastorais e referindo-se aos aspectos característicos do nosso tempo. Deixou espaço para a reflexão de cada um. Foi sincero com os que o escutámos. Seguia a grande corrente do pensamento e da vida da Igreja contemporânea, mantendo-se contudo sempre neste lugar concreto, que era o nosso "cenáculo" de Exercícios espirituais com os homens que nele se reuniram, isto é, connosco.

Toda a obra humana é à medida do homem. Na obra dos Exercícios Espirituais a coisa mais importante é sempre esta: que o homem seja um mensageiro fiel. Precisamente como disse, na primeira tarde, o nosso Padre moderador, referindo-se ao Angelus: não é o nome deste mensageiro que é importante, isto é, aquilo que conta, mas a própria mensagem.

A coisa mais importante é que esta mensagem atinja o coração, penetre no terreno da alma e trabalhe durante muito tempo neste terreno em que foi lançada, como se lança o grão.

Nisto os nossos desejos se encontram e precisamente com estes votos desejo agradecer ao Reverendo Padre. Estes votos são também para nós, para os Participantes. Cristo Senhor os satisfaça por intercessão da Sua Mãe, para a qual o Reverendo Padre dirigia frequentemente a nossa atenção, referindo-se à figura do Beato Maximiliano Kolbe. Oxalá esta Bênção final se torne para todos nós penhor do cumprimento destes votos que formulamos uns aos outros no fim dos Exercícios Espirituais.

 

© Copyright 1979 - Libreria Editrice Vaticana

 

top