The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AOS REITORES DE COLÉGIOS
ECLESIÁSTICOS ROMANOS

16 de Março de 1979

 

Caríssimos Irmãos!

Na conclusão do vosso Congresso anual, desejastes encontrar-vos com o Papa, para receber a sua palavra de encorajamento e de orientação. Devo dizer-vos que também eu desejei este encontro para vos conhecer pessoalmente, para exprimir a minha viva gratidão pelo delicado ministério que realizais como Reitores dos Colégios Eclesiásticos de Roma, e para vos comunicar, com simplicidade e sinceridade, algumas reflexões.

1. Nestes dois dias de reunião meditastes juntos sobre o tema: «Os nossos jovens no contexto juvenil de hoje», analisando-o nos vários aspectos.

Os alunos dos vossos Colégios — seminaristas ou jovens sacerdotes — provenientes de todos os Continentes, devem ser antes de tudo formados para um profundo sentido da Igreja. Devem amar intensamente a Igreja como Cristo a amou e por ela Se entregou (Cfr. Ef. 5, 25). O Concílio Vaticano II não deixou de inculcar este elemento fundamental para a formação dos sacerdotes: «Os alunos devem deixar-se impregnar do mistério da Igreja ... de modo a darem testemunho da unidade que atrai os homens a Cristo: primeiramente, por um humilde e filial amor ao Vigário de Cristo: depois — uma vez revestidos do sacerdócio — pela sua adesão ao Bispo, como fiéis cooperadores, colaborando em união com seus irmãos no sacerdócio» (Decr. Optatam Totius, 9). Amor à Igreja, nossa Mãe, que se manifesta concretamente numa responsável e activa acção pessoal, a fim de que Ela se mostre e seja sempre gloriosa, sem mancha nem ruga, nem qualquer coisa semelhante, mas santa e imaculada (Ef. 5, 27). Quanto mais os seminaristas e os sacerdotes forem santos, tanto mais santa será a Igreja.

2. Os vossos alunos vêm de todas as partes do mundo para esta cidade de Roma, centro geográfico do Catolicismo. Trazem dentro de si o seu temperamento a sua cultura original, as suas variadas experiências históricas, o seu desejo de se prepararem, na diocese do Sucessor de Pedro, para o ministério futuro, que desempenharão nas próprias dioceses e Nações, depois de se terem enriquecido dos grandes valores religiosos e culturais que a Urbe acumulou durante os séculos e continua a oferecer às almas desejosas de verdade, de bondade e de beleza. A experiência da estadia em Roma é, para um seminarista ou para um jovem sacerdote, um verdadeiro dom da Providência: a visita orante às suas esplêndidas Basílicas, às Catacumbas, aos túmulos dos numerosos Mártires e Santos, aos monumentos da sua plurissecular história, complexa e singular, o estudo especializado nas Universidades Pontifícias, a estadia nos Colégios Eclesiásticos: tudo isto incide profundamente na personalidade e na maturação de um jovem.

Faço votos por que os vossos alunos saibam, com são discernimento, colher e entesourar todos estes elementos para a própria formação humana e sacerdotal. Mas, por outro lado, faço votos por que também Roma saiba sempre oferecer estas riquezas espirituais e não desiluda nunca as expectativas e as esperanças destes jovens e não deforme ou destrua a imagem que dela tinham criado. Oxalá eles possam fazer próprias e repetir, sobre a diocese de Roma, as palavras que, com férvido entusiasmo, lhe dirigia Santo Inácio de Antioquia: «A Igreja amada e iluminada na vontade d'Aquele que quis todas as coisas que existem ..., digna de Deus, de veneração e de louvor» (Santo Inácio de Antioquia, Carta aos Romanos, Introd).

3. Desejo, por fim, fazer sinceros votos por que a vida comum que se pratica nos Colégios Eclesiásticos não se reduza a simples conjunto de relações exteriores, mas se reflicta no espírito, que animava a vida dos Apóstolos e dos primeiros discípulos no Cenáculo: Todos ... se entregavam assiduamente à oração, em companhia de ... Maria, Mãe de Jesus (Act. 1, 14). Pois bem. É precisamente isto que devem ser os Seminários, os Colégios, os Internatos Eclesiásticos de Roma: verdadeiros Cenáculos, nos quais se respire uma vida de oração intensa, pessoal e comunitária; uma vida de caridade mútua, activa e operosa; uma vida de auxílio espiritual recíproco para haver sempre fidelidade à vocação, e aos sagrados compromissos assumidos perante Deus, a Igreja e a própria consciência.

E em vós, Reitores, saibam os jovens descobrir e reconhecer não só o Superior que deve preocupar-se pelo bom andamento, ordenado e disciplinar, de uma casa, mas o guia sereno, o pai, o irmão, o amigo e, sobretudo o Sacerdote, que no seu comportamento irradia a presença de Cristo (Cfr. Gál. 2, 20).

Com estes votos, concedo de todo o coração a vós e aos jovens dos vossos Colégios, uma especial Bênção Apostólica.

 

© Copyright 1979 - Libreria Editrice Vaticana

 

top