The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AO SENHOR HUGO ESCOBAR SIERRA NOVO EMBAIXADOR
 DA COLÔMBIA JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
 DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS

Sexta-feira, 12 de Dezembro de 1980

 

Senhor Embaixador

Ao receber hoje as Credenciais que o acreditam como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da Colômbia junto da Santa Sé, é-me sobremaneira grato dar a Vossa Excelência as minhas boas-vindas mais cordiais.

Quero antes de tudo desejar-lhe, neste dia, contínuo bom êxito no feliz cumprimento da sua alta missão. Sabe Vossa Excelência muito bem que é missão singular, cujo prestigio e credibilidade não estão limitados, como poderia de facto acontecer com outros mandatos de carácter semelhante, à consecução de meros objectivos vantajosos em áreas do poder temporal.

A sua presença aqui reveste significado particular e é portadora de um caudal de valores que fluem de mananciais muito distintos desse âmbito temporal quer dizer, de saber e sentir como entre o seu País e a Igreja — à qual preside na caridade esta Sé Apostólica — teve e continua a ter uma colaboração efectiva, de encontro comum, que tem como centro a pessoa humana e é caracterizada pela actuação dos princípios cristãos ao serviço da mesma.

Foi para mim verdadeiro prazer ouvir as palavras acabadas de pronunciar por Vossa Excelência, que vieram assegurar-me de alguma coisa que, dentro de mim era já uma convicção: que a Igreja não só esteve junto do povo colombiano no seu crescimento histórico, mas se inseriu profundamente na sua alma com a mensagem de salvação pelo amor, dando assim vida e configuração própria ao espírito nacional. Não creio pois arriscado afirmar: quem não compreenda este facto real ou o que seria pior, procurasse desfigurá-lorenunciaria já de antemão a conhecer o substrato profundo, a base cultural de maior solidez, a cristã, capaz de dar expressão às aspirações mais genuínas das gentes da Colômbia.

Isto quer dizer também que, olhando para o futuro, não se pode embaraçar, nem muito menos congelar, essa linfa espiritual e moral, inoculada pela Igreja mediante o seu trabalho evangelizador. Poderão modificar-se sistemas; será necessário empreender reformas e iniciativas adequadas para suprimir diferenças e superar desequilibrios que podem perturbar a consciência da justiça, a solidariedade fraterna, ou a desejada convivência ordenada e pacífica.

No entanto, se se procura realmente uma progressiva maturidade integral da pessoa, deverá ter-se sempre presente a alma, a personalidade interior de um povo, que se foi constituindo historicamente como tal, à medida que se consolidarem contemporaneamente a sua cultura e a sua identidade cristã. Está aí precisamente um dado fixo que, com a sua constância igual a uma grande clarividência que lhes faz honra, souberam manter e corroborar os Próceres colombianos. Além de nociva, seria portanto superficial a exclusiva pretensão de querer misturar essa base fundamental com outras formas de interpretar e avaliar a existência humana ou que se apoiem em ideologias estranhas, incompatíveis com a profissão autêntica da fé ou com a prática da moral cristã.

Dizendo isto, quis pôr em evidência não só o afecto, mas também as grandes esperanças que deponho na Colômbia, de maneira especial nos filhos da Igreja. Afecto e esperanças correspondentes, por sua vez, a uma solicitude não menor por que a Igreja, sempre fiel à sua missão, continue a prodigar-se nessa sua dimensão animadora do homem e da sociedade. São sentimentos que pude comprovar felizmente nos meus encontros com os irmãos no Episcopado, e também como Senhor Presidente da República, Dr. Júlio César Turbay Ayala, de cuja visita conservo excelente recordação e a quem envio daqui a minha respeitosa saudação.

Senhor Embaixador Reiterando os meus melhores votos pelo bom êxito da missão que hoje começa, desejo igualmente assegura-lo das minhas orações por Vossa Excelência, pela sua Família e por toda a amadíssima Nação colombiana.

 

© Copyright 1980 - Libreria Editrice Vaticana

 

top