The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AO SENHOR ANRAWAR SABRI ABDUL RAZZAK
NOVO EMBAIXADOR DO IRAQUE
JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS

Quinta-feira, 18 de Dezembro de 1980

 

Senhor Embaixador

É grande prazer dar as boas-vindas a Vossa Excelência como representante diplomático do seu nobre país. Estou certo que a sua boa vontade e o seu talento contribuirão para reforçar a amizade existente entre a República do Iraque e a Santa Sé. Agradeço os presentes que me trouxe da parte de Sua Excelência o Presidente Saddam Hussain e gostaria de pedir lhe transmita os meus sinceros votos pelo bem-estar próprio e pelo do povo iraqueano.

O favor que no momento presente peço mais fervorosamente a Deus para o seu povo, e para todos os povos da terra, é a graça da paz. A paz é graça fundamental e bênção que tudo abrange. Onde falta a paz, falta um elemento básico da felicidade humana e muitos outros elementos são diminuídos ou destruídos. É graça de tanto valor que devemos estar preparados para sacrifícios a fim de obtê-la ou preservá-la. Beneficia a todos e confere honra àqueles que a procuram, e todos têm o dever de trabalhar por ela com dignidade, mas também com constância e coragem.

Portanto, espero sinceramente que ambas as partes no conflito entre o Iraque e o Irão mostrem real boa vontade para encontrar uma solução baseada na justiça e no mútuo respeito. Insignes estadistas internacionais estão tentando iniciar tais negociações. Creio que serão vitoriosos nos seus esforços. Rezo a fim de que Deus lhes dê força e sabedoria, e prepare os corações de todos os que estão envolvidos no conflito para aceitarem a suprema bênção, que é a paz. Os povos dos dois países, os quais ambos me são caros, procedam de acordo com as palavras "Faz a paz entre irmãos e teme a Deus, que a misericórdia pode-te ser mostrada", e gozem eles a graça e a benevolência do Senhor omnisciente da humanidade.

Os católicos do vosso país estão prontos e preparados de todos os modos a desempenhar a sua parte como cidadãos, uma vez que não há nenhuma contradição entre ser cristão o ser membro leal da sua própria nação, se alguém pertence a uma nação árabe ou a qualquer outro país. Eles desejam contribuir com o melhor da sua capacidade para o progresso material e espiritual, em tempos difíceis para o Iraque bem como em circunstâncias favoráveis. Eu gostaria também de mencionar o valioso, realmente muitas vezes insubstituível, trabalho feito por religiosos e religiosas não-iraqueanos nas várias instituições católicas. Creio que eles serão capazes de continuar esse trabalho não somente para o bem dos seus irmãos cristãos e irmãs, mas também para os outros numerosos cidadãos iraqueanos.

Oxalá todo o povo do Iraque goze brevemente da paz e dos seus benefícios consequentes. Este é o desejo de toda a Igreja católica, que, como eu disse dirigindo-me à Assembleia Geral das Nações Unidas no ano passado, "em todo o lugar do mundo proclama uma mensagem de paz, reza pela paz e educa para a paz".

Evoco a graça divina também sobre Vossa Excelência e a sua própria missão, que possa efectivamente servir a causa da paz.

 

© Copyright 1980 - Libreria Editrice Vaticana

 

top