The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AO SENHOR MIGUEL ANTÓNIO OLAVARRIETA
NOVO EMBAIXADOR DA REPÚBLICA DOMINICANA
JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS

Segunda-feira, 17 de Março de 1980

 

Senhor Embaixador

É com imenso gosto que o recebo hoje, neste acto em que me apresenta as Cartas que o acreditam como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República Dominicana junto da Santa Sé.

Quero, antes de mais, apresentar a Vossa Excelência, como representante da nobre Nação Dominicana, as minhas mais cordiais boas-vindas ao Centro da catolicidade. E asseguro-lhe, desde já, que poderá contar sempre com a minha benévola ajuda no cumprimento da alta missão que lhe foi confiada de cuidar e fomentar as frutuosas relações existentes entre a Sé Apostólica e o seu País.

Com efeito, são muitos e bem profundos — como o declarou Vossa Excelência no seu discurso — os vínculos que desde há séculos unem o povo dominicano à Igreja e que, com o andar dos tempos, se foram plasmando em múltiplas vivências pessoais, em obras de vária índole e em datas com grande significado na existência dos indivíduos, na vida social e na história da Pátria.

Com profundo respeito para com o País e suas instituições, e fiel à sua própria missão, a Igreja continuará com empenho o seu trabalho de esclarecimento das consciências, para que os cidadãos, inspirados nos princípios da ética cristã, os ponham em prática através de uma digna conduta individual e colectiva e fomentem responsavelmente tudo o que promova "a dignidade da pessoa humana, a sua inteira vocação e o bem de toda a sociedade" (Gaudium et Spes, 63).

Senhor Embaixador, são estes os votos que formulo para o seu querido País, que permanece sempre na minha recordação e afecto, sobretudo desde que, percorrendo os caminhos da evangelização do Novo Continente, tive o prazer de o visitar e de experimentar o calor humano e o fervor cristão das suas gentes.

Queira Vossa Excelência transmitir a todos os seus compatriotas, muito particularmente ao Senhor Presidente da Nação, a cordial saudação do Papa e os seus desejos tornados oração, para que sigam sempre por caminhos de paz, de mútuo respeito, de civil progresso na justiça e de fidelidade às leis do Todo-Poderoso. Que Ele os abençoe em todo o momento e, com a Sua protecção, acompanhe Vossa Excelência na missão que agora inicia.

 

© Copyright 1980 - Libreria Editrice Vaticana

 

top