The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AO SENHOR KIM JOA SOO
NOVO EMBAIXADOR DA COREIA
JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
 DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS

Sábado, 7 de Março de 1981

 

Senhor Embaixador

É para mim uma satisfação receber hoje Vossa Excelência como Embaixador da República da Coreia, e aceitar as Credenciais enviadas por Sua Excelência Chum Doo Hwan. Peço-lhe queira transmitir-lhe os meus bons votos pela sua pessoa e pela sua missão, há pouco iniciada como Presidente.

A Coreia é um dos países que me foi impossível visitar durante a minha viagem pastoral na Ásia Oriental, no mês passado. A viagem, por conseguinte, não me deu a oportunidade de mostrar a profunda estima e o afecto que nutro pelo povo coreano, mas sinto-me feliz por ter esta ocasião, imediatamente depois, para expressar os meus calorosos sentimentos para com ele.

No passado, o seu povo mostrou força de carácter mantendo a própria identidade e cultura frente a circunstâncias adversas. Apesar da consequente oposição da parte de muitos a aceitarem qualquer ideia que vem de fora, houve sempre coreanos que souberam reconhecer o que era bom neste campo e o aceitaram. Houve membros do seu povo que introduziram o cristianismo no seu país, sabendo que a mensagem de Jesus não estava em oposição às suas nobres tradições mas, pelo contrário, as exaltaria, e apresentaria o que nelas havia de melhor.

Também hoje o povo coreano se depara com sérias dificuldades na sua tarefa de ser coerente consigo mesmo e de obter um futuro melhor. É-me grato ouvir o autorizado testemunho de Vossa Excelência sobre a lealdade e operosidade dos católicos na Coreia que trabalham por urna sociedade caracterizada pela justiça e o progresso. Precisamente graças à sua adesão ao ensinamento de Cristo, o católico tem profunda consciência do seu dever de levar o próprio contributo para o bem-estar da sociedade a que pertence, empregando os seus talentos para a melhorar. Esta é igualmente a inspiração para as obras de educação e bem-estar das instituições católicas e das Congregações religiosas cujos membros se dedicam a seguir, tanto quanto podem, as pegadas de Jesus, de quem foi dito: "andou por toda a parte fazendo o bem" (Act 10, 38).

É minha ardente esperança que a colaboração de todos os sectores do povo coreano leve, com a ajuda de Deus, a um futuro em liberdade, justiça, cultura e harmonia. O povo do seu país é-me querido, e peço ao Senhor o guie, como também aos seus dirigentes, para procurar o que é justo e bom, e o assista constantemente na prossecução deste objectivo. Para Vossa Excelência, também peço que a sua missão possa contribuir para o bem-estar do seu país e a compreensão internacional.

 

© Copyright 1981 - Libreria Editrice Vaticana

 

top