The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
 AO SENHOR CÉSAR CHARLES
SOLAMITO,
 PRIMEIRO EMBAIXADOR DO PRINCIPADO DE MÓNACO
 JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS

Sexta-feira, 10 de Dezembro de 1982

 

Senhor Embaixador

É a primeira vez que lhe é dado aqui este título. Com efeito, ao apresentar hoje as Cartas que o acreditam como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário, Vossa Excelência inicia uma nova fase na representação do Principado de Mónaco junto da Santa Sé.

Mas este lugar já lhe é muito familiar, talvez mais ainda que a todos os outros Embaixadores, pois há um quarto de século que Vossa Excelência é responsável da Legação do seu país, como Ministro Plenipotenciário. A Santa Sé considera-o — ouso dizê-lo — um velho amigo; além disso, acaba de evocar a experiência que adquiriu aqui nas coisas da Igreja, antes, durante e depois do Concilio Vaticano II. Ao agradecer-lhe as cordiais palavras que acaba de me dirigir, faço-lhe votos por que continue a ser junto da Santa Sé um observador solicito da sua acção e dos seus propósitos ao serviço de Deus e dos homens, para ser dela o eco no seu país, uma vez que é, aqui, o intérprete do Soberano e do Governo de Mónaco, de modo especial no que se refere à vida da Igreja no Principado.

Além desta relação bilateral, a vizinhança da Santa Sé e o diálogo com ela é, para os Embaixadores, ocasião para penetrarem numa visão cada vez mais universal das questões espirituais, éticas, culturais e sociais que interessam o conjunto dos povos, condicionando as suas relações de paz, os seus direitos, a sua felicidade e o seu progresso nos diferentes campos. Isso realiza-se graças aos contactos de amizade que lhes é dado estabelecer aqui com os seus colegas do Corpo Diplomático do mundo inteiro — como Vossa Excelência já tem disso experiência —, e sobretudo graças às relações mantidas com a própria Santa Sé, considerando os esforços que ela procura envidar cada dia para conseguir a fraternidade dos homens e a elevação dos seus sentimentos, dos seus propósitos de paz e de desenvolvimento, esforços esses de que os diplomatas são, de facto, testemunhas privilegiadas.

Esta solicitude que o Papa dedica a cada povo vale também evidentemente para a população de Mónaco, tão unida na estima do seu Soberano assim como na dedicação à Igreja mediante a pessoa do seu Arcebispo. Recentemente, um acontecimento muito doloroso manifestou-o aos olhos de todos, quando a Princesa Grace, universalmente tão estimada, foi arrebatada ao afecto dos Seus. A Santa Sé, por seu lado, associou-se profundamente, na oração, a esta prova, recordando a nobreza de alma e dos sentimentos cristãos da ilustre defunta. Ser-lhe-ei grato que renove a Sua Alteza Sereníssima o Príncipe Rainier a afirmação da minha profunda simpatia e dos votos cordiais que formulo para a sua pessoa e o cumprimento do seu muito elevado cargo, para os seus filhos e para todos os habitantes do Principado. As relações diplomáticas que se renovam hoje a um nível mais elevado revigorarão, se for necessário, e tornarão cada vez mais frutuosos os laços de estima recíproca e de amizade profunda. É neste espírito que desejo também a Vossa Excelência uma feliz missão de Embaixador junto da Santa Sé. Que Deus abençoe a sua pessoa e a sua família e vele sobre os destinos do Principado!

 

 

© Copyright 1982 - Libreria Editrice Vaticana

 

top