The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AO SENHOR CARLOS ALBERTO SERRANO BONILLA
 NOVO EMBAIXADOR DA COSTA RICA
JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS

Quinta-feira, 4 de Fevereiro de 1982

 

Senhor Embaixador

Com viva complacência o recebo hoje, neste acto de apresentação das Cartas que o acreditam como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da costa Rica junto da Santa Sé.

Agradeço vivamente a deferente saudação que me transmitiu, enviada pelo Senhor Presidente da República, assim como as amáveis palavras com que Vossa Excelência se fez intérprete dos cristãos sentimentos do querido povo costa-riquense, cuja adesão à Igreja e ao Papa é bem conhecida. Povo que, além disso, se caracterizou pelo amor à paz e ao trabalho, tratando de seguir as orientações marcadas pela doutrina social católica.

Foi a consciência da sua missão própria que impulsionou sempre a Igreja na tarefa de serviço aos homens, tarefa que tem a sua meta final na eternidade, mas há-de ir realizando-se já através do caminho por este mundo, vivendo desde agora numa tensão de esperança definitiva. Esta esperança gera aspirações profundas e universais que, abarcando todos os homens e todo o homem, comportam a exigência de uma vida plena realmente livre, digna do ser humano.

No seu afã de auxílio aos homens, a Igreja não busca interesses ou vantagens humanas, mas tem o desejo de servir. Nesta linha — como diz o Concílio Vaticano II — ela quer em todo o momento e em todas as partes "pregar com verdadeira liberdade a fé; ensinar a sua doutrina acerca da sociedade; exercer sem peias a própria missão entre os homens; e pronunciar o seu juízo moral mesmo acerca das realidades politicas, sempre que os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas o exigirem" (Gaudium et spes, 76). Tarefa delicada e difícil, que ela se esforça por desempenhar inspirada no amor e nos ensinamentos do Evangelho, segundo as diversas circunstâncias e situações, a fim de conseguir ser luz e fermento na sociedade.

Vossa Excelência acaba de aludir à importância e ao significado do trabalho na convivência social. Com efeito, enquanto por um lado crescem o progresso e a técnica, por outro diminui o pedido da mão-de-obra, condenando muitos trabalhadores, com frequência jovens, a um sentimento de frustração, com todas as consequências que ele traz consigo.

Por isso, a doutrina social cristã e os ensinamentos do Magistério continuam a proclamar que o trabalho é um dever e ao mesmo tempo um direito de todo o homem. E que, em consequência, é uma tarefa irrecusável daqueles que regem os destinos dos povos e as relações sócio-económicas aplicar todos os meios ao seu alcance para cada cidadão poder encontrar a oportunidade de um trabalho adequado (cf. Gaudium et spes, 67), e assim evitam-se situações injustas nas quais se regula a actividade laboral com prejuízo para os trabalhadores.

É claro, por outro lado, que só se o homem puder realizar dignamente a sua vocação pessoal, familiar e social, se alcançará o objectivo tão desejado da paz e da sua progressiva consolidação. Estas constituem as metas para as quais atraio constantemente os homens, convencido de servir assim a verdadeira causa da dignidade da pessoa humana. E são também as metas para as quais orienta a Hierarquia costa-riquense. Muito confio na sua preciosa colaboração, na de muitos cristãos e de outras pessoas de recta consciência.

Peço a Deus conceda sempre a nobre Nação da Costa Rica paz duradoura, baseada no respeito dos direitos de cada pessoa, progresso constante na implantação da liberdade e da justiça social e sereno progresso nos valores cristãos e humanos, que a apartem de toda a convulsão.

Senhor Embaixador: ao formular-lhe, por último, fervorosos votos pelo feliz cumprimento da sua alta missão e ao assegurar-lhe a minha benevolência, invoco sobre Vossa Excelência, sobre as Autoridades que houveram por bem confiar-lha e sobre os amadíssimos filhos da Costa Rica, abundantes graças divinas.

 

© Copyright 1982 - Libreria Editrice Vaticana

 

top