The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AO SENHOR CHIANG HAI DING,
PRIMEIRO EMBAIXADOR DE SINGAPURA
JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS

Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 1982

 

Senhor Embaixador

É com muito prazer que dou as boas-vindas a Vossa Excelência como primeiro Embaixador da República de Singapura junto da Santa Sé, e que recebo, juntamente com as suas Cartas Credenciais, as amáveis saudações de Sua Excelência o Presidente C. V. Devan Nair.

Desejaria expressar também os meus melhores votos a Sua Excelência o Presidente e a todo o povo de Singapura.

A cidade de Singapura, desde a sua fundação, há relativamente pouco tempo, teve um crescimento rápido. Gente de origens diferentes veio reunir-se para formar a presente industriosa população da sua República. Reconheceu a necessidade, como Vossa Excelência notou, de viver e trabalhar harmoniosamente em comunidade. A notável variedade sublinha a importância dos valores humanos que são comuns a toda a humanidade. A colaboração enriquece a sociedade como um todo, para cuja felicidade cada grupo tem de participar com o seu valioso contributo. E, em troca, tem cada grupo muito a ganhar de uma situação como a que existe em Singapura: a constante associação de cada um com povo mergulhado numa civilização diferente da sua, não pequena parte há-de fornecer no desenvolvimento do seu próprio génio e espírito. Sinto-me portanto felicíssimo ao ver o entendimento e a cooperação prevalecerem entre o povo de Singapura. E faço votos por que esta atitude continue a reinar entre os grupos, não só para o bem do próprio país, mas também como exemplo para outros e para a comunidade internacional no seu conjunto.

Desde uma fase muito inicial na história de Singapura, os membros da Igreja Católica no país desempenharam de boa vontade a sua parte servindo a comunidade, especialmente pelo trabalho no campo da educação. A missão da Igreja não é de ordem política, económica ou social: a sua finalidade é religiosa. Mas esta missão religiosa pode ser fonte de obrigação e vigor em servir os interesses morais e espirituais da comunidade humana e em organizar esta de acordo com a lei de Deus. A Igreja oferece portanto a sua cooperação sem reservas para conservar entre todo o povo essa fraternidade correspondente ao alto destino do homem. Os motivos dela estão isentos de ambição terrena. O seu único objectivo está em fazer progredir o trabalho de Cristo, porque Ele veio ao mundo para dar testemunho à verdade, para salvar e não para julgar, para servir e não para ser servido.

Por conseguinte espero com antecipado prazer a cooperação cordial entre a República de Singapura e a Santa Sé em cultivar o bom entendimento e harmonia entre as gentes, e em restabelecer a paz quando ela esteja ofendida, protegê-la quando estiver indecisa e reforçando-a quando ainda se mantiver. As relações diplomáticas agora estabelecidas hão-de ajudar essa cooperação. Peço a Deus que a faça prosperar e abençoe Vossa Excelência e a sua missão.

 

© Copyright 1982 - Libreria Editrice Vaticana

 

top