The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
 AO SENHOR ABDULLAH MAMADU KALIFA BOYGANG
NOVO EMBAIXADOR DO GÂMBIA JUNTO DA SANTA SÉ
 POR OCASIÃO DA APRESENTAÇÃO
DAS CARTAS CREDENCIAIS

Segunda-feira, 12 de Julho de 1982

 

Senhor Embaixador

É um prazer para mim receber as Cartas Credenciais de Vossa Excelência como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República do Gâmbia junto da Santa Sé. Dou-lhe as boas-vindas e cordialmente lhe agradeço as gentis palavras que me dirigiu em nome do seu Presidente, Alhaji Sir Dawda Kairaba Jawara. Em seguida, desejaria pedir-lhe que retribuísse tal saudação com uma mensagem dos meus bons votos.

Vossa Excelência é o segundo Embaixador a ser enviado a esta missão, desde o estabelecimento dela há quatro anos. As relações diplomáticas, como acaba de indicar, constituem sinal de mútua boa vontade de trabalhar em harmonia, para o progresso do povo gambiano. A população católica da sua nação não é numerosa, e ainda procura a Igreja Católica fazer tudo o que pode para ajudar a promoção de cada pessoa humana. Esta obrigação deriva da fé da Igreja, de que o homem é o caminho para a Igreja exercitar a sua divina missão no mundo. Por este motivo realcei, na minha primeira Encíclica, que a "solicitude" da Igreja "diz respeito ao homem todo, inteiro, e está centrada sobre ele de modo absolutamente particular. O objecto destes cuidados da Igreja é o homem na sua única e singular realidade humana, na qual permanece intacta a imagem e semelhança com o próprio Deus" (Redemptor Hominis, 13).

A este propósito, estou agradecido pela referência à resolução do seu País de promover a paz e o entendimento entre a família humana. É convicção minha que o povo do continente africano possui genuína sensibilidade quanto ao nobre ideal de criar um mundo justo e pacífico. De facto, durante a saudação da minha despedida no fim da minha segunda viagem pastoral na África, eu disse: "O homem africano tem, além disso, acima de tudo também um sentido de mistério, um sentido do sagrado, do absoluto... Aspira, assim, a estar em harmonia com o Senhor da natureza, livre de temores que afastam. Está pronto a entrar em comunhão com o Deus da paz" (19 de Fevereiro de 1982).

Notei com satisfação as palavras de Vossa Excelência, de apreço pelo contributo da Igreja para o desenvolvimento da sua nação, tanto espiritual como sócio-económico. Tanto no campo da educação, como do serviço sanitário e da agricultura, a Igreja espera que esse avanço material seja acompanhado pelo progresso moral e crescimento espiritual. Com este propósito no espírito, a Igreja coopera voluntariamente com a comunidade civil em cada esforço que verdadeiramente anima o bem comum.

Durante a permanência de Vossa Excelência aqui, que eu desejo seja frutuosa, pode estar seguro do profundo interesse e da cooperação da Santa Sé no desempenho do seu cargo.

 

© Copyright 1982 - Libreria Editrice Vaticana

 

top