The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AO SENHOR ADIB DAOUDY NOVO EMBAIXADOR
DA REPÚBLICA ÁRABE DA SÍRIA JUNTO DA SANTA SÉ
 POR OCASIÃO DA APRESENTAÇÃO
DAS CARTAS CREDENCIAIS

Segunda-feira, 28 de Junho de 1982

 

Senhor Embaixador

As nobres palavras, que me dirigiu agora mesmo, encarecem de maneira feliz a vontade do seu país e dos dirigentes dele, de conservar e desenvolver ainda relações muito antigas de diálogo e de cooperação com a Santa Sé. Por meio da sua pessoa, a minha gratidão vai até Sua Excelência o Presidente Hafez Al-Assad. Ficarei agradecido ao Senhor Embaixador se tiver a gentileza de o assegurar disto e de juntar a estas palavras os meus votos pela pessoa de Sua Excelência e pela população que tem a responsabilidade de guiar na conjuntura actual particularmente difícil.

Hoje portanto Vossa Excelência substitui numerosos Embaixadores que se foram sucedendo junto da Sé Apostólica. A sua missão, como a de todos os diplomatas, será desempenhada com discrição. Parece-me todavia que o seu trabalho, como o dos seus eminentes colegas na diplomacia, é sempre muito precioso. Pode muito, e mais do que se crê, para preparar ou reabrir caminhos de diálogo respeitoso e cordial, e de compreensão progressiva, que chegará a justas soluções pela negociação e pelo bom entendimento.

Há instantes, Vossa Excelência sentia o prazer de recordar lembranças históricas numerosas, antigas ou mais recentes, que fundam de algum modo as relações mantidas pela República Árabe-Síria com a Santa Sé. Falou em particular da muito venerável Igreja de Antioquia e da Epopeia Apostólica do Apóstolo Paulo desde a sua conversão célebre na estrada de Damasco, capital da Síria moderna. Agradeço-lhe sinceramente ter evocado essas raízes antigas, tão queridas às comunidades cristãs de sempre, e que as vivificam ainda hoje. Pensando nestas diversas comunidades, exprimo-lhe a minha satisfação pela vontade manifestada pelas Autoridades sírias de promover a compreensão recíproca, o respeito e a boa coexistência entre cristãos e muçulmanos.

O Senhor Embaixador ficaria surpreendido, se eu não sublinhasse que a sua missão diplomática junto da Santa Sé começa num contexto doloroso para toda a região do Próximo Oriente. Penso em particular no novo drama que o Líbano sofre. Testemunhas das violências, das destruições, das deslocações de habitantes e do sangue humano que não pára de correr, mas igualmente responsáveis — a níveis diversos — da paz e da fraternidade que formam o eixo de toda a civilização, não podemos resignar-nos, não podemos deixar a opinião mundial terminar por se persuadir de uma fatalidade da história. Diante de Vossa Excelência desejo afirmar uma vez mais que a Santa Sé, segundo os meios conformes à sua missão espiritual, recorda e recordará, oportuna e inoportunamente, que a solução de todo o desentendimento, no Próximo Oriente como em toda a parte da terra, não se pode restabelecer pelas armas. A violência gera a violência! A Santa Sé, pela sua acção própria, e os Governos, pela deles, devem fazer convergir os esforços reais e perseverantes de uma e de outros para recomendarem e fazerem que tenham bom êxito os caminhos muitas vezes longos e austeros do encontro, para negociações sinceras e pacientes, que supõem, é claro, o reconhecimento do direito de cada povo à sua soberania, à sua liberdade.

E uma vez que falamos do Próximo Oriente, e portanto de uma região em que o monoteísmo é um preciosíssimo denominador comum entre três famílias de crentes — judeus, cristãos e muçulmanos — intimamente misturadas de há gerações, atrevo-me a dizer que esta fé comum em Deus, fonte de vida e bondade, permanece sendo uma esperança de conversão dos corações e dos espíritos. É possível crer em Deus, criador de toda a pessoa humana à Sua imagem e semelhança, sem nos esforçarmos, todos juntos e cada um em particular, por sermos defensores intrépidos da vida e difusores incansáveis da Sua bondade misericordiosa? O Próximo Oriente, que manteve em profundidade o sentido dos valores espirituais, não poderá sair das situações críticas, em que se encontra presentemente, senão unindo-se para reencontrar, nas fontes mesmas do monoteísmo, o sentido da sua história, tanto em escala individual como colectiva. Que luz seria para o mundo inteiro, tão inclinado a encerrar-se em estruturas sociais desprovidas de raízes religiosas, por outras palavras, da fé!

Pensando e orando todos os dias por esta região agitada e ensanguentada do nosso planeta, mantendo-me persuadido de haver, em cada país do Próximo Oriente, homens e crentes, de grandíssima elevação de espírito e educação, que seriam capazes de se sentar à mesma mesa para chegarem juntos a soluções de justiça e de paz, inspiradas nas ricas tradições culturais e de fé em Deus, comuns a todos os povos do Levante.

Uma vez mais, nestes primeiros instantes da alta missão de Vossa Excelência, e desejando-lhe cordialmente, Senhor Embaixador, que ela seja fecunda para o seu querido país e para a Igreja, faço apelo instante a todos os homens constituídos em responsabilidade, quer estejam à frente dos Estados quer no mundo da diplomacia, para que dêem prova de coragem e de criatividade para a salvaguarda da paz em todas as partes da terra.

 

© Copyright 1982 - Libreria Editrice Vaticana

 

top