The Holy See
back up
Search
riga

 DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
 AO SENHOR VICTOR GOMEZ BERGÉS
NOVO EMBAIXADOR DA REPÚBLICA DOMINICANA
 POR OCASIÃO DA APRESENTAÇÃO
DAS CARTAS CREDENCIAIS

Sexta-feira, 7 de Janeiro de 1983

 

Senhor Embaixador

As palavras que Vossa Excelência me dirigiu ao apresentar as Cartas que o acreditam como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República Dominicana junto da Santa Sé, foram-me particularmente gratas, porque me fazem sentir e recordar o afecto de todos os amadíssimos filhos dessa nobre Nação.

Ao agradecer-lhe, Senhor Embaixador, a expressão destes sentimentos, assim como a deferente saudação que me transmitiu da parte do Senhor Presidente da República dou-lhe as minhas mais cordiais boas-vindas, ao mesmo tempo que asseguro a minha benevolência para a elevada missão que lhe foi confiada.

Vossa Excelência referiu-se à missão evangélica que a Igreja realiza no mundo e que o Sucessor de Pedro, assim como os Irmãos no Episcopado, fiéis ao chamamento de Cristo, continuam, anunciando a Boa Nova da salvação a todos os homens, de modo particular aos pobres e aos oprimidos.

A República Dominicana, ao abrir-me as suas portas na minha primeira viagem pastoral à América Latina, colocou-me em contacto de modo imediato com uma realidade humana e social muito rica e cheia de grandes valores, mas que às vezes manifesta também dificuldades sérias e angústias para tantos homens e mulheres, cuja problemática é profundamente sentida pela Igreja. Pois os discípulos de Cristo não podem deixar de viver como próprias as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos outros (cf. Gaudium et spes, 1). A esta temática dedicaram por isso particular atenção as Conferências Gerais do Episcopado Latino-Americano em Medellín e mais recentemente em Puebla.

A Igreja na América Latina deseja continuar a anunciar aos homens a plena vigência da mensagem evangélica, seguindo as pegadas dos primeiros missionários e evangelizadores; proclamar e promover a dignidade da pessoa humana, com os seus direitos e deveres, trabalhando em favor da sua formação integral e estimulando a essa transformação que se baseia no facto de todos os homens serem irmãos e filhos de Deus.

Num País como a República Dominicana, onde mais de cinquenta por cento da população activa se dedica à agricultura, merece particular atenção esse sector social, colocando em primeiro plano a pessoa do trabalhador, ao qual há-de estar submetido todo o processo produtivo. O seu trabalho deve ser visto sempre numa perspectiva verdadeiramente humana, "porque mediante o trabalho o homem não somente transforma a natureza adaptando-a às próprias necessidades, mas também se realiza a si mesmo como homem e até, num certo sentido, se torna mais homem" (Laborem exercens, 9). Isto poderá ser alcançado se, entre outras coisas, não houver jovens sem a preparação conveniente; se os direitos dos trabalhadores forem sempre respeitados; se não houver camponeses sem terra para viverem e se desenvolverem dignamente; se se proporcionar a formação integral das pessoas, fazendo que prevaleçam as exigências de uma ampla justiça nas relações humanas e de trabalho.

No diálogo que esta Sé Apostólica mantém com os responsáveis de tantas Nações, não pode faltar a reiterada consideração das condições em que vivem às vezes amplos sectores da população, ou a marginalização, especialmente entre a classe camponesa, quanto ao que se refere a uma eficaz participação na vida nacional e a um maior acesso à cultura. Esse caminho de elevação humana será o meio mais eficaz, por outro lado, para formar cidadãos capazes de engrandecer um país.

Ao renovar-lhe a confirmação da minha benevolência para o cumprimento da sua missão, invoco sobre Vossa Excelência, sobre as Autoridades que julgaram por bem confiar-lha, e sobre todos os amadíssimos filhos da República Dominicana abundantes e escolhidas graças do Altíssimo.

 

 

© Copyright 1983 - Libreria Editrice Vaticana

 

top