The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AO SENHOR VIRIATO DE BARROS
EMBAIXADOR DA REPÚBLICA DE CABO VERDE
 JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTA CREDENCIAIS*

Sexta-feira, 13 de Janeiro de 1984

 

Senhor Embaixador,

Para mim um prazer aceitar as Cartas que o acreditam como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República de Cabo Verde junto da Santa Sé. Quero exprimir, antes de mais, grato apreço pela afirmação de deferentes sentimentos da parte de Sua Excelência o Senhor Aristides Maria Pereira, Presidente da República, e agradecer-lhe também a designação do primeiro Representante aqui da sua jovem Nação, na pessoa de Vossa Excelência, em consonância – como quis frisar – com o sentir do dilecto povo cabo-verdiano, na sua maioria católico.

Este encontro de Cabo Verde, por Vossa Excelência representado, com o Romano Pontífice pode bem constituir um marco miliário na caminhada histórica da Nação, recentemente chegada à independência, a sancionar um passado de vincada presença da Igreja e a traçar rumos de futuro no prosseguimento e incremento de amistosas relações, inseridas num contexto de liberdade religiosa.

No mundo de hoje, sucede que nem tudo aquilo que diversos sistemas, ideologias e homens singulares vêem e apregoam como liberdade, garante a autêntica liberdade da pessoa humana. Esta, como se sabe, implica sempre a exigência de uma relação honesta com a verdade, sem deformações nem manipulações de parte, mormente com a verdade sobre o homem, com a grandeza, a dignidade e o valor próprio da sua humanidade. É nesta verdade, quanto possível lídima, conjuntamente com apreço e respeito, que assenta o diálogo.

A presença aqui de Vossa Excelência é indicativa de um desejo de dialogar, que encontra reciprocidade, no comum intento de cada vez maior compreensão e confiança, ao serviço das grandes causas do bom entendimento, da solidariedade e da paz entre os homens, terreno firme indispensável para bem alicerçar a colaboração, o amor e a fraternidade; intento, enfim, de servir a grande causa do homem, com a verdade interior da sua humanidade, que o coloca no centro do cosmos e da história, consciente de formar com os demais uma só família, a grande família humana.

Já na Carta que tive o gosto de dirigir à Comunidade católica de Cabo Verde, em Maio de 1983, eu fazia apelo à solidariedade humana, não codificada nem talvez codificável em termos de direitos e deveres, mas que não deixa de impor-se: algumas vezes, por motivos humanitários, perante situações concretas de vida vivida por algumas parcelas da família humana; e sempre, por imperativo de uma visão correcta da interdependência, cada dia mais estreita e progressivamente estendida a todo o mundo, que faz com que o bem comum se torne cada vez mais universal e, por isso mesmo, a ter de ser procurado e promovido a nível mundial.

Renovo hoje os meus votos por que possam encontrar eco numa solidariedade com tal amplitude as dificuldades e, ao mesmo tempo, as qualidades de persistência e coragem da dilecta população cabo-verdiana, onde quer que se desenrole a sua existência, dada a alta percentagem de emigrados. É para desejar, que os valores de que são portadores sejam em toda a parte bem acolhidos, também a nível de legislações favoráveis, que eliminem discriminações e proporcionem segurança e serenidade, na busca daquela melhoria na vida pessoal, familiar e social que está na base da emigração; e ademais, que um tal bom acolhimento possa servir os contactos e a amizade entre os povos, numa época como a nossa, ensombrada por tantas desigualdades e por tanta violência, mas, ao mesmo tempo, tão faminta de justiça, de paz, de bondade, de responsabilidade e dignidade humana e de amor.

No campo da sua missão própria, a Igreja não deixa de procurar servir tal solidariedade humana. Encarnando-se na realidade concreta de cada povo, na sua história e no seu processo de desenvolvimento, solidariza-se nas dificuldades, compartilha os sofrimentos e aspirações do homem para o qual deseja plena realização pessoal, quando lhe leva os fermentos da mensagem do Evangelho e os bens da Salvação divina, com destinação universal.

Senhor Embaixador!

Ao enunciar certas perspectivas convergentes e ao acentuar as boas relações da Nação cabo-verdiana e da Igreja católica relevava Vossa Excelência a contribuição desta para o desenvolvimento humano e espiritual das populações locais. Isso fornece-me grato ensejo para confirmar a boa vontade da Igreja de prosseguir na mesma linha. Para tanto confia ela em que os fiéis católicos de Cabo Verde saibam discernir e possam ocupar o lugar e desempenhar a tarefa que lhes cabe, por direito e por dever de homens e de cristãos, na promoção do bem comum e no progresso do seu País, sob pena de grave infidelidade ao homem, à Igreja e a Jesus Cristo.

E peço ao Altíssimo, dador de todos os bens, que faça frutificar os propósitos que expressou e haja um sempre concorde empenho das mentes e das vontades em actuá-los, para as prosperidades de Cabo Verde. Asseguro-lhe que poderá contar com disponibilidade, compreensão e com a possível assistência e colaboração da parte da Santa Sé, para um desempenho da sua missão, que lhe desejo feliz e portador de alegrias. E, pedindo que apresente as melhores saudações ao Senhor Presidente da República, imploro para a pessoa de Vossa Excelência e para todo o dilecto Povo cabo-verdiano e suas Autoridades os favores e bênçãos de Deus omnipotente.


*AAS 76 (1984), p. 580-582.

Insegnamenti di Giovanni Paolo II, vol. VII, 1 pp. 64-67.

L'Attività della Santa Sede 1984 pp. 33-34.

L’Osservatore Romano 14.1.1984 p.6.

 

© Copyright 1984 - Libreria Editrice Vaticana

top