The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO SANTO PADRE 
AO NOVO EMBAIXADOR DO TOGO 
JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO 
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS

18 de Dezembro de 1997  

 

Senhor Embaixador

1. Seja bem-vindo a esta casa na qual tenho a honra de receber Vossa Excelência, por ocasião da apresentação das Cartas que o acreditam como Embaixador extraordinário e plenipotenciário do Togo junto da Santa Sé.

Agradeço-lhe as saudações que me dirigiu em nome de Sua Excelência o Senhor Gnassingbé Eyadéma, Presidente da República do Togo. Ficar-lhe-ia grato se se dignasse transmitir-lhe as minhas deferentes saudações. Faço votos por que todo o povo togolês, sempre presente nos meus pensamentos e no meu coração, conheça a prosperidade e a felicidade, numa sociedade cada vez mais fraterna, fundada na justiça e na solidariedade.

2. Alegro-me com o que Vossa Excelência acaba de dizer acerca do empenho do Togo pelo fortalecimento das relações de cooperação e amizade entre os povos. Dado que a África ainda conhece muitos focos de tensão e de graves conflitos fratricidas, é necessário perseverar com convicção nos esforços comuns já empreendidos, a fim de que se estabeleça tanto no interior das nações como entre elas mesmas, uma verdadeira cultura da solidariedade. A busca de soluções apropriadas para os problemas vitais das populações, para que cada uma possa usufruir de condições de vida serenas e decentes, é uma prioridade para estabelecer uma paz duradoura.

3. No seu discurso, Vossa Excelência ressaltou também o objectivo perseguido pelo seu país para estabelecer um Estado de direito. De facto, a sua instauração é indispensável para permitir o afirmar-se duma democracia autêntica. Por conseguinte, a fim de trabalhar de maneira eficaz pelo progresso e desenvolvimento da nação, é dever dos responsáveis do Estado vigiar por que, na vida política e social, todos os cidadãos possam exercer os seus legítimos direitos e, mediante eles, beneficiar das liberdades indispensáveis. Dar a todos a possibilidade de eleger livremente os seus dirigentes e participar nas decisões políticas que orientam a vida comum, é uma prerrogativa essencial que permite conceder não apenas a alguns o que é direito de todos.

A própria liberdade está ordenada para a verdade, de modo particular quando diz respeito à compreensão do que é o homem e à percepção correcta do seu papel na vida social. Com efeito, a dignidade transcendente da pessoa humana deve guiar a acção política para garantir o futuro da liberdade. Como ressaltei em várias ocasiões, «a liberdade só é plenamente valorizada pela aceitação da verdade: num mundo sem verdade, a li- berdade perde a sua consistência e o homem acaba exposto à violência das paixões e a condicionalismos visíveis ou ocultos» (Centesimus annus, 46).

4. A Igreja católica, no que lhe diz respeito, deseja colaborar com lealdade na busca do interesse comum. Sem dúvida, a sua vocação não é gerir os assuntos públicos. Ela reconhece a legítima autonomia das instituições políticas, bem como a própria liberdade a seu respeito, a fim de poder anunciar sem impedimentos a Boa Nova do Evangelho e recordar as suas exigências. Ela dá um contributo específico à promoção do bem da comunidade nacional, ao discernir e encorajar tudo quanto permite ao homem viver e crescer em conformidade com a sua vocação, bem como combater tudo o que é contrário aos valores evangélicos e o que, por conseguinte em certas circunstâncias, se torna inaceitável.

De facto, para ser fiel à sua missão de serviço do Evangelho, a Igreja não pode deixar de se interessar pelos problemas concretos dos homens. Ao participar através dos seus membros na vida da sociedade, ela não é indiferente ao destino das pessoas e das comunidades humanas nem aos perigos que as ameaçam. É seu dever, então, propor de modo claro os valores que deveriam ser garantidos para que a dignidade e os direitos individuais e colectivos das pessoas sejam respeitados. Em numerosas situações, ela deve fazer-se a voz dos que não se podem exprimir. Pois a sua vocação é contribuir para a edificação duma sociedade justa e reconciliada, na qual todos possam encontrar o seu pleno desenvolvimento humano e espiritual.

Senhor Embaixador, aproveito esta ocasião solene para saudar com afecto todos os Bispos e os membros da comunidade católica do Togo, dos quais conheço o dinamismo evangélico. Encorajo-os vivamente a trabalhar, em união com todos os homens de boa vontade do seu país, para a edificação duma sociedade renovada e fraterna, na qual cada um encontre o seu lugar e possa fazer frutificar os dons que recebeu de Deus. Ao prepararmo-nos para celebrar o grande Jubileu do Ano 2000, convido- os a reanimar a sua esperança e a dar testemunho dela entre os seus irmãos. 

5. Senhor Embaixador, no momento em que inicia a sua missão, apresento-lhe os meus melhores votos pela nobre tarefa que o aguarda. Tenha a certeza de que encontrará sempre aqui, junto dos meus colaboradores, o acolhimento atento e compreensivo do qual poderá ter necessidade.

Sobre Vossa Excelência, o povo togolês e quantos presidem ao seu destino, invoco de coração a abundância das Bênçãos divinas.

 

© Copyright 1997 - Libreria Editrice Vaticana  

top