The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AO SENHOR SIMÉON AKÉ NOVO EMBAIXADOR
DA COSTA DO MARFIM JUNTO DA SANTA SÉ
POR OCASIÃO DA APRESENTAÇÃO
DAS CARTAS CREDENCIAIS

3 de Março de 1997

 

Senhor Embaixador!

É-me grato dar-lhe as boas-vindas ao Vaticano, onde tenho o prazer de acolher Vossa Excelência por ocasião da apresentação das Cartas, que o acreditam como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República da Costa do Marfim junto da Santa Sé.

Sensibilizaram-me os sentimentos cordiais de Sua Excelência o Senhor Presidente Henri Konan Bédié, de quem Vossa Excelência se fez intérprete. Da minha parte, ser-lhe-ia grato por Lhe transmitir os votos ardentes que formulo para a sua pessoa e para o desempenho da sua alta missão ao serviço dos seus compatriotas. Envio também as minhas calorosas saudações ao povo da Costa do Marfim e aos seus dirigentes, e peço a Deus que acompanhe os esforços de cada um nos caminhos do desenvolvimento integral e da prosperidade da nação, na concórdia e na solidariedade.

No seu discurso, Vossa Excelência houve por bem exprimir a adesão da Costa do Marfim à edificação duma sociedade harmoniosa, respeitosa da diversidade cultural e religiosa da sua população e acolhedora de todos. O reconhecimento mútuo e a compreensão entre todos os componentes da nação são, com efeito, uma condição essencial da paz social e do verdadeiro desenvolvimento do país. Quanto às injustiças e às rejeições do outro, elas produzem desentendimentos que levam, em geral, ao conflito e à ruína. Uma democracia autêntica, que respeita o pluralismo e está fundada sobre o diálogo, assim como sobre os valores africanos de vida comunitária e de partilha, não pode deixar de consolidar a unidade nacional e o Estado de direito.

Alegro-me pelo empenho da Costa do Marfim em promover a paz na sua região. O diálogo e a negociação constituem a única via segura para apaziguar as tensões e resolver os conflitos. Ainda que o continente africano conheça eventos dramáticos, não se pode senão desejar ardentemente ver em toda a parte o recurso aos meios pacíficos e a superação da violência para resolver as contendas, a fim de que as armas se calem e os povos conheçam o tempo da paz e da prosperidade.

Como foi sublinhado no seu amável discurso, Senhor Embaixador, a missão universal da Igreja leva-a a trabalhar para a concórdia entre as nações e entre as pessoas. Na minha mensagem para o Dia Mundial da Paz, escrevi que, neste mundo ferido pela guerra, «são muitos, certamente, os factores que podem influir favoravelmente no restabelecimento da paz, salvaguardando os imperativos da justiça e da dignidade humana. Mas nenhum processo de paz poderá jamais ter início, se não maturar nos homens uma atitude de sincero perdão» (Mensagem para o Dia Mundial da Paz – 1997, n. 1). O perdão e a reconciliação são os caminhos que permitem consolidar os vínculos de solidariedade das pessoas e dos povos. É desta solidariedade que nascerá a paz. Como não desejar que se estabilize por fim, em toda a parte, uma verdadeira «civilização do amor»!

A sua presença no Vaticano, como Embaixador, depois da longa e estimada missão do Senhor Embaixador Joseph Amichia, testemunha a importância que a sua nação quer dar às motivações de ordem espiritual e religiosa, nos seus projectos de desenvolvimento da sociedade e crescimento das pessoas. Com efeito, «só surgirá um mundo melhor, se for construído sobre os alicerces sólidos de sãos princípios éticos e espirituais» (Ecclesia in Africa, 114). As suas nobres palavras testemunham o espírito com que Vossa Excelência se propõe realizar a alta missão que lhe é atribuída, contribuindo ainda mais para aprofundar as relações já antigas que unem a Costa do Marfim e a Santa Sé.

Permita-me, Senhor Embaixador, aproveitar esta ocasião para saudar, por seu intermédio, a Igreja católica na Costa do Marfim, que conheceu recentemente o desenvolvimento e a consolidação das suas estruturas. Conservo presentes no meu pensamento e na minha oração os seus Pastores e os seus fiéis, na feliz recordação das minhas visitas ao seu país. Dado que estamos empenhados na preparação imediata do grande Jubileu do Ano 2000, encorajo-os vivamente a redescobrir as exigências do seu baptismo, que é o fundamento da sua unidade em Cristo. Convido-os também, numa colaboração sincera com os seus compatriotas, a tomarem parte com coragem na edificação da nação, no direito e na justiça, procurando sempre a unidade e a fraternidade entre todos os cidadãos.

No momento em que Vossa Excelência começa oficialmente a sua missão junto da Sé Apostólica, apresento-lhe os meus melhores votos para o seu feliz desempenho. Esteja certo de que encontrará sempre aqui um acolhimento atento e uma compreensão cordial da parte dos meus colaboradores.

Sobre Vossa Excelência, sobre a sua família, assim como sobre o povo da Costa do Marfim e os seus dirigentes, invoco de todo o coração a abundância das Bênçãos divinas.

 

© Copyright 1997 - Libreria Editrice Vaticana

 

top