The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AOS RELIGIOSOS DA CONGREGAÇÃO
DOS SACERDOTES DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS
(DEHONIANOS OU PADRES REPARADORES)
 REUNIDOS EM CAPÍTULO

Sexta-feira, 30 de Maio de 1997

 

 

Caríssimos Sacerdotes do Sagrado Coração de Jesus!

1. Bem-vindos a este encontro, que se realiza por ocasião do vigésimo Capítulo Geral Ordinário da vossa Congregação. Agradeço cordialmente ao Superior-Geral, Padre Virgínio Bressanelli, as palavras com que se fez intérprete dos sentimentos de todos vós e ilustrou o tema e os objectivos destas vossas jornadas de oração, de reflexão e de discernimento.

Soube com prazer que o vosso Instituto está hoje presente em quatro continentes, com cerca de dois mil e quatrocentos religiosos, constituindo assim uma realidade eclesial rica e articulada. No decurso desta vossa Assembleia capitular, o vosso objectivo é traçar algumas linhas que orientem o caminho e a actividade da Congregação nas várias províncias, para valorizar melhor as pessoas e os dons de que a vossa Família religiosa é portadora, ao serviço da Igreja e do Evangelho.

Neste propósito, na comunhão dos santos, está certamente ao lado de vós o vosso venerado Padre Fundador, Leão João Dehon, do qual tive a alegria de promulgar o Decreto sobre a heroicidade das virtudes. Sei que isto constitui para a vossa Congregação um forte momento de graça, um motivo de renovado fervor, e alegro-me com todos vós.

A vida cristã e, com maior razão, a vida consagrada é vida de amor oblativo (cf. Vita consecrata, 75). Disto estava bem convicto o Padre Dehon, que se sentiu chamado, ainda jovem sacerdote, a responder ao amor do Coração de Cristo com uma consagração de amor missionário e reparador.

Caríssimos Irmãos, prossegui generosamente por esse caminho, conscientes de que, para serdes fiéis ao carisma do Fundador, é necessário antes de tudo cultivar em vós mesmos aquela docilidade ao Espírito Santo, que lhe consentiu aderir de maneira total à inspiração divina. É precisamente desta intensidade de vida espiritual, actuada sobretudo na oração, que depende a vitalidade da vossa Família religiosa. O coração de Cristo, caríssimos, é o ponto focal da vossa consagração. Aquele Jesus, no qual a Igreja inteira fixa o olhar de modo especial neste ano, primeira etapa do triénio preparatório para o Jubileu do Ano 2000, mostra ao homem contemporâneo o seu Coração, fonte de vida e de santidade. Rei e centro de todos os corações, Cristo pede aos consagrados não só que O contemplem, mas que entrem no seu Coração, para poderem viver e trabalhar em constante comunhão com os Seus sentimentos.

A radicalidade no seguimento, a fidelidade aos votos, a fraternidade, o serviço apostólico, a comunhão eclesial: tudo deriva daqui, desta fonte inexaurível de graça.

2. Entre os objectivos prioritários da vossa Assembleia capitular, está justamente uma formação qualificada, permanente e adequada às várias fases da vida do candidato e do consagrado. Escrevi na Exortação Apostólica Vita consecrata: «Também no seio da vida consagrada há necessidade de um renovado amor pelo empenho cultural, de dedicação ao estudo como meio para a formação integral e como percurso ascético, extraordinariamente actual, frente à diversidade das culturas. A diminuição do empenho pelo estudo pode ter graves consequências mesmo no apostolado, gerando um sentido de marginalização e de inferioridade ou favorecendo superficialidade e imprudência nas iniciativas » (n. 98).

Parte integrante da formação inicial e permanente é, pois, o estudo, o aprofundamento teológico, indispensável tanto para a qualidade da vida pessoal como para o serviço a prestar ao encontro entre o Evangelho e as culturas. Uma fervorosa vida espiritual e cultural, conduzida em sintonia com a Tradição da Igreja e com os ensinamentos do Magistério, permite superar as possíveis tentações de se fechar e de se isolar nas metas já alcançadas, ainda que sejam notáveis.

Caríssimos filhos do Padre Dehon, fiéis ao vosso Fundador, amai a Igreja e os seus Pastores. São admiráveis os vínculos de estima, se não até mesmo de amizade, que ligaram o Padre Dehon aos Pontífices Romanos, no arco da sua longa vida. Leão XIII, por exemplo, estimava- o como óptimo intérprete do seu Magistério. Bento XV foi seu amigo pessoal e confiou-lhe a construção da Basílica de Cristo Rei, em Roma. Fazei com que as vossas atitudes e as vossas iniciativas sejam sempre marcadas por colaboração efectiva com a hierarquia eclesiástica, sobretudo na delicada tarefa de formar e esclarecer as consciências dos fiéis, com frequência desorientadas e confusas.

Repito-vos quanto escrevi, ao dirigirme a todas as pessoas consagradas: «Vós não tendes apenas uma história gloriosa para recordar e narrar, mas uma grande história a construir! Olhai o futuro, para o qual vos projecta o Espírito a fim de realizar convosco ainda grandes coisas» (Vita consecrata, 110). O carisma do Padre Dehon é um dom fecundo para a construção da civilização do amor, visto que a alma da nova evangelização é o testemunho da caridade divina: «Deus amou de tal modo o mundo que lhe deu o Seu Filho único...» (Jo 3, 16).

3. Conservai sempre viva a tensão missionária! Há cem anos partiam para o Congo os primeiros missionários do vosso Instituto, guiados pelo Padre Gabriele Grison, que despendeu a vida entre as populações da região de Kisangani, da qual se tornou Vigário Apostólico. É-me grato recordar que diante do seu túmulo me ajoelhei, durante a minha primeira Viagem Apostólica na África, em Maio de 1980. Com viva admiração tive conhecimento de que não deixastes nenhuma das vossas missões no Congo- Zaire, aceitando todos os riscos do momento presente. Com certeza, Deus háde abençoar este vosso corajoso testemunho de amor a Cristo e às populações locais, tão duramente provadas. Juntamente convosco, caríssimos, desejaria confiar mais uma vez ao Senhor na oração os filhos e as filhas daquelas martirizadas regiões do Continente africano, para que possam encontrar o caminho da reconciliação e do desenvolvimento.

Caríssimos Irmãos, observo além disso com prazer que tendes em vista animar de espírito missionário todos os aspectos e todas as actividades da vossa Congregação. Com efeito, tudo na Igreja está orientado para o anúncio de Cristo. Os meus votos cordiais são por que possais sempre conjugar, em harmonia fecunda, a comunhão fraterna e o empenho apostólico, a projecção no mundo e a plena sintonia com os legítimos Pastores, a atenção aos Coirmãos, especialmente idosos, doentes, em dificuldade, e a valorização de cada um para a missão comum.

Oxalá este anelo apostólico anime também os outros «ramos» da Família, que seguem a espiritualidade do Padre Dehon, isto é, o das pessoas consagradas que vivem no mundo e o dos leigos dehonianos.

4. Caros Irmãos, dentro de poucos dias celebraremos a Solenidade do Sagrado Coração: a liturgia da Igreja oferece-vos a fonte mais rica de inspiração para o vosso Capítulo. Oro ao Senhor, por intercessão de Maria Santíssima, para que cumule da Sua sabedoria cada um de vós, a fim de que a vossa Assembleia produza os frutos esperados. Para isto, de coração concedo a vós e a todos os Sacerdotes do Sagrado Coração de Jesus uma especial Bênção Apostólica, que de bom grado faço extensiva à inteira Família dehoniana.

 

 

 

 

top