The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
 AOS MEMBROS DA COMISSÃO
DO ENCONTRO DE SARAJEVO
REALIZADO EM ABRIL

Sábado, 15 de Novembro de 1997

 

 

Senhor Cardeal
Venerados Irmãos no Episcopado
Estimados Sacerdotes
Ilustres Senhores

1. Acolho-vos com alegria e apresento-vos as minhas cordiais boas-vindas a este encontro com que, de certa maneira, quereis retribuir-me a inolvidável Visita que pude fazer a Sarajevo nos dias 12 e 13 do passado mês de Abril. Ainda está viva na minha alma a recordação da cidade com as profundas feridas das destruições causadas pela guerra e os sofrimentos da população. Ao mesmo tempo, permanece arraigada em mim a impressão do povo e das autoridades que participaram na minha visita.

Saúdo-o, Senhor Cardeal Vinko Puljić que, juntamente com os queridos Prelados da Bósnia-Herzegovina, desejou acompanhar os membros da Comissão organizadora do encontro de Sarajevo, apresentando-me a cordial saudação de todos.

A cada um, desejo expressar a minha gratidão pelos generosos esforços despendidos em prol do bom êxito da minha peregrinação na vossa Pátria; e peço que transmita o meu agradecimento aos Excelentíssimos Membros da Presidência da Bósnia-Herzegovina.

Ao apresentar-vos a minha saudação, desejo renovar às populações da Bósnia-Herzegovina os meus sentimentos de afecto, assegurando que todos estão presentes nas minhas orações e próximos do meu coração.

2. Essa Visita, que preparastes tão bem, proporcionou conforto aos católicos, consolidando a sua fé e os seus propósitos de compromisso na reconstrução civil e moral, tão necessária depois dos danos causados pela guerra. Com efeito, é legítimo o desejo dos católicos de ver necessariamente reconhecidas e consideradas as suas aspirações civis, culturais e religiosas. A elas devem garantir-se os direitos de que gozam cada pessoa e cada comunidade do vosso País, a fim de que com a sua oferta específica, possam contribuir activamente para tornar cada vez mais humana e pacífica a vida nos lugares onde se encontram e trabalham.

3. Espero que a minha Visita tenha contribuído também para reacender nos habitantes de toda a Bósnia-Herzegovina a confiança no diálogo, na justiça, na compreensão recíproca, bem como numa paz justa e duradoura.

Numa sociedade que vive em busca da paz, cada cidadão tem o direito e o dever de oferecer o próprio contributo à ordenada consecução de tão nobre causa.

Quando trabalhamos com plena confiança em Deus e no homem, não devemos desencorajar-nos diante das dificuldades que inevitavelmente encontramos. Mesmo perante eventuais intimidações, quem crê em Deus sabe que é portador de uma cultura nova que luta com as armas do amor, a fim de que se consolidem o respeito e a dignidade do homem e dos povos. Além disso, está consciente de que deve promover com todos os meios legítimos os valores positivos que podem criar laços de compreensão e colaboração entre todos.

4. Venerados Pastores da Bósnia-Herzegovina, é vossa tarefa salvaguardar os direitos genuínos das vossas comunidades, perseverando em anunciar o Evangelho de Cristo com mansidão em todas as situações, «oportuna e inoportunamente » (2 Tm 4, 2). Continuai a actuar a fim de que os fiéis da inteira Igreja que está na Bósnia-Herzegovina façam todos sentir, com a palavra e o exemplo, a caridade de Cristo, Redentor do homem. Esta missão é ainda mais urgente na perspectiva do Terceiro Milénio, no qual queremos ingressar com um coração novo, reconciliados connosco mesmos e com os nossos irmãos.

5. Às ilustríssimas Personalidades da Comissão governamental aqui presentes, quereria transmitir uma palavra de encorajamento a continuarem os esforços em vista da retomada e da reconstrução do País, bem como do bom funcionamento das Instituições comuns, com paciência, abnegação e espírito de colaboração entre os três povos. A Santa Sé não deixará de contribuir, como até agora procurou fazer, nas formas apropriadas e também nas instâncias internacionais, em favor do desenvolvimento civil e social da Bósnia-Herzegovina.

Com estes sentimentos invoco sobre todos vós, as vossas famílias e a vossa Pátria inteira as Bênçãos de Deus Todo-poderoso.

 

 

top