The Holy See
back up
Search
riga

MENSAGEM DO SANTO PADRE
 POR OCASIÃO DO INÍCIO DO 
ANO SANTO EM 
SANTIAGO DE COMPOSTELA 

 

1. Ao celebrar-se o rito de abertura da Porta Santa, que assinala o começo do Ano Santo de São Tiago, uno-me espiritualmente aos pastores e fiéis dessa Arquidiocese de Santiago de Compostela, assim como aos peregrinos provenientes dos mais variados lugares da Galiza e de todo o orbe cristão, que acorrem ao Pórtico da Glória com a esperança de cruzar o limiar da graça. Querem assim dar cumprimento aos seus anelos de reconciliação, de se encontrarem com o Senhor e fortalecerem a sua fé, a exemplo e por intercessão do Apóstolo São Tiago, testemunha e mártir do Evangelho. O Jubileu que agora se inaugura, e que tem como lema «O Ano Jubilar de Compostela, pórtico do Ano Santo 2000», adquire um significado particular por se celebrar no último período de um século e no alvorecer do Terceiro Milénio, no qual a Igreja e a humanidade esperam novos desafios e novas intervenções divinas nas vicissitudes humanas (cf.Tertio millennio adveniente, 17). 

2. Ao longo dos séculos os diversos itinerários do «caminho de Santiago» foram percorridos por peregrinos, que caminhavam até ao então chamado «finis terrae», para alcançar o tão almejado «perdão» e, ao mesmo tempo, acolher de novo no seu coração a luz do Evanelho transmitido pelos Apóstolos. Como Abraão, deixavam a própria casa para ir em busca da terra que o Senhor haveria de mostrar-lhes (cf. Gn 12, 1), abandonavam as seguranças enganadoras do seu pequeno mundo, para se porem nas mãos do dom de Deus. No final do trajecto encontravam a luz de Cristo, que é a autêntica esperança para a humanidade e a pátria verdadeira de todo o ser humano. Percorrido com este espírito, o caminho de Santiago chega a ser um verdadeiro processo de conversão e um progressivo desprendimento do homem velho, para se revestir do homem novo, «criado em conformidade com Deus na justiça e na santidade verdadeiras» (Ef 4, 24).

 3. Tendo bem presentes as inesquecíveis recordações das minhas anteriores visitas a Santiago, nestes momentos penso nos homens e mulheres, jovens e adultos, que da Galiza e da Espanha, da Europa e de além-mar se hão-de pôr em marcha até Compostela. Seguirão um caminho secular ritmado de magníficas obras de arte e de cultura, nas quais tantas gerações deixaram esculpido o testemunho da sua fé robusta. Encontrarão outras pessoas e terão a oportunidade de apreciar os variados costumes e culturas em que o ser humano pode expressar o melhor de si mesmo, abrindo- se assim a uma visão mais universal e a uma melhor compreensão dos diversos povos. Os gestos de cordialidade e acolhimento fraterno farão com que adquiram uma relevância especial aquelas palavras de Jesus: «a Mim mesmo o fizestes» (cf. Mt 25, 40). A meditação e a oração compassada ajudarão o peregrino a entrar dentro de si mesmo, para encontrar a verdade mais profunda do seu ser, fazendo assim um caminho interior que prepara o seu coração para receber as graças jubilares e abraçar o Santo, nesse gesto tradicional que simboliza o jubiloso acolhimento da fé em Cristo, que o maior dos Apóstolos pregou sem trégua, até dar a própria vida por ela (cf. Act 4, 33; 12, 2).

4. Este Ano Santo oferece ao nobre povo espanhol, que lançou profundas raízes cristãs sob a protecção do Apóstolo São Tiago, às Igrejas particulares e, de modo muito especial, a essa querida Arquidiocese de Compostela, uma ocasião propícia para impulsionar com renovado vigor o seu compromisso com os valores do Evangelho, propondo-os de maneira persuasiva às novas gerações e impregnando com eles a vida pessoal, familiar e social. Para isto se orientam as diversas actividades pastorais programadas para o Jubileu, entre as quais se deve destacar o Encontro Europeu de Jovens e o Congresso Eucarístico Nacional. São acontecimentos que manifestam a vitalidade da fé e o espírito evangelizador característicos de toda a comunidade fundada na pregação apostólica. Deste modo, o Jubileu de Compostela, ao mesmo tempo que distribui o pão do «perdão» e da graça, converte-se em foco luminoso de vida cristã e em reserva de energia para as novas vias de evangelização (cf. Discurso na praça diante da Catedral, 19 de Agosto de 1989, n. 2). 

5. Peço ao Todo-Poderoso por todos os que forem a Santiago, precisamente neste ano que a Igreja universal, ao preparar-se para o Grande Jubileu do Ano 2000, dedica a Deus, nosso «Pai celestial». Peço-lhe que os faça sentir o imenso amor que Ele tem por todos e cada um dos homens, e que lhes dê o valor necessário para retornar à casa paterna, a fim de receberem o paternal abraço de acolhimento e de perdão. Esta experiência da inefável misericórdia divina tornar-los-á testemunhas incansáveis, que sabem tornar presente a bondade de Deus e a fazem ressoar em opções concretas de amor e solidariedade com os irmãos (cf. Tertio millennio adve- niente, 50-51).

 Confio os frutos deste ano de São Tiago à nossa Mãe do Céu, que acompanhará os peregrinos no seu itinerário penitencial e os acolherá sorridente à sua chegada ao Pórtico da Glória. Com a sua ajuda, e pela poderosa intercessão do Apóstolo São Tiago, os queridos filhos da Galiza e da Espanha, assim como os que vierem de outras terras, pos- sam progredir material e espiritualmente, num clima de solidariedade para com os mais necessitados e de paz com todos.

Com estes votos, e em sinal de benevolência, concedo-lhes de bom grado a Bênção Apostólica.

Vaticano, 29 de Novembro de 1998, primeiro domingo do Advento.

 

 

top