The Holy See
back up
Search
riga

MENSAGEM DO DO PAPA JOÃO PAULO II 
AOS PARTICIPANTES NO XXI ENCONTRO 
DE ESPIRITUALIDADE PARA OS BISPOS 
PROMOVIDO PELO MOVIMENTO DOS FOCOLARINOS

 

 

 

Senhores Cardeais 
Venerados Irmãos no Episcopado

1. É-me grato dirigir-vos uma afectuosa e fraterna saudação, por ocasião do Encontro espiritual, que vos vê reunidos de várias partes do mundo, a fim de aprofundardes o vínculo de comunhão eclesial entre vós e com o Sucessor de Pedro, e de reflectirdes, no confronto entre as respectivas experiências pastorais, sobre alguns aspectos particulares da espiritualidade do Movimento dos Focolarinos da Unidade. 

Este vosso encontro anual oferece-me a grata oportunidade para fazer chegar a cada um dos participantes a certeza da minha proximidade espiritual e da minha lembrança na oração, a fim de que o próprio Cristo – que, como ressalta a Carta aos Hebreus, é «o Pastor supremo das ovelhas» (Hb 13, 20) – assista com a Sua graça os intensos trabalhos destes dias e vos acompanhe no vosso quotidiano ministério episcopal. 

2. Este vosso Encontro insere-se no contexto do caminho de preparação para o Grande Jubileu do Ano 2000. Já nos inserimos decididamente no segundo ano de preparação imediata para o Jubileu, no qual a Igreja é chamada a reflectir, de modo particular, sobre o Espírito Santo e a Sua presença santificadora no seio da Comunidade dos discípulos de Cristo. 

Como recordei na Carta Apostólica Tertio millennio adveniente, o próprio Espírito, que suscita na Igreja a multiplicidade dos carismas e dos ministérios, sustenta com a força divina que Lhe é própria a íntima conexão dos vários membros e anima a comunhão do inteiro Corpo de Cristo. «A unidade do Corpo de Cristo está fundada sobre a acção do Espírito, é garantida pelo ministério apostólico e sustentada pelo mútuo amor (cf. 1 Cor 13, 1-8)» (n. 47). As aprofundadas reflexões da vossa Reunião, enriquecidas também pelo amplo intercâmbio de experiências pastorais, constituem uma preciosa ocasião para captar, de modo mais intenso e vital, o sentido da colegialidade efectiva e afectiva e da comunhão eclesial, vivida de maneira concreta no serviço apostólico a vós confiado. 

3. O tema escolhido para o Encontro deste ano – «Rumo à unidade das nações e dos povos» – põe-se na esteira dos ensinamentos do Concílio Vaticano II, que reservou grande atenção à missão universal da Igreja, aberta aos vastos horizontes do mundo actual, para o qual é chamada a ser «sinal e instrumento da íntima união com Deus e da unidade de todo o género humano» (Lumen gentium, 1). A própria diversidade das zonas de onde provindes e nas quais fostes chamados a servir o Evangelho, põe em clara evidência a «catolicidade» da Igreja, a qual, formada por pessoas de várias nações, constitui o único Povo de Deus, remido por Cristo e animado pelo Espírito. 

No caminho rumo à plena unidade dos cristãos para a qual, não obstante as inúmeras tensões e dificuldades, se orienta a história guiada pela Providência divina, os sucessores dos Apóstolos são chamados a oferecer um próprio e peculiar contributo, através do tríplice ofício de ensinar, governar e santificar a porção do rebanho de Cristo a eles confiada.

4. Caros e venerados Irmãos! No vosso serviço de animação vos sirva de guia e apoio a materna intercessão da Virgem Maria. Como bem ressalta o ícone de Maria no Cenáculo com Pedro e os outros Apóstolos, reunidos à espera do Espírito Santo (cf. Act 1, 12), a tarefa apostólica e a missão da Mãe de Deus estão intimamente unidas e são complementares. O ideal de santidade, para a qual tende a inteira missão da Igreja, de facto já está preformado e prefigurado em Maria. 

A Igreja possui então, ao lado do «aspecto petrino», um insubstituível «aspecto mariano»: o primeiro manifesta a missão apostólica e pastoral que lhe foi confiada por Cristo; o segundo exprime a sua santidade e sua total adesão ao plano divino da salvação. «Esta união entre os dois aspectos da Igreja, mariano e petrino, é pois estreita, profunda e complementar» (Discurso à Cúria Romana, em Insegnamenti X/3 [1987], pág. 1484). 

Ao desejar às vossas Comunidades cristãs que reproponham com fidelidade este dúplice aspecto da Igreja, «mariano» e «petrino», confio os frutos espirituais do vosso Encontro à protecção materna da Virgem Maria, Rainha dos Apóstolos e Mãe da Unidade, enquanto com afecto concedo a cada um de vós a minha Bênção. 

Vaticano, 14 de Fevereiro – Festa dos Santos Cirilo e Metódio, Padroeiros da Europa – do ano de 1998, vigésimo de Pontificado.

 

 

top