The Holy See
back up
Search
riga
JOĆO PAULO II

Discurso no Encontro com o mundo da cultura, na Universidade de Havana

23 de Janeiro de 1998

 

Senhor Presidente da República, muito obrigado pela sua presença!
Senhores Cardeais e Bispos
Autoridades universitárias
Ilustres Senhoras e Senhores

1. É-me grato encontrar-me convosco neste venerável recinto da Universidade de Havana. Transmito a todos a minha afectuosa saudação e, em primeiro lugar, quero agradecer as palavras que o Senhor Cardeal Jaime Ortega y Alamino quis dirigir-me em nome de todos para me dar as boas-vindas, assim como a amável saudação do Senhor Reitor desta Universidade, que me acolheu nesta Sala Magna. Aqui estão conservados os restos mortais do grande sacerdote e patriota, o Servo de Deus Padre Félix Varela, diante dos quais rezei. Obrigado, Senhor Reitor, por me apresentar esta distinta assembleia de mulheres e homens que se prodigalizam pela promoção da cultura genuína nesta nobre nação cubana.

2. A cultura é a forma peculiar com que os homens expressam e desenvolvem os próprios relacionamentos com a criação, entre eles mesmos e com Deus, formando o conjunto de valores que caracterizam um povo e os traços que o definem. Assim compreendida, a cultura tem uma importância fundamental para a vida das nações e o cultivo dos valores humanos mais autênticos. A Igreja, que acompanha o homem no seu caminho, se abre para a vida social e busca os espaços para a sua obra evangelizadora, aproxima-se da cultura com a sua palavra e acção.

A Igreja católica não se identifica com qualquer cultura em particular, mas aproxima-se de todas elas com espírito aberto. Ao propor com respeito a sua própria visão do homem e dos valores, ela contribui para a crescente humanização da sociedade. Na evangelização da cultura, é Cristo mesmo que actua através da sua Igreja, dado que com a sua Encarnação «entra na cultura» e «traz para cada cultura histórica o dom da purificação e da plenitude» (Conclusões de Santo Domingo, 228)

«Todas as culturas são um esforço de reflexão sobre o mistério do mundo e, em particular, sobre o mistério do homem: é uma maneira de dar expressão à dimensão transcendente da vida humana» (Discurso por ocasião do 50º Aniversário da Organização das Nações Unidas, 5 de Outubro de 1995, ed. port. de L'Osservatore Romano de 14.X.95, pág. 4, n. 9). Respeitando e promovendo a cultura, a Igreja respeita e promove o homem: o homem que se esforça por tornar a sua vida mais humana, aproximando-a do mistério escondido de Deus, ainda que seja às apalpadelas. Toda a cultura tem um íntimo núcleo de convicções religiosas e de valores morais, que constitui como que a sua «alma»; é ali que Cristo quer chegar com a força purificadora da sua graça. A evangelização da cultura é como que uma elevação da sua «alma religiosa», que lhe infunde um dinamismo novo e poderoso, o dinamismo do Espírito Santo, que a leva à máxima actualização das suas potencialidades humanas. Em Cristo, toda a cultura se sente profundamente respeitada, valorizada e amada; porque toda a cultura, no mais autêntico de si mesma, está sempre aberta aos tesouros da Redenção.

3. Em virtude da sua história e situação geográfica, Cuba tem uma cultura própria, cuja formação recebeu diversas influências: a hispânica, que trouxe o catolicismo; a africana, cuja religiosidade foi permeada pelo cristianismo; a dos diferentes grupos de imigrantes; e a propriamente americana. É justo recordar a influência que o Seminário de São Carlos e Santo Ambrósio de Havana teve no desenvolvimento da cultura nacional, sob a influência de figuras como José Agustín Caballero, chamado Martí, «pai dos pobres e da nossa filosofia», e o Padre Félix Varela, verdadeiro pai da cultura cubana. A superficialidade ou o anticlericalismo de alguns sectores naquela época não são genuinamente representativos daquilo que tem sido a verdadeira idiossincrasia deste povo, que na sua história considerou a fé católica como fonte dos ricos valores cubanos que, juntamente com as expressões típicas, as canções populares, as controvérsias camponesas e o adagiário popular, tem uma profunda matriz cristã, que hoje é uma riqueza e uma realidade constitutiva da nação.

4. Ilustre filho desta terra é o Padre Félix Varela y Morales, por muitos considerado como pedra fundamental da nacionalidade cubana. Na sua pessoa, ele mesmo é a melhor síntese que podemos encontrar entre fé cristã e cultura cubana. Exemplar sacerdote havanês e patriota indiscutível, foi um pensador insigne que renovou na Cuba do século XIX os métodos pedagógicos e os conteúdos do ensino filosófico, jurídico, científico e teológico. Mestre de gerações de cubanos, ensinou que para assumir de modo responsável a existência, é preciso aprender em primeiro lugar a difícil arte de pensar correctamente e com a própria cabeça. Ele foi o primeiro a falar de independência nestas terras. Falou também de democracia, considerando-a como o projecto político mais harmonioso com a natureza humana, ressaltando ao mesmo tempo as exigências que dela derivam. Entre estas exigências, ressaltava duas: a necesssidade de pessoas educadas para a liberdade e a responsabilidade, com um projecto ético forjado no seu interior, que assumam o melhor da herança da civilização e os perenes valores transcendentais, para serem assim capazes de empreender tarefas decisivas ao serviço da comunidade; e, em segundo lugar, que as relações humanas, bem como o estilo de convivência social, favoreçam os devidos espaços onde cada pessoa possa, com os necessários respeito e solidariedade, desempenhar o papel histórico que lhe corresponde para dinamizar o Estado de Direito, garantia essencial de toda a convivência humana que quiser considerar-se democrática.

O Padre Varela estava consciente de que, no seu tempo, a independência era um ideal ainda inatingível; por isso, dedicou-se à formação de pessoas, homens de consciência, que não fossem soberbos com os débeis, nem fracos com os poderosos. Exilado em Nova Iorque, fez uso dos instrumentos que estavam ao seu alcance: a correspondência pessoal, a imprensa e aquilo que poderíamos considerar a sua obra máxima, as Cartas a Elpídio, sobre a impiedade, a superstição e o fanatismo nas suas relações com a sociedade, verdadeiro monumento de ensinamento moral, que constitui a sua preciosa herança à juventude cubana. Durante os últimos trinta anos da sua vida, afastado da cátedra cubana, continuou a ensinar à distância, gerando deste modo uma escola de pensamento, um estilo de convivência social e uma atitude para com a pátria que, também hoje, devem iluminar todos os cubanos.

A vida inteira do Padre Varela inspirou-se numa profunda espiritualidade cristã. Esta constitui a sua motivação mais forte, o manancial das suas virtudes, a raiz do seu compromisso com a Igreja e com Cuba: buscar a glória de Deus em tudo. Isto levou-o a crer na força do pequeno, na eficácia das sementes da verdade, na conveniência de que as transformações se realizassem com a devida gradualidade, até chegar às grandes e autênticas reformas. Quando se encontrava no final do seu caminho, alguns momentos antes de fechar os olhos para a luz deste mundo e de os abrir para a Luz inextinguível, cumpriu a promessa que sempre fizera: «Guiado pela tocha da fé, caminho rumo ao túmulo em cuja borda espero fazer, com a graça divina e com o último suspiro, uma profissão da minha fé firme e um voto ardoroso pela prosperidade da minha pátria» (Cartas a Elpídio, tomo I, carta 6, pág. 182).

5. Esta é a herança que o Padre Varela deixou. O bem da sua pátria continua a necessitar da luz sem ocaso, que é Cristo. Cristo é o caminho que guia o homem para a plenitude das suas dimensões, o caminho que leva a uma sociedade mais justa, livre, humana e solidária. O amor a Cristo e a Cuba, que iluminou a vida do Padre Varela, está na raiz mais profunda da cultura cubana. Recordai-vos da tocha que aparece no escudo desta Casa de estudos: não é apenas memória, mas também projecto. Os propósitos e as origens desta Universidade, a sua trajectória e a sua herança, assinalam a sua vocação de ser mãe de sabedoria e de liberdade, inspiradora de fé e de justiça, crisol em que se fundem ciência e consciência, mestra de universalidade e de espírito cubano.

A tocha acesa pelo Padre Varela, que haveria de iluminar a história do povo cubano, foi recolhida logo depois da sua morte por esta personalidade relevante da nação que é José Martí: escritor e mestre no sentido mais pleno da palavra, profundamente democrático e independentista, patriota, amigo leal até mesmo daqueles que não compartilhavam o seu programa político. Ele foi sobretudo um homem de luz, coerente com os seus valores éticos e animado por uma espiritualidade de raiz eminentemente cristã. É considerado como um continuador do pensamento do Padre Varela, a quem chamava «o santo cubano».

6. Nesta Universidade conservam-se os restos mortais do Padre Varela, como um dos seus tesouros mais preciosos. Em toda a parte em Cuba são visíveis os monumentos que a veneração dos cubanos levantou a José Martí. Estou convencido de que este povo herdou as virtudes humanas de matriz cristã de ambos estes homens, pois todos os cubanos compartilham solidariamente o seu legado cultural. Em Cuba pode-se falar de um fecundo diálogo cultural, que é garantia de um crescimento mais harmonioso e de um incremento de iniciativas e de criatividade da sociedade civil. Neste país, a maior parte dos artífices da cultura – católicos e não-católicos, crentes e não-crentes – são homens de diálogo, capazes de propor e de escutar. Encorajo-vos a continuar os vossos esforços no sentido de encontrar uma síntese com que todos os cubanos possam identificar-se; a buscar o modo de consolidar uma identidade cubana harmoniosa, que possa integrar no seu seio as múltiplas tradições nacionais. Se estiver aberta à Verdade, a cultura cubana garantirá a sua identidade nacional e fá-la-á crescer em humanidade.

A Igreja e as instituições culturais da nação devem encontrar-se no diálogo e, assim, cooperar para o desenvolvimento da cultura cubana. Ambas possuem um caminho e uma finalidade comuns: servir o homem, cultivar todas as dimensões do seu espírito e fecundar a partir de dentro todas as suas relações comunitárias e sociais. As iniciativas já existentes neste sentido devem encontrar apoio e continuidade numa pastoral para a cultura, em diálogo permanente com pessoas e instituições do âmbito intelectual.

Peregrino numa nação como a vossa, com a riqueza de uma herança mestiça e cristã, faço votos por que no porvir os cubanos alcancem uma civilização da justiça e da solidariedade, da liberdade e da verdade, uma civilização do amor e da paz que, como dizia o Padre Varela, «constitua o fundamento do grande edifício da nossa felicidade». Por isso, permiti-me pôr de novo nas mãos da juventude cubana aquela herança, sempre necessária e actual, do Pai da cultura cubana; aquela missão que o Padre Varela recomendou aos seus discípulos: «Dizei-lhes que eles são a doce esperança da pátria e que não há pátria sem virtude, nem virtude com impiedade».

 

© Copyright 1998 - Libreria Editrice Vaticana

   

top