The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AOS PARTICIPANTES NA 59ª ASSEMBLEIA
 SEMESTRAL DA R.O.A.C.O.

16 de Junho de 1998

 

 

Senhor Cardeal
Venerados Coirmãos no Episcopado e no Sacerdócio
Estimados Membros e Amigos da R.O.A.C.O.

1. Apresento a todos vós as minhas cordiais boas-vindas, por ocasião da vossa visita durante a segunda Assembleia anual da R.O.A.C.O. Saúdo, antes de tudo, o Senhor Cardeal Achille Silvestrini e agradeço-lhe as cordiais palavras, com que quis exprimir os vossos sentimentos, indicando ao mesmo tempo as múltiplas actividades em que estais empenhados.

Com ele saúdo o Secretário da Congregação para as Igrejas Orientais, o Arcebispo D. Miroslav Stefan Marusyn, a quem renovo a minha cordial felicitação pelo 50° aniversário de Ordenação sacerdotal. A minha saudação estende-se depois ao Subsecretário, Mons. Cláudio Gugerotti, a todos os Oficiais e ao Pessoal do Dicastério e, de igual modo, aos Membros e aos Amigos da R.O.A.C.O.

Ao dirigir o olhar para os territórios aos quais dedicais a vossa solicitude, não posso deixar de reafirmar os bons votos de um solução justa e pacífica das tensões emersas nas semanas passadas entre a Etiópia e a Eritreia. Digne-se o Senhor iluminar os responsáveis das Nações irmãs e todos aqueles que se esforçam, com generosidade, na busca de uma composição negociada das respectivas exigências.

2. Celebrámos há pouco, com grande alegria da Igreja inteira, a proclamação de dois novos Beatos ligados às Igrejas Orientais, os quais testemunharam com amor e coragem a sua plena fidelidade a Cristo e à Igreja católica.

Trata-se, em primeiro lugar, do Mártir Vicente Eugénio Bossilkov, Bispo e religioso passionista, beatificado a 15 de Março passado. Mensageiro intrépido da cruz de Cristo, ele é uma das inúmeras vítimas que o regime comunista ateu sacrificou, na Bulgária como noutras partes, na sua vontade de exterminar a Igreja. Hoje ele propõe-se a nós e aos filhos da Igrejas do Oriente como exemplar e luminosa figura, não só pela sua vasta cultura, mas sobretudo pelo constante anseio ecuménico e a heróica dedicação em defesa do seu rebanho, no apego à Sé de Pedro.

No monge Nimatullah Kassab Al-Hardini, da Ordem Libanesa Maronita, elevado às honras dos altares no dia 10 de Maio passado, eu quis recordar a todos o valor da vida monástica. Como tive a ocasião de dizer naquela feliz circunstância, o novo Beato é um sinal de esperança para todos os cristãos no Líbano, mas é também um convite para que aquela Nação, que tive a alegria de visitar precisamente há um ano, possa continuar a ser rica de testemunhas e de santos, propondo-se, graças à generosa inculturação da fé, como terra em que florescem a justiça, a paz e a convivência. O Beato Al-Hardini é uma ilustre testemunha do monaquismo, entendido como exemplaridade de vida baptismal. Espero que ele seja para os jovens e as jovens das Igrejas católicas orientais um encorajamento a recuperarem a sua identidade, a viverem plenamente a riqueza das suas tradições, a haurirem com sabedoria da Liturgia divina e da contemplação a força do Mistério que salva.

3. Escrevi na Orientale lumen: «Quando Deus chama de uma forma total como na vida monástica, então a pessoa pode atingir o ponto mais elevado de tudo aquilo que a sensibilidade, cultura e espiritualidade são capazes de exprimir... Para as Igrejas Orientais o monaquismo constituiu uma experiência essencial e que ainda hoje floresce nelas, logo que termina a perseguição e os corações podem elevar-se livremente para os céus» (n. 9).

Faço votos por que esta exemplaridade constitua uma referência válida para todos os seminaristas, os sacerdotes, os religiosos e as religiosas, que também em Roma se estão a preparar, no discernimento vocacional, para as suas tarefas eclesiais e para os quais a Congregação para as Igrejas Orientais muito dedica das suas energias.

Faz parte deste empenho do Dicastério a instituição do Colégio São Bento, onde sacerdotes, de ritos diversos mas de língua árabe, encontram um lugar adequado para os estudos, a oração e um oportuno confronto com novas experiências pastorais. A reestruturação do precedente Seminário Ucraniano Menor na «Via Boccea», com a criação do Pontifício Instituto Ucraniano Santa Maria do Patrocínio, consentirá acolher proximamente de novo candidatos ao sacerdócio, que estão a aperfeiçoar os seus estudos nas disciplinas eclesiásticas. Também as estruturas que se estão a predispor para a formação teológica e a qualificação pastoral das religiosas orientais, que para isto são enviadas a Roma, concorrerão para responder a uma urgência já iniludível.

Exorto-vos, estimados Amigos da R.O.A.C.O., a compartilhar sempre mais com a vossa participação esta fundamental actividade de formação, expressa para com aqueles que serão os guias das Comunidades católicas no Oriente.

4. Estamos a caminhar rumo ao Grande Jubileu do Ano 2000 e o próximo ano de 1999 será consagrado à reflexão sobre o Pai celeste. Concluir-se-á, assim, esta imediata preparação para o evento jubilar que nos convida a encontrar- nos, com renovada fidelidade e aprofundada conversão, às margens do «rio» da Revelação, do cristianismo e da Igreja, que corre através da história da humanidade a partir de quanto aconteceu há dois mil anos em Nazaré e, depois, em Belém. É verdadeiramente o «rio» que, com os seus «canais», segundo a expressão do Salmo, «alegra a cidade de Deus» (46[45], 5).

A atitude dos cristãos para com a Terra Santa desenvolveu-se de modo análogo ao da história da oração litúrgica da Igreja: assim como o ano litúrgico distribuiu gradualmente em dias diversos quanto já estava contido no Domingo, Páscoa da semana, assim também os lugares onde viveu e actuou o nosso Salvador se tornaram os traços de um singular itinerário espiritual, que ajuda a repercorrer os passos de Deus, que Se fez homem e vítima de amor para a salva ção do mundo.

A ajuda e o apoio à Terra Santa não são apenas em função da recordação dos lugares e tempos em que viveu o Senhor Jesus: eles têm em vista sobretudo alimentar nos fiéis uma atitude espiritual que, naquele que a vive com intensidade interior, se traduz num caminho de fé rumo àquele ápice de toda a experiência cristã, que o Apóstolo das gentes exprime nas palavras: «Mihi vivere Christus est».

5. Sei que através das competências de cada Agência, a Congregação para as Igrejas Orientais, juntamente com a Custódia da Terra Santa, realiza uma actividade de síntese e recordação da caridade de todos. A vós está confiada a tarefa de estar presentes, em nome da cristandade, na sustentação da vida eclesial e no socorro às necessidades socioculturais daqueles lugares, que são caros ao coração de quantos crêem no Verbo de Deus encarnado. Renovo a vós, e por vosso intermédio à Igreja inteira espalhada pelo mundo, o convite a manter alto o empenho ao serviço da Terra de nosso Salvador.

Acompanhe-vos neste vosso trabalho a constante assistência divina e a materna protecção da Virgem de Nazaré. Também eu estou junto de vós e, de coração, concedo-vos a minha Bênção, que de bom grado faço extensiva às Obras que aqui representais e a todos os destinatários da vossa actividade.

 

 

 

top