The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AOS PARTICIPANTES NO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES
 FAMILIARES CATÓLICAS DA ITÁLIA

27 de Junho de 1998

 

 

Venerados Irmãos no Episcopado
e queridos representantes do Fórum
das Associações Familiares!

1. Sinto muita alegria ao saudar-vos com as palavras da Familiaris consortio: «Família, torna-te aquilo que és!» (n. 17). Elas indicam de modo eficaz o objectivo pelo qual despendeis com generosidade as vossas inteligências e as energias.

Saúdo D. Giuseppe Anfossi e agradeço-lhe ter-se feito intérprete dos vossos sentimentos, ilustrando as finalidades do Fórum das Associações Familiares Católicas da Itália, das quais constituís uma importante representação. Um agradecimento sentido a todos vós por esta visita, com a qual quereis renovar a vossa adesão ao Sucessor de Pedro.

Sei que trabalhais sem vos cansardes, com as 38 Associações e os Comités regionais que aderem ao Fórum, para que as famílias italianas exprimam e desenvolvam plenamente, também nos planos cultural, social e político, a sua identidade e a sua missão. Para esta finalidade pusestes muito oportunamente na base do vosso Estatuto a Carta dos direitos da família, e no decorrer de poucos anos a vossa Associação soube conquistar ampla estima e consideração, tornando-se porta-voz pontual e corajoso das necessidades e das legítimas instâncias de milhões de famílias italianas e interlocutor sério e crível das várias forças sociais e políticas. A Igreja vê em vós uma grande esperança para o presente e para o futuro das famílias na Itália.

2. A situação da Itália, e de tantas outras partes do mundo, é caracterizada por desafios radicais, que devem ser enfrentados com coragem e unidade de propósitos. A família constitui também hoje o recurso mais precioso e mais importante de que dispõe a Nação italiana, a mim tão cara. A grandíssima maioria dos italianos crê profundamente na família e nos seus valores e esta confiança é compartilhada pelas jovens gerações. É incalculável o contributo que as famílias dão à vida social, ocupando-se de graves dificuldades, tais como o difundido desemprego juvenil e as carências do sistema previdencial e sanitário.

Entretanto, a família é muito pouco ajudada, devido à debilidade e ao carácter aleatório das políticas familiares, que com muita frequência não a sustentam de modo adequado, nem económica nem socialmente. É necessário recordar aqui a clara norma da Constituição italiana, que afirma: «A República facilita, com medidas económicas e outras providências, a formação da família e o cumprimento das tarefas relativas». A forte diminuição da natalidade que há muitos anos aflige o povo italiano, e está a começar a ter efeitos deletérios sobre a vida social, deveria fazer reflectir sobre quanto a ausência de uma efectiva política em prol da família é contrária aos verdadeiros interesses da Nação.

Mas, ainda mais preocupante é o ataque directo à instituição familiar que se está a desenvolver, tanto a nível cultural como nos âmbitos político, legislativo e administrativo. Ele ignora ou distorce o significado da norma constitucional, com a qual a República italiana «reconhece os direitos da família como sociedade natural fundada no matrimónio» (art. 29). Com efeito, é clara a tendência a equiparar à família outras e bem diversas formas de convivência, prescindindo de considerações fundamentais de ordem ética e antropológica. E são de igual modo explícitas e actuais as tentativas de dar dignidade de lei a formas de procriação, que prescindem do vínculo conjugal e não tutelam suficientemente os embriões. Além disso, permanece em toda a sua trágica gravidade a ferida à consciência moral e jurídica, constituída pela lei sobre o aborto voluntário.

3. Precisamente a radicalidade dos desafios em curso exalta a importância e a função do Fórum das Associações Familiares. Graças a ele múltiplas realidades associativas, cada uma com a sua específica vocação e tradição, podem colaborar de maneira eficaz para a defesa e a promoção da família.

Ao haurirdes a linfa vital da espiritualidade familiar e ao inserirdes no concreto das situações as orientações que provêm da doutrina social cristã, vós sois chamados a um empenho que, antes de tudo, é de ordem moral e cultural, para ajudar os homens e as mulheres do nosso tempo a compreenderem de modo mais profundo e a viverem, com impulso e estilo renovados, a grande tradição cristã e civil da Itália, centralizada no significado e no valor da família. Seria errado considerar a progressiva dissolução da família como um fenómeno inevitável, que quase automaticamente acompanha o desenvolvimento económico e tecnológico. Ao contrário, o destino da família está confiado, antes de tudo, à consciência e ao empenho responsável de cada um, às convicções e aos valores que vivem dentro de nós. É preciso, pois, dirigir-se sempre, com confiança suplicante Àquele que pode mudar os corações e as mentes dos homens.

Mas justamente vós dedicais uma atenção não menor às leis e às instituições, nas quais se exprimem e pelas quais são sustentadas, ou então prejudicadas, a cultura e as convicções morais de um povo. Caríssimos Irmãos e Irm ãs, continuai e intensificai a vossa acção, em todas as sedes e a todos os níveis, para que sejam reconhecidos em concreto aqueles direitos que à família pertencem de modo nativo. Ao fazerdes assim, pondes em prática o princípio segundo o qual as famílias «devem ser as primeiras a esforçar-se, a fim de que as leis e as instituições não só não ofendam, mas sustentem e defendam de maneira positiva os direitos e os deveres da família», crescendo assim na consciência de serem protagonistas da «política familiar » (cf. Familiaris consortio, 44).

4. Na vossa obra a favor da família, caros representantes do Fórum, tendes o pleno apoio da comunidade eclesial e dos seus Pastores, bem cônscios de que a família é «a primeira e vital célula da sociedade» e «o santuário doméstico da Igreja» (Apostolicam actuositatem, 11) e, em particular, que «hoje em torno da família e da vida se desenvolve a luta fundamental da dignidade do homem» (Discurso de 3 de Outubro de 1997 ao Congresso Teológico-Pastoral do Rio de Janeiro, n. 3).

A Igreja não pode subtrair-se a este desafio, pois o homem, na plena verdade da sua existência, «é o primeiro caminho que a Igreja deve percorrer no cumprimento da sua missão» (Redemptor hominis, 14). Compete-lhe, portanto, como escreveu o meu Predecessor João XXIII, de venerada memória, «o direito e o dever não só de tutelar os princípios da ordem ética e religiosa, mas também de intervir de maneira autorizada na esfera da ordem temporal, quando se trata de julgar a respeito da aplicação desses princípios aos casos concretos» (Mater et magistra, 220).

O testemunho da comunidade cristã em favor da família exprime-se, além disso, de maneira significativa através daqueles meios de comunicação social que sabem intervir com clareza no debate cultural e político, propondo e motivando ideias e posições genuinamente conformes à natureza e às tarefas da instituição familiar.

5. São depois evidentes, neste campo, as responsabilidades dos homens políticos. Compete-lhes promover uma legislação e sustentar uma acção de governo, que respeitem os critérios éticos fundamentais (cf. Evangelium vitae, 71-73), sem ceder àquele relativismo que, com o pretexto de defender a liberdade e a democracia, na realidade acaba por as privar da sua base sólida (cf. Centesimus annus, 46; Veritatis splendor, 99; Evangelium vitae, 70). Em nenhum caso, portanto, o legislador que queira actuar em sintonia com a recta consciência moral poderá contribuir para a criação de leis, que contrastem com os direitos essenciais da família fundada sobre o matrimónio.

Parece indispensável, neste campo, um amplo e tenaz empenho de sensibilização e esclarecimento. Portanto, dedicais-vos oportunamente a esta não fácil mas profética tarefa, a fim de que os homens e as forças políticas saibam convergir para aquilo que é conforme à dignidade das pessoas e ao bem comum da sociedade humana, superando posições partidárias ou vínculos de outra natureza.

Caros representantes do Fórum das Associações Familiares, enquanto mais uma vez vos agradeço o trabalho que realizais com tanta paixão e coragem, imploro para vós e para todos os vossos associados os dons do conselho e da fortaleza, para prosseguirdes e desenvolverdes a obra que tão bem empreendestes. A Virgem Santíssima, Mãe da Esperança, vos ampare e vos ajude. Da minha parte, acompanho-vos com a minha oração e, em penhor do meu afecto, concedo-vos de coração uma especial Bênção Apostólica, propiciadora da protecção e do conforto do Senhor.

 

 

 

top