The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II 
AO TERCEIRO GRUPO DE BISPOS ESTADUNIDENSES 
EM VISITA "AD LIMINA APOSTOLORUM"

17 de Março de 1998

 

 

Caros Cardeais Hickey e Keeler
Queridos Irmãos Bispos 

1. Dou-vos as boas-vindas, Pastores das Províncias Eclesiásticas de Baltimore, Washington, Atlanta e Miami. A vossa visita ad Limina é um tempo de graça, pois orais junto dos túmulos dos Apóstolos Pedro e Paulo que, sem temor, proclamaram até ao martírio a Boa Nova da salvação. Ao confiar-lhes a vossa missão pastoral de anunciar a «insondável riqueza de Cristo» e de tornar conhecido «o cumprimento do mistério escondido desde tempos antigos em Deus» (Ef 3, 8-9), tende a certeza de que não estais sozinhos no cumprimento da vossa missão. O Senhor dá a força e os meios necessários para cumprirdes o Seu mandato: «anunciai a Boa Nova a toda a criatura» (Mc 16, 15). 

Durante os meus encontros com os primeiros dois grupos de Bispos do vosso País, reflectimos juntos sobre o acolhimento na vossa terra da grande graça do Concílio Vaticano II. Nessas reflexões fiz referência a dois elementos essenciais do vosso ministério episcopal no contexto cultural dos Estados Unidos. Em primeiro lugar, visto que a mensagem que anunciamos pertence a Deus e não a nós, tudo na vida da Igreja deve corresponder ao «bom depósito» confiado pelo «Espírito Santo que habita em nós» (2 Tm 1, 14). Em segundo lugar, o objectivo do nosso ministério é conduzir os membros da Igreja a uma comunhão viva com Deus e com os outros. Esta communio, segundo o Concílio, é o centro autêntico da ideia que a Igreja tem de si mesma. 

Neste encontro, quereria reflectir convosco sobre a verdade do facto que a Igreja peregrina é missionária por sua natureza, pois a comunidade universal dos seguidores de Cristo, presente e viva através das Igrejas particulares, é a continuação no tempo da missão eterna do Filho e do Espírito Santo (cf. Ad gentes, 2). Enquanto a Igreja inteira se prepara para o Grande Jubileu do Ano 2000, tenho a certeza que procurareis renovar nas vossas comunidades um sentido vital e dinâmico da missão da Igreja, a fim de que este tempo de graça possa ser uma nova primavera para o Evangelho. Estas são as esperanças e a determinação que inspiraram a recente Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a América, que lançou um convincente apelo à conversão, à comunhão e à solidariedade. Estas mesmas esperança e determinação inspiram aquilo que escrevestes no vosso Plano Nacional e Estratégia Nacional para a Evangelização Católica nos Estados Unidos, «Ir e fazer discípulos», que é uma válida e significativa guia para o vosso empenho de «suscitar em todos os católicos esse entusiasmo para com a própria fé que, ao vivê-la em Jesus, a compartilhamos com os outros» (loc. cit., 1). 

2. Nesse Documento insistis justamente sobre o facto que «a evangelização só pode ser realizada, se as pessoas aceitarem o Evangelho livremente como "Boa Nova", como de facto quer ser por causa da força do Evangelho e da correpondente graça de Cristo». A Evangelização é o esforço da Igreja de proclamar a todos que Deus os ama, que ofereceu a própria vida por eles em Jesus Cristo e os convida a uma vida eterna de felicidade. Uma vez que este Evangelho for aceite como «Boa Nova», será necessário compartilhá-lo. Todos os cristãos baptizados devem empenhar-se na evangelização, conscientes do facto que Deus já está a actuar na mente e no coração de quem O escuta, tal como quando sugeriu ao Etíope que pedisse o Baptismo enquanto Filipe lhe anunciava a «Boa Nova de Jesus» (Act 8, 35). A evangelização é, pois, parte do grande mistério da auto-revelação de Deus ao mundo: ela implica o esforço humano de anunciar o Evangelho e a poderosa obra do Espírito Santo naqueles que acolhem a Sua mensagem salvífica. Dado que estamos a anunciar o mistério, somos os servidores de um dom sobrenatural que supera tudo o que a nossa mente humana pode compreender ou explicar completamente e que, contudo, atrai graças à sua lógica interna e à sua beleza. 

3. O espírito da nova evangelização deveria impregnar todos os aspectos da vossa doutrina, do vosso ensinamento e da vossa catequese. Estas tarefas requerem um esforço vital para chegar a uma compreensão mais profunda dos mistérios da fé e para encontrar uma linguagem adequada, com a qual seja possível persuadir os nossos contemporâneos do facto que são chamados a uma vida nova, através do amor de Deus. Visto que o amor só pode ser compreendido por quem realmente ama, o mistério cristão pode ser comunicado de modo eficaz só a quantos permitem a si mesmos fazer-se possuir de maneira autêntica pelo amor de Deus. Por isto, a transmissão da fé, segundo a tradição da Igreja, necessita de um ambiente espiritual de amizade com Deus, enraizada no amor que um dia encontrará a sua plena realização na contemplação do próprio Deus. Todos têm um papel a desempenhar neste grande esforço. A vossa tarefa é inspirar os sacerdotes, os diáconos, os religiosos e os fiéis a serem corajosos e convincentes em compartilhar a própria fé com os outros. Ao anunciarem o Evangelho, os cristãos ajudam os outros a satisfazerem aquela aspiração à plenitude de vida e à verdade presente em cada coração humano. 

4. A paróquia será necessariamente o centro da nova evangelização e, por isso, a vida paroquial deve ser renovada em todas as suas dimensões. Durante as visitas às paróquias, realizadas como Arcebispo de Cracóvia, sempre procurei ressaltar que a paróquia não é uma reunião acidental de cristãos que, por acaso, moram no mesmo bairro. Antes, precisamente porque a paróquia torna presente e, num certo sentido, encarna o Corpo Místico de Cristo, nela se deve exercer o tríplice munus («ofício») de Cristo como Profeta, Sacerdote e Rei. Por esta razão, a paróquia deve ser um lugar em que, através do culto em comunhão de doutrina e de vida com o Bispo e com a Igreja universal, os membros do Corpo de Cristo são formados para a evangelização e para as obras de amor cristão. Uma paróquia realiza numerosas actividades. Contudo, nenhuma é tão vital ou formativa a nível comunitário, quanto a celebração dominical do Dia do Senhor e da sua Eucaristia (cf. Catecismo da Igreja Católica, n. 2177). Através da recepção regular e fervorosa dos Sacramentos, o povo de Deus chega a conhecer a plenitude da dignidade cristã que lhe pertence graças ao Baptismo; ele é elevado e transformado. Graças à escuta atenta das Escrituras e à sã instrução na fé, ele torna-se capaz de experimentar a própria vida e a da paróquia, como partilha dinâmica da história da salvação. Esta experiência, por sua vez, torna-se um motivo eficaz de evangelização.

Tudo o que fazeis para assegurar a celebração digna e correcta da Eucaristia e dos outros Sacramentos, precisamente porque leva os fiéis a um encontro profundo e transformador com Deus, edifica a Igreja na sua vida interna e como sinal visível de salvação do mundo. A pregação e a catequese deveriam ressaltar que é a graça dos Sacramentos que nos permite viver segundo as exigências do Evangelho. A adoração da Eucaristia fora da Missa consente um apreço mais profundo do dom que Cristo nos oferece no seu Corpo e no seu Sangue, no santo Sacrifício do altar. O encorajamento a recorrer com frequência ao sacramento da Penitência faz aumentar a maturidade espiritual de todos os paroquianos, enquanto procuram empenhar-se por testemunhar a verdade do Evangelho na vida privada e pública.

5. A força da vida paroquial no vosso País pode ser avaliada sobretudo pelo modo como as famílias transmitem a fé a cada geração sucessiva e pelo sistema essencial e eficiente das escolas católicas, que vós e os vossos predecessores edificastes e sustentastes à custa de grandes sacrifícios. Como sacerdote e Bispo, sempre estive convicto de que o ministério para com as famílias é uma dimensão extremamente importante da missão evangelizadora da Igreja, pois «a própria família é o primeiro lugar e o mais apropriado para o ensinamento da verdade da fé, a prática das virtudes cristãs e dos valores essenciais da vida humana» (Discurso na Praça de Nossa Senhora de Guadalupe, Santo António, 13/9/1987, n. 4). As escolas católicas, por sua vez, devem possuir uma própria e específica identidade católica, e quantos as administram e nelas ensinam têm a responsabilidade de sustentar e comunicar as verdades, os valores e os ideais que constituem uma autêntica educação católica. 

Muitas das vossas paróquias estão empenhadas em atrair à prática da fé os católicos inactivos e em atingir todos os que estão em busca da verdade do Evangelho. Estes esforços são a profunda expressão da natureza essencialmente missionária da Igreja, natureza que deveria caracterizar cada comunidade paroquial. Tenho conhecimento da complexidade da vida paroquial nos Estados Unidos e da enormidade de trabalho sustentada pelos sacerdotes, diáconos, religiosos e leigos diante do desafio quotidiano de estimular o povo de Deus a viver o Evangelho de maneira mais plena e a edificar uma sociedade impregnada dos valores cristãos. Estai próximos daqueles que trabalham nas paróquias, sustentando-os com as vossas orações e com sábios conselhos, esforçando-vos por criar em cada um deles o sensus Ecclesiae, o sentido vivo do que significa em termos práticos pertencer à Igreja. 

6. Por ocasião da recente Assembleia Sinodal para a América, os Bispos exortaram todos os fiéis a serem «evangelistas do novo milénio», testemunhando a fé com a própria vida de santidade, com cortesia para com todos, caridade para com aquele que se encontra em necessidade e solidariedade com os oprimidos (cf. Mensagem à América, n. 30). Ao viver a fé, ao comunicá-la aos outros numa cultura que tende a enfrentar as convicções religiosas só como «opções» pessoais, o único ponto de partida da evangelização é Jesus Cristo, «o Caminho, a Verdade e a Vida» (Jo 14, 6), a resposta àquele interrogativo que é toda a vida humana. Ao guiardes a Igreja nos Estados Unidos em preparação para o Grande Jubileu, ajudai todos os membros da comunidade católica a compreenderem que conhecemos, amamos, adoramos e servimos a Deus não para satisfazer alguma «necessidade» psicológica, mas para cumprir um dever cuja realização é expressão da mais alta dignidade do homem e fonte da sua mais profunda felicidade. Uma parte essencial do vosso ministério deve consistir em ajudar todos os sectores da comunidade católica a adquirirem uma maior certeza acerca de quanto a Igreja ensina realmente e maior serenidade em enfrentar as numerosas questões que com frequência, inutilmente, são causa de divisão e de polarização entre aqueles que deveriam «estar juntos e ter todas as coisas em comum» (Act 2, 44). Como foi afirmado no recente Sínodo, todos devem ser encorajados a «abandonar os passos hesitantes e incertos, para caminharem alegres com Jesus pela via que conduz à vida eterna» (Mensagem à América, n. 37). 

Dado que os cristãos chegaram a conhecer Cristo e a força libertadora do Evangelho, eles têm a responsabilidade particular de contribuir para a renovação da cultura. Nesta tarefa, que é própria sobretudo dos leigos, os seguidores de Cristo não deveriam deixar de mostrar em todos os sectores da vida pública a luz que o ensinamento de Cristo projecta sobre a condição humana. Na cultura contemporânea observa-se muitas vezes um despertar do sentido da inata dependência de toda a existência humana em relação ao Criador, a capacidade da mente humana de conhecer a verdade e a validade das normas morais universais e imutáveis que guiam todas as pessoas ao cumprimento da sua vocação humana. Quando a liberdade é separada da verdade sobre a pessoa humana e da lei moral inscrita na natureza humana, então a sociedade e a sua forma democrática de vida estão em perigo. Pois, se a liberdade não está unida à verdade e orientada para o bem, criam-se as premissas «para se afirmar, na sociedade, o arbítrio desenfreado dos indivíduos ou o totalitarismo repressivo do poder público» (Evangelium vitae, 96). Os cristãos, ao proclamarem as verdades sobre a pessoa, sobre a comunidade e o destino humanos, que eles conhecem graças à Revelação e à razão, oferecem um contributo indispensável para o sustento de uma sociedade livre, na qual a liberdade alimente um autêntico desenvolvimento humano. 

Caros Irmãos Bispos, ao avizinhar-se o próximo milénio cristão, encorajai todos os católicos nos Estados Unidos a aprofundarem o seu empenho na missão evangelizadora da Igreja. Guiai-os com os vossos exemplo, convicção e ensinamento. Oro para que o Espírito Santo vos ilumine e vos ajude a inspirar o vosso povo, a fim de que o coração dos fiéis resplandeça de modo ainda mais luminoso de amor por Cristo e do desejo de O tornar melhor conhecido. Ao confiar-vos e também todos os sacerdotes, religiosos e leigos das vossas Dioceses a Maria, Mãe do Redentor, concedo-vos de coração a minha Bênção Apostólica.

 

 

top