The Holy See
back up
Search
riga

AGRADECIMENTO DO PAPA JOÃO PAULO II 
NO FINAL DOS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS

Sábado, 27 de Fevereiro de 1999

 

No final dos Exercícios Espirituais, damos graças a Deus que nos falou no silêncio, como ao profeta Elias. Faço partícipe deste profundo sentimento de reconhecimento, antes de mais, o nosso Pregador, D. André-Mutien Léonard, Bispo de Namur, que foi um instrumento dócil e válido do Senhor, nestes dias dedicados à escuta. 

Agradeço-lhe cordialmente o empenho dedicado na preparação e sugestão destes Exercícios Espirituais. Através deles fomos como que imergidos no mistério da eterna Trindade, «viático do homem no caminho do Terceiro Milénio». Vossa Excelência preparou-nos um autêntico itinerário bíblico, enriquecido pelas vozes de santos e mestres espirituais, deixando falar também Solov'ev, propondo os seus textos com as palavras do «Anticristo»: um momento forte. Desta forma pudemos contemplar o rosto de Deus, Pai, Filho e Espírito Santo, a partir do centro da Revelação neotestamentária. Deste modo, fomos ajudados a realizar uma síntese dos conteúdos teológicos subjacentes ao triénio de preparação imediata para o Grande Jubileu, já próximo. A Carta Apostólica Tertio millennio adveniente foi oportunamente citada várias vezes. O Senhor o recompense, nosso caríssimo Pregador, pelo seu esforço. Por favor, aceite ainda outro encargo. Desejamos muito ter o texto. Escrevi também nos meus apontamentos que esperamos o texto, porque era impossível continuar a tomar nota de tudo o que Vossa Excelência disse. Foram momentos muito fortes e originais, como por exemplo a ideia da confissão de Cristo.

Desejo fazer extensiva a minha expressão de reconhecimento a quantos me acompanharam nestes dias. Em primeiro lugar aos membros da Cúria Romana, aos Irmãos Cardeais, aos Bispos e Oficiais da Cúria, a quantos partilharam directamente este momento de graça; e também a todos os que, com as orações, estiveram próximos de nós. Faço votos por que o caminho quaresmal proporcione a cada um abundantes frutos espirituais, e sobretudo aumente em todos a caridade, que é «o laço da perfeição» (Cl 3, 14). 

Maria, que nos acompanhou com a sua materna protecção nestes dias de oração, reflexão e silêncio, torne frutuosos os nossos propósitos e nos guie rumo ao pleno cumprimento da vontade divina na nossa existência: Maria, Spes nostra, salve! Concluamos cantando o Pater Noster e depois concederei a Bênção. Boa Quaresma!

 

© Copyright 1999 - Libreria Editrice Vaticana

top